Vulcões encontrados em Marte podem expelir lama, e não lava

Vulcões encontrados em Marte podem expelir lama, e não lava

Por Daniele Cavalcante | 18 de Maio de 2020 às 19h50
NASA/JPL/USGS

Em Marte, existem dezenas de milhares de fluxos que se parecem com a lava da Terra. Geralmente, essas formações marcianas estão em canais que parecem ter abrigados rios antigos. Até então, os cientistas não podiam explicar essas “lavas”, mas o mistério parece ter sido resolvido: trata-se, na verdade, de lama.

O estudo liderado por Petr Brož, da Academia Tcheca de Ciências de Praga, observou como seria o comportamento da lama descendo um declive a baixas pressões e temperaturas abaixo de -8 °C, aqui na Terra. Essas condições são semelhantes às de Marte, então o resultado deveria ser semelhante ao que aconteceria com a lama no Planeta Vermelho.

Com essa técnica, eles notaram que a superfície da lama congelou rapidamente, mas o interior do fluxo permaneceu protegido. Por isso, a parte interna foi capaz de continuar rastejando para a frente abaixo da “casca” congelada. Se você já viu vídeos de lava descendo dos vulcões através dos sulcos, deve ter imaginado algo semelhante acontecendo com esta lama. A parte mais externa do fluxo de lava se solidifica, mas a parte de baixo continua em movimento, e o fluxo continua lentamente.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

A cratera circular de um vulcão de lama no Azerbaijão (Foto: Petr Brož)

De acordo com Brož, sua equipe esperava que todo o fluxo de lama congelaria em segundos e pararia de se mover. Não foi o que aconteceu, no entanto. “Uma vez que você cria uma crosta, a lama não é mais exposta à atmosfera e pode permanecer líquida e se mover abaixo da proteção da crosta”, disse.

Os experimentos não consideraram em sua simulação do ambiente marciano que a gravidade na superfície de Marte é menor que na Terra. Mas a gravidade reduzida só faria com que a lama fluísse ainda mais antes de desacelerar e parar; ou seja, a ideia de que a lama em Marte se comporta como “lava” deve estar correta. Agora, resta descobrir se os pequenos vulcões da superfície marciana estão expelindo lava ou lama.

Confirmar o material desses vulcões é uma tarefa um pouco mais difícil, mas ajudará a descobrir o que está acontecendo nas profundezas do planeta - Marte tem reservatórios de lava ou água barrenta abaixo de sua superfície? Provavelmente, a melhor forma de ter certeza é enviar um veículo exploratório capaz de perfurar o solo em locais específicos para coletar amostras. Seja como for, agora sabemos que, se encontrarmos algo parecido com lava em outros mundos, pode ser apenas um vulcão de lama.

Esse "vulcanismo sedimentar" também foi proposto como uma das possibilidades para explicar algumas atividades no planeta anão Ceres, que fica no cinturão de asteroides entre Marte e Júpiter. Se a hipótese estiver correta, Ceres pode contar com um oceano de água barrenta sob sua crosta gelada.

Fonte: New Scientist

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.