Novo módulo russo Nauka e braço robótico europeu são lançados rumo à ISS

Novo módulo russo Nauka e braço robótico europeu são lançados rumo à ISS

Por Danielle Cassita | Editado por Patrícia Gnipper | 21 de Julho de 2021 às 14h15
NASA

Após longos atrasos, o módulo russo Nauka foi finalmente lançado nesta quarta-feira (21) do cosmódromo de Baikonur, no Cazaquistão. O novo componente será instalado na Estação Espacial Internacional (ISS), junto do European Robotic Arm (ERA), o novo braço robótico da Agência Espacial Europeia (ESA). Ambos já foram posicionados em órbita, e ainda deverão levar alguns dias até alcançar o laboratório orbital.  

O novo módulo vai ocupar a porta atualmente usada pelo módulo Pirs e irá operar como um novo ambiente científico, porta de acoplagem e trava de ar para operações futuras. Em paralelo, a ISS já  conta com braços robóticos do Canadá e Japão, essenciais para ajudar naves a se acoplarem à estação e para a transferência de cargas úteis e astronautas. Contudo, eles não conseguem alcançar o segmento russo do laboratório orbital, e é exatamente aqui que o ERA entra: o novo braço poderá “andar” pelas partes russas do laboratório, e será capaz de manipular componentes de até 8 toneladas. 

Além disso, o novo braço poderá também transportar astronautas de um local de trabalho para outro. Outra vantagem é que o ERA poderá ser controlado pela tripulação tanto no lado interno quanto externo da estação, um recurso valioso que nenhum outro braço robótico oferece. Durante seu primeiro ano no espaço, o braço robótico será usado na instalação de um grande radiador e na configuração da trava de ar do novo módulo russo. 

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

O Nauka e o braço já foram colocados em uma órbita a 200 km de altitude, mas ainda serão necessários nove dias para subir até alcançar a ISS. Assim, será somente no dia 29 de julho que o módulo vai ativar seus motores para ser acoplado ao Zvezda, o "coração" do segmento russo no laboratório orbital. Depois, o astronauta Thomas Pesquet, da ESA, irá ajudar na configuração do novo braço, e ainda deverão ser realizadas cinco caminhadas espaciais para auxiliar na preparação do componente e na realização das primeiras operações científicas. 

Fonte: ESA, NASA 

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.