Após destruição, qual o futuro do Observatório de Arecibo?

Por Daniele Cavalcante | 04 de Dezembro de 2020 às 16h40
Universal Images Group

Dois dias após a cúpula gregoriana do radiotelescópio de Arecibo cair de uma altura de 110 metros sobre o prato refletor gigantesco, funcionários da National Science Foundation (NSF), proprietária da instalação, disseram que ainda é muito cedo para determinar se o instrumento será substituído.

Existe uma possibilidade de que o equipamento seja reconstruído, embora isso envolva muito dinheiro e uma série de etapas burocráticas. Caso a NSF decida seguir por este caminho, caberá ao Congresso estadunidense decidir se haverá orçamento voltado à obra. Mas parece que a fundação prefere não falar muito sobre a possibilidade — o foco por enquanto é limpar o entulho.

Para começar a lidar com o estrago, será necessária uma análise dos danos e dos impactos ambientais, o que deve ser concluído até o final desta semana. “É muito cedo para dizer exatamente como será essa limpeza. Ainda estamos na avaliação, mas saberemos em breve", disse Ralph Gaume, diretor da Divisão de Ciências Astronômicas da NSF. Além disso, o Observatório de Arecibo continuará aberto para a utilização de instrumentos que continuam funcionando e para receber o público no centro de visitantes, este que permanece intacto.

Embora a NSF tenha se comprometido a manter todo o seu financiamento planejado para o observatório durante o ano fiscal de 2021, ainda não se sabe exatamente como ele será usado. “Reconhecemos a importância dessa perda para Porto Rico e a importância dessa perda para muitos que chamaram o Observatório de Arecibo de lar”, disse Ashley Zauderer, diretora de programa do Observatório de Arecibo na NSF.

Gaume disse que a NSF tem um “processo muito bem definido para financiamento e construção de infraestrutura em grande escala, incluindo telescópios”, mas reiterou que se trata de um “processo de vários anos que envolve verbas do Congresso e a avaliação das necessidades da comunidade científica”. Por isso, “é muito cedo para comentarmos sobre a substituição”, concluiu.

Por muito tempo, o Arecibo foi o maior radiotelescópio do mundo, e se tornou icônico ao aparecer como cenário de alguns filmes, como 007 Contra GoldenEye e Contato. A estrutura suspensa era mantida por torres e diversos cabos. Infelizmente, dois deles acaparam se rompendo — o primeiro em agosto e o segundo em novembro. Os demais, também danificados, não suportaram peso, e a estrutura caiu sobre o prato refletor.

Projetado inicialmente para estudar a ionosfera terrestre, o radiotelescópio foi rapidamente aproveitado pelos astrônomos devido às suas incríveis capacidades de observação. Foi usado para projetos de detecção de ondas gravitacionais, na busca por planetas potencialmente habitáveis, e foi responsável pela detecção do primeiro pulsar binário. Também era fundamental para a pesquisa de objetos próximos da Terra, como asteroides potencialmente perigosos.

Fonte: SpaceNews

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.