Com novo acordo, ESA vai fornecer módulos para a estação lunar Gateway

Por Danielle Cassita | 28 de Outubro de 2020 às 13h00
Reprodução/NASA
Tudo sobre

NASA

Saiba tudo sobre NASA

Ver mais

Recentemente, a Agência Espacial Europeia (ESA) finalizou o planejamento para ajudar astronautas a voltarem para a Lua. Nesta terça-feira (27), Jan Wörner, diretor geral da ESA, assinou um Memorandum of Understanding (MoU) com Jim Bridenstine, administrador da NASA, um acordo que levará a Europa para a Lua. O acordo é uma parte importante para a iniciativa dos Estados Unidos de trabalhar com parceiros internacionais para desenvolver a exploração sustentável na Lua, e irá garantir que a ESA forneça elementos para a estação Gateway, que será montada em 2023.

O acordo marca o primeiro compromisso formal da NASA com o lançamento de tripulantes estrangeiros para os arredores da Lua como parte das missões do programa Artemis. Assim, a ESA irá contribuir com I-Hab, o principal habitat para os astronautas usarem em estadias na estação, além de dois módulos com recursos de comunicação e reabastecimento para a nave Orion, também da NASA, junto de uma janela de observação que irá proporcionar uma bela vista da Lua. Enquanto isso, os astronautas europeus terão três oportunidades para viajarem e trabalharem na estação Gateway.

Para Wörner, os 20 anos de presença humana contínua na Estação Espacial Internacional (ISS) representaram um grande nível de cooperação entre as nações, e a exploração espacial sustentável exige esforços coordenados internacionais. “O MoU marca um ponto crítico na trajetória da Europa: confirma que vamos avançar para a Lua não só em equipamentos e tecnologia, mas com as nossas pessoas. A Europa terá um papel central na nova era da exploração espacial global com a NASA e nossos parceiros, e irá entregar arquiteturas exemplares para explorar a Lua e Marte, além de inspirar as gerações que estão por vir”, diz. Uma das propostas do programa Artemis é treinar astronautas na estação Gateway em simulações de missões em Marte.

A ideia é que a Gateway seja usada como uma base de apoio para missões na Lua e um “pit stop” para futuras missões no Planeta Vermelho e, claro, em outros destinos do espaço profundo. Para isso, a estação será menor que a ISS, e ficará em órbita à volta do nosso satélite natural. Durante as missões, os astronautas vão poder parar na estação quando viajarem para a órbita lunar a bordo do Space Launch System (SLS), da NASA, bem como da nave Orion. Para Jim Bridenstine, a parceria aumenta a cooperação estabelecida pela Estação Espacial Internacional enquanto o avanço segue para a Lua. “A Gateway vai continuar expandindo a cooperação da NASA com parceiros internacionais como a ESA, para garantir que o programa Artemis resulte na exploração segura e sustentável da Lua depois do primeiro pouso humano e além”.

Fonte: ESA, NASA

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.