Publicidade

Planeta tão fofo quanto algodão-doce pode se tornar uma superterra

Por| Editado por Luciana Zaramela | 21 de Maio de 2024 às 17h14

Link copiado!

NASA/ESA/G. Bacon/STSCI
NASA/ESA/G. Bacon/STSCI

O exoplaneta V1298 Tau b tem o tamanho de Júpiter, mas não por muito tempo. Através de observações do telescópio espacial Hubble, cientistas descobriram que este mundo fofo como algodão-doce está encolhendo. Por isso, ele está a caminho de se tornar um planeta menor que Netuno, ou pouco maior que a Terra. 

Este exoplaneta orbita uma estrela que tem aproximadamente 23 milhões de anos. Isso significa que este astro é um bebê se comparado a estrelas de meia-idade, como nosso Sol, que já chega aos 4,6 bilhões de anos. Em seu sistema, V1298 Tau b está acompanhando dos exoplanetas V1298 Tau c, d e e. 

"O V1298 Tau b tem o tamanho de Júpiter. No entanto, descobrimos que a massa desse planeta é comparável, ou até menor, que a de Netuno”, observou Saugata Barat, pesquisador que liderou a equipe. Portanto, isso significa que, se o planeta perder grande parte da sua atmosfera, ele deve se tornar um subnetuno, nome dado aos exoplanetas com raio menor que aquele de Netuno, ou até uma superterra.

Continua após a publicidade

Para chegar a estes cenários, os pesquisadores observaram com o telescópio Hubble as passagens do exoplaneta em frente à sua estrela. Ao investigar a atmosfera de V1298 Tau b, os autores notaram que ali existe uma atmosfera grande e limpa que se estende por quase 1.000 quilômetros. 

Portanto, V1298 Tau b tem atmosfera muito maior que aquela de objetos do Sistema Solar. O mais curioso é que o planeta fica a cerca de 25 milhões de quilômetros da sua estrela, levando apenas 24 dias para completar uma volta ao redor dela. Devido à proximidade, o planeta é bombardeado intensamente pela luz ultravioleta e por raios X, que destroem sua atmosfera.

Para completar, o interior do exoplaneta é bem quente e também contribui para a perda atmosférica. “Portanto, é possível que, no devido tempo de sua evolução, a composição atmosférica e a química do V1298 Tau b também possam mudar”, sugeriu o autor. Mais observações são necessárias para os cientistas entenderem o que esperar da evolução de V1298 Tau b. 

O Canaltech está no WhatsApp!Entre no canal e acompanhe notícias e dicas de tecnologia

Felizmente, eles conseguiram tempo para observá-lo com os instrumentos do telescópio James Webb, que “é sensível a uma grande variedade de moléculas como água, metano, monóxido e dióxido de carbono, e dióxido de enxofre”, disse Barat. Ao determinar a abundância destas e de outras moléculas, eles podem criar uma espécie de inventário dos compostos químicos na atmosfera do planeta. 

O artigo com os resultados do estudo foi publicado na revista Nature Astronomy.

Fonte: Nature Astronomy, Space.com