Emirados Árabes Unidos se unem a empresa japonesa para pousar rover na Lua

Emirados Árabes Unidos se unem a empresa japonesa para pousar rover na Lua

Por Danielle Cassita | Editado por Patrícia Gnipper | 14 de Abril de 2021 às 17h10
viledevil/Envato

No próximo ano, os Emirados Árabes Unidos (EAU) e o Japão podem se juntar aos Estados Unidos, China e à antiga União Soviética no pequeno grupo de nações que já conseguiram pousar veículos na Lua. É que os Emirados Árabes pretendem levar o rover Rashid para nosso satélite natural em 2022, e acabam de firmar um contrato com a empresa japonesa ispace para realizar tal feito. A novidade representa uma grande mudança no cronograma que os Emirados Árabes apresentaram no ano passado para a missão, que estimava o lançamento em 2024.

Sob essa parceria, o rover Rashid será transportado para a Lua por meio do lander lunar da ispace, do programa HAKUTO-R. O contrato determina que a empresa japonesa levará o veículo árabe para a Lua, fornecerá comunicação e energia transmitidas por fios durante a fase de cruzeiro e, por fim, atuará na comunicação sem fios quando tudo estiver na superfície lunar.

Em comunicado, Takeshi Hamada, CEO e fundador da ispace, comentou que eles se sentem honrados pela MBRSC, a agência espacial árabe, ter confiado à empresa o transporte da carga útil, que irá fazer parte de um momento histórico: "estamos felizes em avançar a colaboração entre os EAU e o Japão na exploração espacial”, disse.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Representação do lander HAKUTO-R (Imagem: Reprodução/Ispace)

Se tudo correr bem na missão, este será um grande avanço para os EAU: além de terem lançado a missão Hope Mars, que está na órbita de Marte, a missão lunar poderá contribuir para o avanço dos investimentos tecnológicos do país, que busca formas de diversificar a economia para não precisar depender tanto do petróleo. Outros países já tentaram alcançar o mesmo objetivo, mas sem tanto sucesso: a Índia tentou pousar a missão Chandrayaan-2 na Lua em 2019, mas acabou perdendo contato com o módulo de pouso um pouco antes da alunissagem, apesar de seu módulo orbital seguir em funcionamento ao redor da Lua. Israel também tentou levar a missão Beresheet para nosso satélite natural, mas o pouso falhou.

A missão árabe levará o rover Rashid para um ponto no equador da Lua, e ainda não há informações sobre um local exato. Por enquanto, sabemos que o rover de quatro rodas vai estudar seus arredores durante um dia lunar — ou seja, 14 dias terrestres — usando uma câmera de alta resolução e outros instrumentos, que podem ajudar os cientistas a entender melhor as cargas elétricas presentes no ambiente lunar. Essas cargas podem ser o resultado das partículas presente no vento solar.

O lançamento da missão árabe será a primeira viagem realizada com o programa HAKUTO-R, que segue em desenvolvimento há mais de uma década. A segunda missão do programa deverá levar um rover para nosso satélite natural em 2023, e os dois lançamentos serão feitos com o foguete Falcon 9, da SpaceX. Contudo, esse é apenas o começo para a ispace: a ideia é que as demais missões do programa aumentem a frequência de pousos lunares, além do lançamento de rovers para o transporte de cargas úteis de clientes da empresa.

Fonte: ispace, Space.com

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.