Se cuida, SpaceX! Rocket Lab recupera estágio de foguete pela primeira vez

Por Patrícia Gnipper | 26 de Novembro de 2020 às 17h40
Rocket Lab

O futuro é mesmo dos foguetes reutilizáveis, barateando os lançamentos espaciais e, assim, permitindo que um número cada vez maior de projetos sejam realizados no espaço. Quem abriu essa "porteira" no mercado, efetivamente falando, foi a SpaceX de Elon Musk, com seus mais do que bem sucedidos foguetes Falcon 9, batendo recorde atrás de recorde na quantidade de estágios recuperados e de reutilizações em novos lançamentos. Mas agora um novo player começa a se destacar nesse mercado: a também norte-americana Rocket Lab, que acaba de recuperar o primeiro estágio de um foguete com sucesso.

A empresa fundada por Peter Beck tem um foguete chamado Electron, protagonista de seu novo feito. O primeiro estágio do foguete, lançado nesta semana, fez um splashdown (ou seja, pouso marítimo) no Oceano Atlântico, de maneira controlada e conforme o planejado. Beck, em seguida, chamou a operação de "um sucesso total", inclusive.

Um navio de recuperação coletou o booster no oceano logo após o splashdown e, agora, engenheiros da Rocket Lab desmontam esse primeiro estágio para examinar suas várias peças, procurando por desgastes e danos. Contudo, parece que os motores não poderão ser reaproveitados em novos lançamentos, pois, segundo Beck, "tudo ficou bem torrado lá embaixo". Ainda assim, a empresa poderá reaproveitar o escudo térmico e alguns componentes do primeiro estágio, que serão modificados e reforçados.

Quanto ao processo de recuperação do booster, no futuro, a companhia pretende fazer diferente: a ideia é que um helicóptero capture o propulsor no ar, em vez de fazer pousos no oceano ou mesmo em terra firme — como a SpaceX costuma fazer, por sinal. "Tirar foguetes do oceano simplesmente não é divertido", disse Beck. O CEO também explica que essa captura "diferentona" vai funcionar da seguinte maneira: o helicóptero "vai decolar ao mesmo tempo em que o foguete, e pairar sobre um ponto de reentrada previsto", com tudo sendo monitorado em tempo real para garantir uma sincronia perfeita. Já caso algo dê muito errado com o lançamento, como, por exemplo, se houver uma explosão, o helicóptero não correrá o risco de ser atingido por destroços, pois estará em uma trajetória diferente.

Embarcação recuperando o primeiro estágio do foguete Electron (Imagem: Reprodução/Rocket Lab)

O foguete Electron tem 18 metros de altura e já tem levado pequenos satélites à órbita terrestre, sendo um veículo não reutilizável da empresa desde seu voo inaugural, em 2017. A Rocket Lab produz vários deles periodicamente e, com o sucesso da recuperação de seu primeiro estágio em 2020, a companhia caminha para um futuro reutilizável, nos moldes da empresa espacial de Elon Musk.

Fonte: Rocket Lab, TechCrunch

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.