Estudo mostra efeitos das mudanças climáticas nas observações astronômicas

Por Danielle Cassita | 17 de Setembro de 2020 às 21h00
Gerd Altmann/Pixabay

Um estudo realizado por pesquisadores da Universidade de Colônia, na Alemanha, mostra mais uma consequência das mudanças climáticas: é possível que os efeitos do aquecimento global estejam causando impactos nas observações astronômicas. Por meio de análises de parâmetros diversos, eles observaram que o aumento das temperaturas e turbulências no ar fazem com que imagens astronômicas tenham cada vez menos nitidez.

Para o estudo, os pesquisadores buscaram investigar até onde as mudanças climáticas podem afetar a astronomia e a qualidade das observações. Então, a equipe focou no Observatório Paranal no Chile, porque o local possui diversos de sensores que documentam as condições meteorológicas da região, que compõem um dos conjuntos de dados mais completos das últimas décadas em um local praticamente intocado.

Com base nos dados, astrônomos, pesquisadores climáticos, cientistas atmosféricos e meteorologistas identificaram juntos parâmetros meteorológicos importantes que possam impactar a qualidade das observações astronômicas, e analisaram os dados para verificar tendências de longo prazo para determinar o impacto das mudanças climáticas em observações futuras.

Unidades do observatório VLT (Imagem: reprodução/ESO/G.Hüdepohl (atacamaphoto.com)

Por meio de quatro exemplos, eles mostraram como as mudanças climáticas já estão afetando — ou ainda podem afetar — a operação de um observatório astronômico no futuro, e utilizaram o Very Large Telescope (VLT) como um deles. Entre outras atividades, a equipe analisou os dados de temperatura, velocidade do vento, direção do vento e vapor de água na atmosfera em um período de algumas décadas, e verificaram que houve um aumento acima da média mundial das temperaturas, além de desfoque nas imagens causada pela turbulência do ar.

Susanne Crewell, pesquisadora envolvida no estudo, diz que “os dados mostraram um aumento de 1,5 °C em temperaturas próximas ao solo durante as últimas décadas no observatório Paranal”. Pode parecer pouco, mas isso já é acima das temperaturas mundiais durante o período pré-industrial. Além disso, como o sistema de resfriamento do telescópio não foi projetado para condições quentes, a qualidade das observações acaba ameaçada por turbulências de ar causadas pelo aumento de temperatura. Ainda, mudanças atmosféricas ocorrendo rapidamente podem afetar estudos de exoplanetas, enquanto aumentos no vapor de água na atmosfera podem reduzir sinais astronômicos. 

Os resultados deste estudo são importantes para os astrônomos adaptarem as observações às condições do ambiente e, claro, para futuros projetos de grandes telescópios. Por fim, esta pesquisa também deixa um alerta: os astrônomos sabem bem que a vida na Terra foi originada pela coincidência de condições raríssimas, e não existe nenhum planeta “reserva” por perto para ser um refúgio.

O estudo foi publicado na Nature Astronomy.

Fonte: University of Cologne

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.