Vida alienígena será descoberta em 2100, diz astrônoma da NASA

Por Patrícia Gnipper | 26 de Março de 2018 às 17h20

O físico teórico Michio Kaku acredita que a humanidade ouvirá comunicações entre civilizações alienígenas ainda neste século, e as previsões de Jill Tarter, astrônoma da NASA, casam com essa ideia. Ela acredita que a humanidade confirmará a existência de vida extraterrestre por volta de 2100.

Tarter é conhecida por seu trabalho no SETI ("Search for Extraterrestrial Intelligence”, ou “Busca por Inteligência Extraterrestre” em tradução livre), projeto que reúne dados coletados por radiotelescópios de todo o mundo a fim de detectar sinais que não são emitidos naturalmente no espaço, indicando que seriam, portanto, criados por alguma civilização alienígena tecnologicamente evoluída.

Seu nome ficou mais popular fora do meio científico após o lançamento do filme Contato, inspirado no livro homônimo de Carl Sagan. Na trama, a atriz Jodie Foster interpreta uma cientista do SETI, retratando, de certa maneira, Jill Tarter nas telonas, ainda que com outro nome.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

No último domingo (24), Jill falou a respeito de sua busca pelos ETs em um evento realizado na Flórida, Estados Unidos. Ali, além de revelar essa previsão para o aguardado momento da descoberta de existência de vida fora da Terra por meio de ondas de rádio pelo SETI, a astrônoma também disse que, também nas próximas décadas, a humanidade acabará comprovando que há vida, sim, em outros lugares do espaço, mas aqui mesmo no Sistema Solar – contudo, não esperamos a descoberta de seres extremamente evoluídos neste caso, sendo mais provável a existência de vida microbiana em luas dos gigantes gasosos.

Tarter ressalta, também, que há mais planetas do que estrelas na Via Láctea (fato este que vem sendo comprovado pelas descobertas do telescópio espacial Kepler nos últimos anos). Sendo assim, reduz-se ainda mais a ideia de que a vida teria se originado apenas em nosso planeta, reforçando o conceito de que não acreditar em inteligências extraterrestres é ir contra as probabilidades.

Jill Tarter tem em sua agenda pelo menos outras 75 palestras a respeito da busca por alienígenas de maneira científica, ajudando, ainda, a arrecadar fundos para o projeto Alien Telescope Array, atualmente em construção na Califórnia. Também conhecido como "O telescópio de 1 hectare", o projeto é uma criação do SETI com o Laboratório de Radioastronomia da Universidade da Califórnia, em Berkeley, com a intenção de ampliar ainda mais esse tipo de busca.

Fonte: Florida Today

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.