Telescópio espacial TESS descobre um dos maiores subnetunos conhecidos até hoje

Telescópio espacial TESS descobre um dos maiores subnetunos conhecidos até hoje

Por Danielle Cassita | Editado por Patrícia Gnipper | 05 de Agosto de 2021 às 19h26
NASA/JPL-Caltech

Uma equipe internacional de astrônomos, liderada por Robert Wells, da Universidade de Berna, na Suíça, descobriu um novo exoplaneta orbitando a estrela TOI-2406, uma anã do tipo M que fica a cerca de 180 anos-luz da Terra. O planeta foi identificado pelo telescópio Transiting Exoplanets Survey Satellite (TESS), da NASA, e é um subnetuno com cerca de três vezes o tamanho da Terra.

O TESS está analisando cerca de 200.000 das estrelas mais brilhantes próximas do Sol. Uma delas foi acompanhada durante os anos de 2018 e 2020, e o telescópio identificou uma mudança na curva de luz do objeto que poderia indicar um trânsito planetário. Com observações fotométricas e espectroscópicas realizadas posteriormente por telescópios em solo, a descoberta foi confirmada. “Aqui, anunciamos a descoberta e a validação de um subnetuno orbitando a estrela TOI-2406”, descreveram os autores no artigo.

A curva de luz que sinalizou a presença do planeta (Imagem: Reprodução/Wells et al., 2021)

O planeta recém-descoberto tem raio equivalente a 2,94 vezes o da Terra, e orbita a estrela a cada 3,07 dias, à distância aproximada de 0,023 unidades astronômicas. Os autores acreditam que a temperatura de equilíbrio do planeta é de aproximadamente 447 K, o equivalente a 173,85 ºC, e o planeta pode ter massa equivalente a 9,1 vezes a da Terra — por isso, o TOI-2406 b é um dos maiores subnetunos já encontrados.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Já a estrela tem 0,2 raios solares, com massa estimada de 0,16 massas do Sol. A temperatura efetiva dela é de cerca de 3.100 K e é pobre em metais. Devido à baixa metalicidade e ao tamanho relativamente grande do planeta, somado ao seu período curto, os astrônomos apontam que este é um sistema bastante incomum. “É um desafio para o modelo de acreção do núcleo da formação de planetas, em que as simulações tentam produzir grandes planetas em torno de estrelas do tipo tardio e pobres em metais”, descreveram os autores.

Mais observações serão necessárias para aprenderem mais sobre outras propriedades do sistema, como a massa do planeta e a descoberta de possíveis outros membros por lá. Além disso, os autores consideram que o TOI-2406 b é um bom candidato para a espectroscopia de transmissão com o futuro telescópio espacial James Webb, da NASA, que deverá ser lançado no fim deste ano.

O artigo com os resultados do estudo foi publicado no repositório online arXiv, sem revisão de pares.

Fonte: Phys.org

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.