Director’s Cut: o que significa o termo que está sendo usado nos jogos?

Por Felipe Demartini | Editado por Bruna Penilhas | 21 de Julho de 2021 às 19h33
Divulgação/Sony

Remasterização, otimização, edição Jogo do Ano e, agora, Director’s Cut. A indústria de games, a cada nova geração, acaba utilizando termos que se tornam uma espécie de padrão para significar a presença de melhorias, conteúdo completo, versões aprimoradas ou tudo isso junto. Também funciona como ferramenta de marketing, diferenciando um relançamento do pacote original, por exemplo, ou indicando a novos e velhos jogadores que ali há algo mais do que no passado.

O tema se tornou assunto neste primeiro semestre depois de aparecer em dois títulos exclusivos de PlayStation. Em suas novas versões para o PlayStation 5, Ghost of Tsushima e Death Stranding ganharam a alcunha de “versões do diretor”, ambas chegando à plataforma com material adicional (em um caso, com mais sustância do que no outro) e se aproveitando do hardware do console de nova geração para ficarem ainda mais bonitos.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

No caso de Death Stranding, que será lançado em 24 de setembro, temos novos combates contra chefes, armamentos e modos, além das melhorias visuais. Já Ghost of Tsushima, com chegada marcada para 20 de agosto, a Director’s Cut inclui uma ilha inédita, com enredo e missões adicionais, bem como armaduras, montarias, opções de golpes e outros itens que tornam o protagonista um combatente ainda mais completo. Ainda há uma versão para PS4, sem os upgrades gráficos fornecidos pelo console de nova geração, mas com a adição do conteúdo inédito.

Toda essa moda nos games não veio sem polêmicas, principalmente depois que o diretor e criador de Death Stranding, Hideo Kojima, disse não gostar de chamar a nova versão do jogo de Director’s Cut. Segundo ele, o material extra que chega no relançamento para PS5 foi produzido depois da estreia do game base e, portanto, o novo pacote acaba fugindo da definição original do que seria, na tradução direta, um corte do diretor.

Visão intocada

Como muitas das discussões levantadas por Kojima, as raízes destas também surgiram no cinema. Como o próprio designer de games explicou em suas postagens no Twitter, o “corte do diretor” é uma versão alternativa à padrão, normalmente mais longa ou com conteúdo adicional, que foi deixada de lado por ordens superiores, de executivos ou donos de estúdios, ou porque o cineasta precisava cumprir certos critérios de duração.

Um dos Director’s Cuts mais famosos é o de Blade Runner, cuja versão original, lançada nos cinemas em 1982, nem mesmo foi aprovada pelo diretor Ridley Scott. Na ocasião, o filme trazia narrações que explicavam a história e tinha até um final diferente; a Director’s Cut foi lançada 10 anos depois e foi seguida por outra, de 2007, chamada The Final Cut, com ainda mais cenas adicionais que completavam o ciclo do lançamento.

Mais recentemente, o diretor Zack Snyder também lançou sua versão original do filme da Liga da Justiça por meio do serviço de streaming HBO Max. O chamado Snyder Cut traz de volta a história e os conflitos originais dos heróis, como o cineasta tinha imaginado antes de se ver obrigado a largar a produção diante de uma tragédia familiar — o filme que chegou aos cinemas em 2017 foi finalizado por Joss Whedon (Os Vingadores) e não agradou nem ao público nem ao próprio criador original.

A partir destes dois exemplos, dá para entender o desconforto expressado por Kojima nas redes sociais. Afinal de contas, Death Stranding é um jogo assinado por ele e produzido por seu próprio estúdio, sobre o qual o designer teve controle criativo total; nada, de sua ideia original, ficou de fora ou teve que ser modificado por influências externas. O criador sugere o termo Delector’s Plus, algo como Cortes Deletados, para corresponder ao novo material, que é citado apenas como um adicional à experiência.

Enquanto Kojima foi vocal sobre o assunto, não dá para saber exatamente se a mesma situação também se aplica a Ghost of Tsushima. Os rumores sobre a adição da Ilha Iki já circulavam desde o começo do ano. Mas, de início, se acreditava que o cenário seria palco de um game individual, ainda que ligado diretamente aos eventos da experiência original. Não se sabe, entretanto, em que momento do desenvolvimento a adição foi criada, se deixou de ser adicionada ao jogo base ou se surgiu apenas depois do lançamento do título da Sucker Punch.

Origens antigas

Apesar de muito estar se falando sobre a introdução do Director’s Cut como novo parâmetro para esse tipo de relançamento com adição, o termo não é exatamente novo, ainda que, a bem da verdade, seja incomum. No passado, outras versões semelhantes já chegaram ao mercado, como é o caso de Metal Gear Solid 2: Substance, que trouxe adições à história original pelas mãos do próprio Kojima, e as edições Ultra, Super e Championship Edition que acompanharam a franquia Street Fighter desde seus primórdios.

Um dos casos mais antigos desta nomenclatura exata, talvez, seja Resident Evil Director’s Cut, lançado em 1997, um ano depois do game original. Naquela ocasião, a Capcom apresentava como o “corte do diretor” um game que trazia novas roupas para os personagens e dificuldades mais baixas, atendendo a uma das principais críticas ao jogo, além de um modo com itens em lugares diferentes. O principal destaque, entretanto, era a demo da sequência, que seria lançada apenas no ano seguinte.

A versão Director's Cut do primeiro Resident Evil é uma das edições estendidas mais antigas do mundo dos games, trazendo novos modos e roupas para os personagens, além de uma demo da sequência (Imagem: Felipe Demartini/Canaltech)

Talvez seja cedo para falar em Director’s Cut como um novo padrão para toda a indústria, principalmente em um mercado em que temos diversas nomenclaturas para designar as edições relançadas para a nova geração. Entre Smart Delivery, Boost Mode ou, simplesmente, otimização, o tal “corte do diretor” talvez sirva como um passo adiante, indicando a presença não apenas de melhorias gráficas, mas também de conteúdo adicional.

Acima disso, é também uma forma de valorizar o produto, principalmente em um ensejo no qual muitas melhorias para a nova geração de consoles são lançadas gratuitamente. Quem decide cobrar pela performance adicional, normalmente, não é muito bem visto pelo público, com o Director’s Cut podendo servir como uma alternativa, indicando que, em um relançamento, há mais do que apenas um game mais bonito do que no passado.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.