Publicidade

Novo buraco na atmosfera do Sol é 60 vezes maior que a Terra

Por| Editado por Patricia Gnipper | 04 de Dezembro de 2023 às 10h47

Link copiado!

NOAA Space Weather Prediction Service
NOAA Space Weather Prediction Service

Um grande buraco surgiu na coroa solar, a camada mais externa da atmosfera do Sol. A abertura mede cerca de 800 mil quilômetros de extensão e foi registrada pelo observatório Solar Dynamics, da NASA.

O buraco foi detectado no domingo (3). Com a rotação do Sol, esta abertura na coroa da estrela chegou a uma posição que permite liberar partículas carregadas diretamente na direção da Terra.

Continua após a publicidade

Assim, grandes quantidades de partículas do vento solar estão escapando pelo buraco e vindo em direção ao nosso planeta. A velocidade delas está aumentando pouco a pouco, e o esperado é que alcancem a Terra durante a tarde de segunda-feira (4).

As previsões da Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA) dos Estados Unidos indicam que, quando chegarem aqui, causem uma tempestade geomagnética de intensidade G2, considerada moderada. Pode haver falhas em sistemas elétricos a latitudes mais altas, além de auroras boreais.

Continua após a publicidade

Os efeitos devem continuar até terça-feira em uma tempestade do nível G1, mais fraco. As tempestades deste tipo podem causar pequenas flutuações em redes elétricas, rendendo também auroras em lugares a altas latitudes.

O que são buracos coronais?

Os buracos coronais são regiões na atmosfera do Sol onde os campos magnéticos se abriram, permitindo que o vento solar escape por lá mais rapidamente. Estes buracos podem aparecer em qualquer região do astro, e são mais comuns durante o mínimo solar (período de menor atividade no ciclo solar).

Continua após a publicidade

É comum que os buracos coronais no equador solar (ou perto dele) liberem ventos solares a alta velocidade, que fluem pelo espaço e alcançam a Terra. Quando estas emissões alcançam nosso planeta, podem causar tempestades geomagnéticas de intensidade leve a moderada; tempestades mais intensas são menos frequentes.

Fonte: Spaceweather, NOAA