Análise: A-Data HE720, o HD externo mais fino do mundo

Por Pedro Cipoli

Quando vamos comprar um HD externo costumamos apenas utilizar o filtro de preços e procurar o melhor custo-benefício, ou custo por gigabyte, sem querer investir muito, não é mesmo? Afinal, esses produtos não são tão inovadores a ponto de precisarmos de uma pesquisa adicional. Bem, da mesma forma que os computadores, acessórios como um simples HD externo deve ter algo que chame a atenção além de sua capacidade de armazenamento, um "algo a mais", algo que nos faça dizer "Quer saber? Esse aqui é mais a minha cara".

O A-DATA HE720 que vamos conhecer hoje passa exatamente essa sensação, trazendo um visual bastante em um case bastante fino. Até o fechamento deste artigo (afinal, não sabemos o que vai acontecer amanhã), esse modelo traz o título de mais fino do mundo, com seus 8,9 milímetros de espessura, capaz de causar inveja em muitos smartphones da atualidade (o iPhone 4S, por exemplo, tem 9,3 milímetros), sendo fino o suficiente para ser comparado a um disco rígido de notebook convencional.

Mais do que fino, a construção de alumínio é um ponto fortemente positivo do HE720, o que não torna o produto apenas muito bonito, como também garante uma durabilidade maior, que com a garantia de 3 anos nos dá uma boa margem de segurança sobre os nossos dados. A embalagem inclui também um case de couro (ou algo que aparenta ser couro), o que é ideal para aqueles que possuem um espaço na mochila dedicado aos gadgets e estão acostumados a ver vários deles riscados com o passar do tempo.

No entanto, há um ponto do qual não gostamos. O HE720 simplesmente não usa os quatro apoios do case para ficar estável na mesa. É uma situação muito parecida quando sentamos a uma mesa 'manca', que fica mudando de posição dependendo de onde colocamos o braço. Não podemos afirmar se é um defeito de construção da linha ou se apenas o modelo que recebemos apresentou esse problema, mas não gostamos nem um pouco dessa falha de suporte.

Outro ponto é que ele é sim bastante fino, mas traz um cabo tão grosso que aparenta ser mais volumoso do que o próprio HD externo. É somente um detalhe, mas esperávamos um cabo também mais fino. Como o HE720 traz uma conexão USB 3.0 (que é retrocompatível com um cabo micro USB 2.0 comum de smartphone), sabemos que são 9 fios em vez de 4 do USB 2.0. Entretanto, esse é um dos cabos mais grossos que vimos até então, mas nada que seja realmente comprometedor.

Como não poderíamos deixar de lado, que venham os benchmarks! Pelo menos temos um LED azul bastante simpático para nos consolar, em vez do padrão verde que lembra um roteador barato. Vamos ver do que o HE720 é capaz.

HD Tune Pro 5.50

O HD Tune é uma suíte de ferramentas de testes de dispositivos de armazenamento mais completas do mercado, como discos rígidos e pendrives, realizando vários testes com diferentes parâmetros para medir a velocidade de leitura/escrita, tempo de acesso, acesso aleatório e muitos outros aspectos.

Informações do dispositivo

O A-Data HE 720 traz 500 GB de armazenamento nominal, dos quais 477 GB ficam disponíveis para os dados do usuário. Naturalmente, o modelo não possui TRIM por não se tratar de um SSD, e mesmo que não tenha um controle automático de acústica, reparamos que ele é um modelo bastante silencioso.

Indo um pouco mais fundo, vemos que há um cache de 16 MB para melhorar a velocidade de transferência e que o formato de arquivos de fábrica é o FAT32, o que consideramos absurdo, afinal só há suporte para arquivos de até 4 GB (ou seja, nada de filmes em alta definição). Quando conectados o drive pela primeira vez em um computador, fizemos questão de formatá-lo como NTFS.

Benchmark de leitura contínua de dados

Nos testes de leitura de dados do HD Tune Pro, o HE720 da A-Data obteve a performance próxima de um HD convencional, alcançando uma média de 89.0 MB/s de velocidade de transferência, com um pico de 112,2 MB/s e um mínimo de 53.0 MB/s (sendo resultados melhores do que os obtidos pela Ministation da Buffalo). Pelo gráfico, podemos ver que o desempenho cai de forma contínua para arquivos muito grandes, como acontece em discos rígidos comuns.

File Benchmark

A aba "File Benchmark" do HD Tune testa o desempenho da transferência contínua de dados em situações reais. Em nosso teste, simulamos a velocidade de transferência de um arquivo com 500 GB de tamanho, no qual alcançamos uma média de 111 MB/s de leitura e 46 MB/s de escrita. O HE720 da A-Data se comporta como se fosse o disco primário do computador, alcançando velocidades semelhantes de leitura, mas tem um desempenho de escrita consideravelmente inferior.

Random Access

Em testes de acesso aleatório, o HE720 alcançou tempos de acesso típicos de um HD convencional, ou seja, bastante altos (em alguns casos passando de 50 ms, o equivalente a meses, em 'tempo de computador'). Este é o quesito no qual os SSDs abrem uma vantagem generosa em relação aos discos rígidos, já que possuem tempos de acesso bem mais baixos.

CrystalDiskMark 3

O CrystalDisk Mark é um programa gratuito e bastante simples, feito para medir o desempenho de dispositivos de armazenamento. Nesse teste, utilizamos blocos de 1000 MB como referência. Os resultados mostrados são as médias das cinco operações realizadas.

Aqui, o HE720 alcançou as mesmas velocidade de leitura no ATTO Benchmark e HD Tune, mas em escrita ele se saiu melhor do que no HD Tune e alcançou resultados semelhantes aos do ATTO Benchmark. Apesar do teste, não conseguimos reproduzir esse resultado em transferências reais de arquivos do HD para o PC.

ATTO Benchmark

Utilizado por muitas empresas para comprovar as taxas de transferência de memórias primárias (memória RAM) e secundárias (discos rígidos e SSDs), o ATTO Benchmark realiza transferência de blocos de dados de 512 bytes até 8 MB e disponibiliza o resultado na forma de gráficos de barras. O desempenho ficou novamente muito próximo de um HD primário, com taxas de transferência mais baixas para blocos de 512 bytes até 8 KB e se comportando de forma estável entre 16 KB e 8 MB.

Conclusão

O HE720 da A-Data pode ser encontrado no mercado brasileiro por cerca de R$ 300, sendo um preço alto por sua capacidade de armazenamento. Mas não é só armazenamento que devemos analisar aqui. Além de ser extremamente fino e portátil, o dispositivo conta com um design sem precedentes. Apesar do pouco espaço, as velocidades de transferência são comparáveis às de um disco rígido convencional.

Testamos o HE720 em uma porta USB 2.0 com um cabo micro USB convencional, mas não publicamos o resultado por não acreditarmos que vale a pena adquirir um modelo USB 3.0 para utilizá-lo em uma porta inferior. A performance alcançaria apenas o limite desse tipo de conexão (cerca de 35 MB/s).

Vantagens

  • Design acima da média;
  • Extremamente fino e portátil;
  • Acompanha bolsa de couro para transporte.

Desvantagens

  • Custo por gigabyte bastante alto;
  • Pré-formatado como FAT32 em vez de NTFS.
Instagram do Canaltech

Acompanhe nossos bastidores e fique por dentro das novidades que estão por vir no CT.