O que as sondas BepiColombo e Solar Orbiter viram e ouviram ao sobrevoar Vênus?

O que as sondas BepiColombo e Solar Orbiter viram e ouviram ao sobrevoar Vênus?

Por Danielle Cassita | Editado por Patrícia Gnipper | 13 de Agosto de 2021 às 14h15
ESA/NASA/NRL/SoloHI/Phillip Hess

Nesta semana, as sondas Solar Orbiter e BepiColombo, ambas da Agência Espacial Europeia (ESA) em parceria com as agências espaciais de outros países, realizaram um sobrevoo histórico de Vênus a apenas 33 horas de intervalo uma da outra. A primeira sobrevoou o planeta a 7.995 km de distância no dia 9 de agosto, enquanto a outra passou a apenas 552 km da superfície no dia seguinte — e as visitas, embora breves, renderam imagens e sons incríveis do nosso planeta vizinho.

Os dois sobrevoos exigiram um trabalho de navegação espacial de altíssima precisão, para garantir que as naves iriam nas trajetórias de aproximação corretas. Tudo correu bem e o instrumento Italian Spring Accelerometer (ISA), a bordo da BepiColombo, registrou com alta sensibilidade a aceleração medida pela nave. Depois, a equipe traduziu os dados em frequências, para poderem ser escutados pelos ouvidos humanos.

O resultado é o som abaixo — perceba alguns efeitos curiosos, causados pela gravidade do planeta interagindo com a estrutura da nave e pela resposta dela às rápidas mudanças de temperatura conforme se aproximava de Vênus.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Já era esperado que a BepiColombo apresentasse um aumento de temperatura rápido conforme se deslocava do lado noturno de Vênus para o diurno, e essas diferenças se mostraram nas medidas dos instrumentos da sonda. O Mercury Magnetospheric Orbiter (MMO), posicionado na estrutura de proteção, registrou um aumento de 110 ºC em seus painéis solares; já o interior da nave mostrou um aumento que não passou dos 3 ºC, o que mostra, na prática, a eficácia dos componentes de isolamento térmico.

Como nenhuma das missões têm câmeras científicas de alta resolução a bordo, não há fotos de alta resolução do planeta. Porém, a boa notícia é que foi possível realizar registros com outros instrumentos das missões: o SoloHI, da Solar Orbiter, observou o lado noturno de Vênus alguns dias antes do momento de maior aproximação. Já quando estava mais próxima do sobrevoo, o instrumento fez imagens do lado diurno do planeta, que resultaram na animação do vídeo abaixo.

Confira como Vênus se move no campo de visão, da esquerda para a direita, enquanto o Sol fica fora do enquadramento porque estava mais para o canto superior:

A Solar Orbiter é uma missão da ESA em colaboração com a NASA, e a BepiColombo é uma parceira com a agência espacial japonesa JAXA. Ambas têm diferentes objetivos, mas as duas precisam dos sobrevoos para chegar a seus destinos. A BepiColombo entrará na órbita de Mercúrio em 2025, e a Solar Orbiter ainda deverá sobrevoar a Terra para, assim, inclinar sua órbita e conseguir observar os polos do Sol. Assim, as duas ainda têm mais um sobrevoo a realizar neste ano: na noite do dia 1 para 2 de outubro, a Bepicolombo irá fazer seu primeiro sobrevoo de Mercúrio, passando a apenas 200 km do planeta. Já a Solar Orbiter irá realizar seu último sobrevoo da Terra no dia 27 de novembro, passando por nosso planeta a 460 km de distância para, assim, dar início a sua missão principal.

Fonte: ESA

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.