Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

China prepara lançamento de sonda ao lado afastado da Lua

Por| Editado por Luciana Zaramela | 30 de Abril de 2024 às 12h33

Link copiado!

CNSA, Chinese Academy of Sciences (CAS)
CNSA, Chinese Academy of Sciences (CAS)

Mais uma sonda vai ao nosso satélite natural em breve. Nos próximos dias, a China planeja lançar sua missão Chang’e 6 rumo ao lado afastado da Lua, que é aquele que não pode ser visto por nós na Terra. Este promete ser um dos projetos chineses com a maior complexidade técnica já vista.

O horário do lançamento ainda não foi confirmado pelas autoridades da China, mas os alertas de navegação indicam que deve acontecer durante a manhã de sexta (3). Quando for lançada, a Chang’e 6 vai tentar pousar na região nordeste da Bacia do Polo Sul-Aitken, a cratera de impacto mais antiga do Sistema Solar.

Como a atividade vulcânica ali é inexistente, o lado afastado lunar tem mais crateras livres de antigos fluxos de lava, o que significa que materiais da formação lunar primordial estão mais preservados.

Continua após a publicidade

Se tudo correr bem, a sonda vai coletar cerca de 2 kg de amostras de rochas e solo do lado afastado lunar. Como a região não fica voltada diretamente para a Terra, a Chang’e 6 vai precisar do Queqiao-2, um satélite de retransmissão durante sua jornada.

O satélite vai ser usado para apoio às missões Chang’e 7 e 8, com lançamento previsto para 2026 e 2028, respectivamente. Estas, por sua vez, vão ajudar o país a procurar água no polo sul lunar, onde a China planeja construir uma estação de pesquisa com a Rússia.

Além disso, a sonda vai tentar decolar da superfície lunar antes de iniciar a jornada para casa — o procedimento é desafiador, pois nunca foi feito antes. A bordo da Chang’e 6, vão estar cargas úteis da França, Itália, Suécia e Paquistão. 

"Se for bem-sucedida, a missão Chang'e-6 vai ser um marco histórico", disse Leonard David, jornalista espacial e autor de Moon Rush: The New Space Race. "O alcance robótico ao lado afastado da Lua e o retorno dos espécimes à Terra ajudam a preencher as lacunas sobre a origem ainda obscura da nossa Lua”, finalizou.

Fonte: Reuters