Análise | Jaybird Tarah, um fone fitness para dar um gás nos seus treinos

Quem quer se manter em forma e curtir um bom som pra ajudar na concentração certamente já começou a pesquisar opções de fones de ouvido para levá-los à academia ou pras pistas de corrida. Existem muitos modelos bacanas no mercado voltados para a prática de esportes, e um deles é o Jaybird Tarah, um pequeno e resistente companheiro para suas práticas esportivas ao ar livre ou indoor.

Antes, portanto, de prosseguir com esta análise, leve em conta que este fone (como praxe dos produtos da Jaybird) é voltado para a galera fitness, o que você percebe logo no primeiro contato, muito embora sirva também para o dia a dia. Mas, vamos manter o foco.

Design & Ergonomia

Um fone in-ear esportivo, com visual esportivo, para práticas esportivas. Sim, o Tarah é isso aí, um "equipamento" a mais pra dar uma temperada nas suas horas de malhação e te deixar feliz enquanto curte seu som sem fios embananando nos seus braços e pescoço enquanto puxa ferro ou caminha/corre.

O modelo que recebemos para testes veio na cor azul marinho, é muito discreto, bonito e todo emborrachado. Tem uma pegada resistente pelo material que usa na sua construção, nos deixando seguros caso ele caia no chão no meio de um treino mais pesado. O Tarah tem certificação IPX7, o que em outras palavras, significa ser resistente a chuvinhas leves e, claro, ao suor dos atletas — mas nem pense em nadar com buds, afinal, resistência a água não quer dizer submersão por mais de 30 minutos em piscina ou qualquer outro ambiente aquático. E claro: isso ainda desconsiderando o Bluetooth, que geralmente perde alcance dentro d'água.

Como um fone wireless, ele foi desenvolvido para funcionar com seu smartphone no bolso, próximo ao corpo ou no máximo no escaninho da academia (a depender do alcance do Bluetooth, se você estiver por perto).

Os buds se encaixam muito bem nas orelhas por meio de pontas de silicone (intercambiáveis). Estas, aliás, fixam-se bem graças a uma alcinha macia que você prende nas curvas da orelha, causando zero desconforto e total estabilidade.

O discretíssimo Jaybird Tarah (Foto: Luciana Zaramela/Canaltech)

Controles

No cabo do lado direito, temos o controle de reprodução e volume das músicas — cujo tamanho nos agradou muito, aliás. Enquanto estamos pedalando ou correndo, precisamos de controles de fácil acesso nos fones, ainda mais em modelos esportivos, cujo cabo geralmente passa por trás do pescoço. Kudos para o Tarah, que tem botões em alto relevo para nos ajudar nessa tarefa.

É intuitivo: os controles de mais e menos aumentam e diminuem o volume, mas se forem pressionados por cerca de 1 segundo, servem para pular de música (+, para frente; -, para trás). Já o botão central, em formato de círculo, é multifuncional e serve para pausar/reproduzir músicas, atender e finalizar chamadas e acionar seu assistente no celular (Google ou Siri).

Detalhe para os controles (Foto: Luciana Zaramela/Canaltech)

Bateria

O Tarah foi desenvolvido pensando em malhação e treinos esportivos, certo? Então não espere uma bateria que dure de 15 a 30 horas com uma só carga aqui, não. Ele entrega 6 horas de som e leva quase duas horas para carregar a bateria por completo. Então se você malha todos os dias, vai ter de dividir o tempo da bateria com sua frequência nos treinos antes de colocá-lo no dock de carga novamente. Dock esse, aliás, que lembra muito a base da pulserinha Mi Band, da Xiaomi: meio casulo que você acopla no fone e liga via USB no PC ou num carregador de 5W. Tem quick charge? Tem: 10 minutos entregam 1 hora de playback.

Conectividade

O Tarah utiliza Bluetooth 5.0 para garantir mais estabilidade enquanto você reproduz suas músicas, e isso é um ponto bastante positivo, visto que não tivemos problemas com a constância da conexão nos nossos testes. Aliás, ele suporta uma distância considerável a ponto de você poder malhar com o telefone dentro da mochila, num cantinho da sala na academia. Mas se quiser assistir a vídeos ou jogar videogame com ele, esqueça. Dá muita latência, e, bem… ele não é um fone voltado para isso. Definitivamente.

As ponteiras de silicone do Tarah são macias e muito confortáveis (Foto: Luciana Zaramela/Canaltech)

App Jaybird: o crème de la crème do Tarah

Toda a graça do Tarah acontece quando baixamos o app da Jaybird e brincamos com o que ele oferece. Aliás, quando um aplicativo acompanha os fones de ouvido, a gente já começa a rir de orelha a orelha, porque dali podem surgir surpresas bem agradáveis. Além de uma comunidade dedicada aos amantes da música e do esporte, com playlists assinadas por usuários para dar aquele gás nos treinos, o aplicativo traz um excelente equalizador que literalmente transforma o fone, antes meio "meh" no primeiro contato, em um apetrecho que faz valer cada centavo e ainda anima sua sagrada malhação.

