Novo magnetar pode ter sido encontrado; por enquanto há apenas 25 confirmados

Novo magnetar pode ter sido encontrado; por enquanto há apenas 25 confirmados

Por Daniele Cavalcante | Editado por Patrícia Gnipper | 04 de Junho de 2021 às 17h00
ESO/L. Calçada

No fim de suas vidas, algumas estrelas explodem em supernova e deixam para trás um núcleo colapsado conhecido como estrela de nêutrons. Algumas dessas remanescentes de supernova pertencem a uma classe bastante rara, chamada magnetares, objetos incríveis com campo magnético estimado em 1 bilhão de teslas. Até o momento, astrônomos encontraram e catalogaram apenas 24 magnetares, mas este catálogo pode ganhar um novo integrante.

No início do dia 3 de junho, o Telescópio de Alerta de Burst Swift (BAT) ligou o “alerta” ao detectar uma rajada curta de raios-X em uma direção próxima ao plano galáctico da Via Láctea. Foi uma breve explosão de radiação que, em uma análise preliminar, foi associada a um possível magnetar. O objeto foi batizado como Swift J1555.2-5402.

Conceito de magnetar (Imagem: Reprodução/NASA)

Estrelas de nêutrons por si já são objetos fantásticos, um dos mais densos do universo. Após a explosão da supernova, o núcleo colapsado adquire um diâmetro bastante compactado, com aproximadamente 20 km de diâmetro, mas com duas vezes a massa do Sol. Magnetares são exatamente esse tipo de objeto, com o adicional de possuir um campo magnético que é um quatrilhão de vezes maior que o da Terra. Ainda não se sabe como eles adquirem um campo magnético tão poderoso; magnetares são difíceis de detectar e, portanto, há muitos mistérios acerca deles.

Com poucos exemplares confirmados, os astrônomos têm seus estudos limitados às mesmas 24 amostras, o que não é um número muito generoso. Há seis candidatos que aguardam uma confirmação e, se forem de fato magnetares, serão muito bem vindos à família. O mesmo vale para o Swift J1555.2-5402. Esses objetos podem ser os grandes responsáveis pelas misteriosas rajadas rápidas de rádio.

A descoberta da fonte de raios-X foi o Swift, mas os astrônomos também usaram o telescópio Neutron Star Interior Composition Explorer (NICER) para observar melhor o objeto. Ele encontrou pulsações coerentes às características de um magnetar, por isso os pesquisadores estão bastante confiantes. Mas ainda será necessário análises completas para confirmar a natureza do J1555.2-5402 e, em seguida, saber se ele pode fornecer novas informações sobre magnetares.

Fonte: Science Alert

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.