Publicidade

ESA escolhe empresa que desenvolverá seu 1º extrator de oxigênio do solo lunar

Por| Editado por Patricia Gnipper | 09 de Março de 2022 às 11h52

Link copiado!

ESA
ESA

A Agência Espacial Europeia (ESA) selecionou a Thales Alenia Space para desenvolver o primeiro equipamento experimental para extração de oxigênio da superfície da Lua. O trabalho faz parte da missão In-Situ Resource Utilisation (ISRU) da ESA, que pretende extrair propelentes e metais a partir dos recursos lunares.

No ano passado, a ESA promoveu uma competição entre diversas empresas para avaliar a melhor proposta de extração de recursos a partir do solo lunar. Agora, Thales desenvolverá a base de um sistema que extraia oxigênio, combustível e metais do regolito lunar.

Continua após a publicidade

O equipamento deverá extrair de 50 a 100 gramas de oxigênio do regolito lunar — tendo como meta 70% de todo oxigênio da amostra —, além de fornecer análises de desempenho e de concentrações de gás. Tudo isso deve ser feito em apenas 10 dias, antes que a longa e fria noite da Lua chegue.

O engenheiro de sistemas da ESA, David Binns, explicou que a carga precisa ser compacta para caber em uma variedade de potenciais aterrissadores lunares, como o European Large Logistics Lander (EL3). Ao extrair oxigênio da rocha lunar, o sistema também extrairá metais utilizáveis.

Extraindo oxigênio e metal da Lua

Assim que a tecnologia experimental tiver sua funcionalidade testada e comprovada, a ESA seguirá com o trabalho seguinte: um sistema em larga escala baseado em solo lunar até o início da próxima década. Um conceito complementar já foi aprovado pela agência.

Continua após a publicidade

Através de amostras de rocha trazidas da Lua, cientistas confirmaram que o regolito lunar é formado por 40% a 45% de oxigênio, o elemento mais abundante da rocha. O problema é que o oxigênio não está solto no material e sim ligado quimicamente a óxidos que formam minerais e vidro.

Um protótipo para extrair oxigênio da rocha lunar foi avaliado no Centro de Testes ESTEC da ESA. A tecnologia se baseia na eletrólise para dividir o regolito lunar artificial em metais e oxigênio, recursos fundamentais para garantir uma presença humana permanente e sustentável na Lua.

Fonte: Via ESA