Tudo no aplicativo Jaybird Freedom é fácil de usar e de maneira geral ele é bastante intuitivo. Os controles e a navegação pelo aplicativo são simples, e você já escuta, em tempo real, a modificação no áudio, inclusive se estiver usando os fones fora do app — isto é, ouvindo música no seu serviço de streaming favorito ou no próprio telefone, caso armazene músicas nele.

O excelente app da Jaybird (Screenshot: Luciana Zaramela/Canaltech)

Nos nossos testes, usamos o Spotify e o YouTube para testar a eficácia do equalizador da Jaybird. Claro, também brincamos pelas playlists dos usuários dentro do aplicativo dedicado aos fones e encontramos algumas bem bacanas, diga-se de passagem. Mas como a grande maioria da galera fitness curte um som mais "pancadão" eletrônico, talvez os amantes de outros estilos tenham um pouquinho de dificuldade ao encontrar uma playlist do seu agrado na comunidade. Sem problemas, a equalização segura firme quando trocamos de aplicativo e decidimos ouvir o que mais gostamos no Spotify (a zona de conforto dessa que vos escreve) e congêneres.

Áudio per se

Como você já deve ter sacado logo acima, não sentimos, ao tirar da caixa e colocar os fones para trabalhar no primeiro contato, que eles fossem ganhar muitas estrelinhas. Como o Tarah vem setado de fábrica com zero equalização (todo flat, por assim dizer), soa um pouco médio demais quando colocado nos ouvidos da primeira vez. Quando isso acontece, vamos correndo pras app stores procurar aplicativos para empurrar e "pimpar" o som.

Felizmente a Jaybird trabalhou bem o áudio quando se usa o aplicativo. Como cada usuário pode personalizar o som à sua maneira e ainda salvar perfis para cada tipo de treino, playlist ou humor do dia, fica tudo automatizado ao gosto do freguês. Nos dias que ficamos com o Tarah, brincamos um pouco com o equalizador e atingimos níveis satisfatórios de áudio que nem imaginaríamos conseguir com os fones. A máxima se fez valer: nunca julgue um livro pela capa.

Graves e médio graves consistentes, gostosos para quem está malhando e também para quem não está. A Jaybird certamente direcionou o Tarah para quem está com o metabolismo a todo vapor e precisando ouvir batidas e ritmos frenéticos para ajudar a manter o pique nos treinos, então se você gosta de graves, tome graves! Basta setar as frequências mais baixas do equalizador manual "no talo" e você terá um Drum N' Bass pra malhar no seu ritmo. Aliás, música eletrônica é o melhor estilo para se ouvir no Tarah — meio óbvio, não?

Se vai malhar, pedalar, caminhar ou correr, o Tarah te garante um playback bacana sem incomodar (Foto: Luciana Zaramela/Canaltech)

Os médios pronunciados no início podem ser maquiados com uma ajudinha, inclusive abaixo da linha de 0 dB se você quiser sumir com essa frequência da sua vida e deixar os graves e agudos fritando seus miolos durante o treino. A amplitude que o equalizador gráfico oferece é tão grande quanto a variação de estilos que o usuário pode escolher ouvir com o Tarah. Malhar escutando synthpop fica uma delícia se você equalizar a linha como se fosse um sorriso discreto aqui, com ênfase nos graves e nos agudos e um pouquinho menos nos médios.

Já o espectro dos agudos é um pouquinho mais fraco que os anteriores, principalmente em volumes mais altos. Em graves e médios, não nos incomodamos com sobreposição de frequências de instrumentos, mas nos agudos sentimos perda de detalhes (principalmente na gama agudos-médios e agudos-agudos). Em outras palavras, percussões, chimbais, sons sibilantes e até mesmo guitarras, teclados e demais instrumentos que ultrapassam a faixa dos 4kHz perdem clareza aqui. Se essa "conversa" estiver muito audiófila para você, releve: você só vai perceber isso se ficar analisando o fone enquanto escreve uma análise, mesmo. Ou se você se concentra muito na música. Nos treinos, é equalizar os agudos a seu gosto e pau na máquina.

