Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

China quer usar o solo da Lua para construir bases por lá

Por| Editado por Patricia Gnipper | 14 de Abril de 2023 às 15h10

Link copiado!

Mike Petrucci/Unsplash
Mike Petrucci/Unsplash

A China realizou no sábado (8) a primeira Conferência de Construção Extraterrestre, dedicada à análise de planos para construir uma base tripulada na Lua. O evento uniu mais de 100 pesquisadores de universidades do país, institutos de pesquisa e contratantes espaciais.

A conferência foi realizada com o objetivo de coletar ideias e promover o diálogo entre os participantes, e abordou desde planos para a construção de infraestrutura básica em solo lunar até formas de simular o ambiente da Lua na Terra.

Ding Lieyun, cientista-chefe do Centro Nacional de Inovação Tecnológica para Construção Digital, apresentou alguns dos trabalhos que vem realizando em seu laboratório, como a produção de amostras de solo lunar simulado. A equipe dele sugeriu criar bases lunares com formato oval, que seriam feitas de tijolos de regolito lunar produzidos por meio de impressão 3D.

Continua após a publicidade

Depois, ele e os demais membros da equipe usaram o robô Chinese Super Mason para unir os tijolos, trabalhando com técnicas de construção tradicionais da China. Segundo Yun, o primeiro tijolo do tipo pode ser produzido durante a missão Chang’e 8, que tem lançamento programado para 2028, e a ideia é que seja feito com solo “real”, na superfície lunar.

Já Yu Dengyun, da Corporação de Ciência Aeroespacial e Tecnologia da China, junto de pesquisadores do Instituto de Tecnologia Harbin, revelou detalhes do projeto das bases lunares chamadas “Clover” e “Red Star”, na superfície e crateras lunares, respectivamente. O projeto de ambas apresenta quatro cabines, que podem comportar até quatro astronautas para estadias de curta duração.

Em sua fala, Ding observou que a construção de habitats além da Terra é essencial não somente para a humanidade avançar na exploração espacial, mas também para as necessidades estratégicas da China. “Podemos levar 20 ou 30 anos ou até mais para eventualmente nos assentarmos na Lua”, observou ele. “Mas temos que começar a trabalhar agora”, acrescentou Yu.

Continua após a publicidade

Fonte: SCMP