Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

Asteroide maior que Apophis passou perto da Terra

Por| Editado por Luciana Zaramela | 16 de Abril de 2024 às 12h21

Link copiado!

urikyo33/Pixabay
urikyo33/Pixabay

O asteroide 2013 NK4, considerado potencialmente perigoso, acaba de passar perto da Terra e ficou a cerca de oito vezes a distância média entre a Lua e nosso planeta. Apesar da classificação, vale lembrar que essa rocha espacial não oferece perigo para nós. 

A aproximação máxima aconteceu às 11h50 na segunda (15), quando o asteroide ficou a cerca de 3,2 milhões de quilômetros de nós. O objeto tem cerca de 610 m de extensão, ou seja, é quase duas vezes maior que Apophis, rocha espacial que vai se aproximar da Terra em 2029. 

O tamanho é suficiente para o asteroide causar grande devastação, caso atingisse a Terra. A boa notícia é que, segundo os cálculos orbitais, este objeto não vai ficar em rota de colisão com nosso planeta. Mesmo assim, ele é considerado potencialmente perigoso por causa das suas dimensões e distância da órbita terrestre. 

Continua após a publicidade

Apesar de o asteroide 2013 NK4 não oferecer riscos para nós, é extremamente importante monitorá-lo. Os astrônomos aproveitaram a visita para tentar capturar imagens de radar do objeto, que podem ajudá-los a entender melhor o tamanho e formato dele.

A ideia deu certo. Em um comunicado, a NASA informou que os ecos do radar indicam que o 2013 NK4 tem rotação lenta, e seu formato parece ser bifurcado. Portanto, é possível que o asteroide seja formado por dois objetos que acabaram unidos pela gravidade. 

Aliás, não é preciso ser um astrônomo profissional para ver esta rocha espacial. Se você tiver um telescópio em mãos, pode tentar vê-lo nos dias 16 e 17 perto da constelação de Virgem. 

Segundo a Agência Espacial Europeia, as aproximações deste asteroide em relação à Terra sempre acontecem em duplas, em intervalo de um ano. Devido às interações gravitacionais entre nosso planeta e a rocha, é formado um padrão que se repete a cada 30 anos.

Fonte: ESA