De maneira geral, nos surpreendemos com a resposta do Tarah em todas as frequências, e harmonicamente falando, é um fone agradável ao que se propõe. Um fone consistente em todos os sentidos, tanto em construção, quanto na entrega do som. Aliás, falando em entrega do som, por ser um fone in-ear de palco (bastante) restrito, ele tem um efeito panorâmico muito legal que dá para explorar bastante gravações em stereo. Experimentamos ouvir um rock progressivo super "viajandão" nele só para desafiar esse aspecto (The Prophet's Song, do Queen) e o resultado quanto a isso é: Jaybird, você está de parabéns. Não se pode exigir muito de palco sonoro em um fone que A) é voltado para fitness; B) é in-ear e hermeticamente fechado (ao contrário dos Air Pods, da Apple, por exemplo).

Nas chamadas telefônicas, o fone é dentro da média esperada. Ouvir com ele é bom, mas a voz fica um pouco alterada no microfone. Nos nossos testes, em todas as ligações os interlocutores nos perguntaram por que nossa voz soava diferente. Claro: o microfone não é ruim para falar e gravar, mas é perceptivelmente diferente. Isso não atrapalha a compreensão, e para quem está no meio de um treino e recebe uma ligação importante, funciona lindamente.

Isolamento e vazamento de áudio

Não é a principal premissa do Tarah oferecer um bloqueio do mundo lá fora ao cidadão que está malhando enquanto curte música nos fones, mas por ser fechado, emborrachado e com pontas que vedam os ouvidos, principalmente, ele oferece um bom nível de isolamento de ruído passivo. Isso na academia é ótimo — sim ou claro? Mas pedalar com eles gera um pouco de frio na barriga (se for no meio do trânsito).

Pouco ou quase nada do que você estiver ouvindo vai vazar para quem está de fora, então pode ouvir música alta sem problemas com o Tarah.

O que há na caixa

Conteúdo da caixa (Foto: Luciana Zaramela/Canaltech)
  • Jaybird Tarah
  • Dock de carregamento
  • 3 pontas de gel para trocar
  • Presilha de camiseta
  • Manuais

Faltou o case de transporte. O Tarah infelizmente não vem com uma bolsinha, então ou você arruma uma caixinha pra transportá-lo ou coloca ele no meio das suas roupas na mochila, mesmo.

Specs

  • Tipo: In-ear
  • Isolamento acústico: passivo
  • Impedância: 16 ohms
  • Sensibilidade do alto-falante: 99 +-3 dB com 1 kHz
  • Máximo de saída 10 mW RMS (com limite de nível)
  • Distorção harmônica total <5% (1 kHz, 1 mW)
  • Formato de áudio: estéreo, 16 bits
  • Codec: implementação SBC Bluetooth
  • Largura de banda: 20 Hz – 20 kHz
  • Tamanho do driver: 6 mm
  • Bluetooth 5.0

Veredicto

Custando R$ 499 no site oficial da Logitech aqui no Brasil, o Tarah vem em três cores: preta com detalhes em verde, cinza e azul.

Para o propósito dos fones, eles chegam na medida certa para te entregar um som dinâmico e poderoso enquanto você bota seu corpo para queimar calorias. O legal é que, além de ter uma boa conexão Bluetooth e casar bem com a maioria dos estilos musicais (nem todo mundo curte malhar ouvindo música eletrônica ou rock n' roll, que fique claro), o Tarah é bastante resistente e vem para dar conta de lidar com o suor e com eventuais deslizes — embora seja praticamente impossível deixá-lo escorregar ou cair no chão, já que se acopla muito bem às orelhas e não incomoda durante o uso.

Gostamos muito do design aerodinâmico e do conforto proporcionado pelos fones, aliás. O único ponto que pesa aqui é a duração da bateria. Ok, sabemos que você não é um super-humano que vai malhar mais de seis horas seguidas, mas chegar em casa cansado e lembrar de colocar os fones para carregar para o treino seguinte pode ser um incômodo a mais na sua rotina. Mas é aquela coisa, questão de costume.

A questão do áudio também surpreende, mas, de novo: graças ao aplicativo. Então, se você considera comprar um Tarah, já pode entrar na App Store ou Google Play para baixar o aplicativo oficial da Jaybird e personalizar o som. Aí sim você vai extrair o máximo dos fones, inclusive em termos de graves, para deixá-los na medida certa dos seus treinos.

Aqui no Canaltech a gente não focou apenas em treinos, academia ou pistas. No fim das contas, o Tarah virou companheiro de tudo: passear no shopping, comprar pão na padaria, pegar no sono, relaxar enquanto lê um livro, correr com os afazeres do dia a dia e, claro: trabalhar (o isolamento passivo é bem bom, diga-se de passagem). É um fone discreto, firme e bom de serviço. Para o que se propõe, é um excelente investimento. Para uso diário, foi surpreendente. Para assistir a vídeos, jogar ou ver TV, esqueça… não faz parte da proposta. Nota 8 (se usado com o app da Jaybird, hein?).

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.