Rocket Lab tem novo foguete reutilizável e plano de lançar astronautas ao espaço

Por Daniele Cavalcante | 02 de Março de 2021 às 20h10
Rocket Lab

"Há algumas coisas que dissemos que nunca faríamos, mas vamos construir um grande foguete". A frase é de Peter Beck, CEO da empresa Rocket Lab, proferida em um vídeo no qual ele anuncia uma novidade para lá de interessante ao mercado de lançamentos espaciais: um novo foguete de grande porte chamado Neutron. Mas as novidades da companhia da Califórnia não param por aí, pois eles pretendem abrir seu capital e participar da crescente competição das constelações de satélites de internet.

Render conceitual do novo foguete da Rocket Lab, o Neutron (Imagem: Reprodução/Rocket Lab)

As notícias foram divulgadas na última segunda-feira (1º), quando a Rocket Lab anunciou um acordo de fusão definitiva com a Vector Acquisition Corporation, uma empresa de aquisições para propósitos específicos — basicamente, é o tipo de companhia conhecida como “empresa de cheque em branco”, que atua em bolsas de valores adquirindo empresas privadas tornando-as públicas, pulando a etapa da oferta pública inicial.

Isso significa que a Rocket Lab se tornará uma empresa de capital aberto assim que o contrato entrar em vigor, o que acontecerá no segundo trimestre de 2021. Quando o momento chegar, a Vector mudará seu nome para Rocket Lab USA, Inc. e a nova empresa resultante da fusão será apresentada como RKLB no Nasdaq. A fusão fala bastante sobre as novas ambições da Rocket Lab, dona de um foguete pequeno, que até então demonstrava pouco interesse em disputar o mesmo espaço — sem trocadilho — com empresas como a SpaceX.

Em outras ocasiões, a Rocket Lab deixava claro que seu foguete Electron iria, sim, continuar lançando pequenos satélites (ou mesmo minúsculos) para pequenas empresas. Mas, embora o Electron tenha recebido um método de recuperação do primeiro estágio (método bastante peculiar, diga-se de passagem, coisa que havia dito que jamais faria), a Rocket Lab não pretendia lançar foguetes grandes. Os novos planos, entretanto, parecem bem mais ambiciosos, e seguem na contramão das promessas do passado.

Por falar em passado, o CEO Peter Beck cumpriu uma antiga promessa: a de que comeria seu chapéu caso seguisse o caminho da reutilização de estágios de foguetes. Sim, ele literalmente comeu seu boné no divertido vídeo de anúncio do novo foguete, o Neutron.

As características do Neutron mostram que a Rocket Lab está disposta a entrar na “briga” com SpaceX, ao menos no que diz respeito a lançamento de cargas úteis sob encomenda. O novo foguete Neutron terá 40 metros de altura e será capaz de lançar cargas de até 8 toneladas para a órbita baixa da Terra, ou até mesmo 2 mil km para a lua. Para fins de comparação, o Electron, foguete atual da Rocket Lab, tem 18 metros de altura e pode transportar cargas úteis de até 300 kg.

Talvez o que mais chama a atenção no anúncio é uma ilustração do Neutron, que mostra algo que parecem ser “pernas” de pouso para recuperar o primeiro estágio, estratégia que a SpaceX tem usado para reduzir custos e oferecer lançamentos a preços bastante competitivos. Bem, a competição promete ficar mais interessante com o novo Neutron, que também terá seus boosters recuperados em uma plataforma no meio do oceano.

Embora os anúncios da última segunda-feira tenha sido uma surpresa, a Rocket Lab vem se esforçando há algum tempo para aumentar sua capacidade de lançar cargas úteis para seus clientes com mais frequência, de várias maneiras. Exemplo disso é a melhoria em sua capacidade de produção de foguetes, com foco em seus recursos de produção automatizada de fibra de carbono. Além disso, anteriormente situada na Nova Zelândia, a Rocket Lab estabeleceu há alguns anos seu local de lançamento nos EUA. Entretanto, a empresa abrirá uma segunda plataforma de lançamento em sua propriedade na Nova Zelândia.

(Imagem: Reprodução/Rocket Lab)

Por fim, a Rocket Lab afirma que o Neutron tem como principal objetivo — ao menos por enquanto — atender à crescente demanda de seus clientes que pretendem lançar grandes constelações de satélites, como a SpaceX faz através da iniciativa Starlink. Com um foguete maior e mais poderoso, a Rocket Lab poderá lançar uma quantidade bem maior de satélites, o que acelera a velocidade da implementação das constelações orbitais. A SpaceX, por exemplo, envia 60 satélites em cada lançamento no foguete Falcon 9.

A próxima missão do Rocket Lab, chamada "They Go Up So Fast", está agendada para o final deste mês e deve ocorrer na Nova Zelândia. Como tem feito até o momento, a empresa levará sete pequenos satélites para seus clientes comerciais e governamentais, incluindo o Exército dos EUA. O foguete Neutron também levará uma nave da própria Rocket Lab, chamada Photon Pathstone, para testar tecnologias para uma missão lunar da NASA, que terá lançamento no final deste ano.

Para o futuro, a Rocket Lab afirma que será possível lançar seres humanos ao espaço com o Neutron, o que é um indício de que a companhia está muito interessada em se tornar uma das empresas que levam astronautas à Estação Espacial Internacional e, talvez, à Lua e além.

Fonte: Business Wire, TechCrunch, Space.com

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.