Estágio do foguete chinês que cairá na Terra é fotografado por telescópio; veja!

Por Danielle Cassita | Editado por Patrícia Gnipper | 07 de Maio de 2021 às 16h30
CGTN

No fim de abril, a China lançou o primeiro módulo de sua futura estação espacial com o foguete Long March 5B. O componente foi inserido na órbita mas, desde o lançamento, o estágio central do veículo segue orbitando nosso planeta. Agora, é esperado que o foguete reentre na atmosfera neste fim de semana. Ainda não foi possível determinar onde e quando isso irá acontecer, mas você pode acompanhar virtualmente uma das últimas passagens do estágio no céu durante a noite desta sexta-feira (7).

O lançamento levou o módulo Tianhe para a órbita, que irá compor a estação Tiangong-3, a terceira do país. Após posicioná-lo, o estágio do foguete acabou alcançando velocidade orbital, de modo que não reentrou na área que havia sido estabelecida previamente para seu retorno. Então, como não pode mais usar os motores para se deslocar, o componente está interagindo com a atmosfera terrestre e segue lentamente atraído para nosso planeta em uma trajetória imprevisível.

Este estágio, com seus 30 metros de extensão e 5 metros de diâmetro, foi registrado recentemente pelo projeto Virtual Telescope. A equipe conseguiu fotografar o objeto quando estava a 700 km de distância do telescópio. A imagem, feita com uma exposição de 0,5 segundos de duração, foi feita em um momento em que o Sol estava alguns graus abaixo do horizonte, de modo que o céu estava bastante brilhante. 

Confira:

Registro do estágio quando estava a cerca de 700 km do telescópio (Imagem: Reprodução/Gianluca Masi/The Virtual Telescope Project)

Como grande parte dos estágios centrais do foguete é projetada para alcançar grades altitudes, sair e descer em segurança em zonas de reentrada definidas previamente, nem sempre eles conseguem, de fato, alcançar a órbita. Por isso, era esperado que o Long March 5B saísse de órbita após chegar ao espaço, mas não foi isso que aconteceu com o veículo da China. Como o componente está se deslocando a quase 30 mil km/h, alguns minutos podem significar uma mudança de milhares de quilômetros no local de reentrada. 

Então, pelo menos por enquanto, não há como saber exatamente onde o estágio — ou os detritos que sobrarem da queima na atmosfera— irão cair, e essas previsões poderão ser refinadas somente quando estivermos mais perto de o evento acontecer. Como a maior parte da superfície da Terra é coberta pelos oceanos, é provável que a reentrada aconteça em alguma região inabitada e não deve causar riscos para moradores e construções.

Por enquanto, a estimativa é que o estágio retorne para a Terra por volta do dia 9 de maio. Até lá, você pode observar uma das últimas passagens do foguete pelo céu terrestre com o Virtual Telescope: às 23h40, no horário de Brasília, a equipe realizará uma transmissão ao vivo nesta sexta-feira (7) para acompanhar o objeto. Contudo, devido à evolução orbital do estágio, o horário pode sofrer alguma alteração.

Clique aqui para acessar a página do projeto com as informações da transmissão e de eventuais mudanças de horário. 

Fonte: The Virtual Telescope (1, 2)

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.