Publicidade

Planeta maior que a Terra estaria no Cinturão de Kuiper

Por| Editado por Patricia Gnipper | 05 de Setembro de 2023 às 10h00

Link copiado!

Kevin Gill/Flickr
Kevin Gill/Flickr

O controverso Planeta Nove, procurado por alguns astrônomos desde 2016, pode não ser exatamente o mundo que está aguardando ser descoberto. Um novo estudo sugere um planeta bem diferente que também pode existir nos confins do Sistema Solar.

O Planeta Nove foi proposto para explicar alguns padrões de agrupamentos no Cinturão de Kuiper — onde ficam os objetos além da órbita de Netuno, também conhecidos como objetos transnetunianos (TNOs). Contudo, até agora, nenhum sinal concreto desse planeta hipotético foi detectado.

Segundo os caçadores do Planeta Nove, as órbitas desses agrupamentos sugerem que os TNOs foram influenciados gravitacionalmente por um planeta potencialmente maior que o nosso, com 6,3 massas terrestres, a uma distância de 460 unidades astronômicas (uma UA equivale à distância entre a Terra e o Sol).

Continua após a publicidade

Agora, um novo estudo propõe algo um pouco diferente, que também poderia explicar diversos mistérios do Cinturão de Kuiper: um planeta semelhante à Terra em uma órbita distante e inclinada. Ele teria 1,5 e 3 vezes a massa de nosso planeta e uma órbita cujo ponto mais distante do Sol estaria entre 250 e 500 UAs.

Se este mundo existir, com órbita inclinada a 30 graus em relação ao plano do Sistema Solar, sua presença poderia explicar TNOs de comportamento estranho no Cinturão de Kuiper. Caso o planeta esteja lá, sua gravidade agruparia os TNOs em “bolhas” com mais de 150 UAs.

Com os instrumentos de próxima geração, como o Vera Rubin, os astrônomos vão poder observar os objetos do Cinturão de Kuiper com muito mais precisão e procurar por agrupamentos que correspondem às previsões do novo estudo. Isso “pode revelar ou descartar a existência de qualquer planeta hipotético no Sistema Solar exterior”, disseram os autores.

O Canaltech está no WhatsApp!Entre no canal e acompanhe notícias e dicas de tecnologia

O estudo foi publicado no The Astronomical Journal.

Fonte: The Astronomical Journal; via: ScienceAlert