Ray Fisher, o Ciborgue da Liga da Justiça, é oficialmente cortado de The Flash

Por Laísa Trojaike | 14 de Janeiro de 2021 às 14h45
Divulgação / Warner Bros.

Ray Fisher, que interpreta Victor Stone, o Ciborgue, nos filmes da DC, confirmou que não retornará ao personagem em The Flash. A decisão vem na esteira de diversos escândalos e problemas nos bastidores que incluem o papel do herói cibernético ter sido reduzido a quase nada em Liga da Justiça, apesar dos planos de Zack Snyder de que ele fosse um dos pontos centrais da trama.

A decisão, no entanto, não partiu do próprio Fisher. O ator foi informado pela Warner Bros. que tanto ele quanto o seu personagem teriam sido completamente removidos do aguardado The Flash. A situação tomou corpo quando Fisher acusou Joss Whedon por sua postura abusiva nos bastidores de Liga da Justiça, época em que o cineasta assumiu a cadeira de diretor no lugar de Snyder, afastado por questões familiares.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Ray Fisher como Cyborg em Liga da Justiça (Imagem: Reprodução/Warner Bros)

O problema acabou sendo publicamente esmiuçado e as denúncias de Fisher se estenderam também aos produtores Jon Berg e Geoff Johns. Nas manifestações mais recentes, Fisher incluiu ainda o atual presidente da DC Films, Walter Hamada. Enquanto isso tudo acontecia, o ator negociava seu futuro como Ciborgue nos próximos filmes da DC, o que parece ter sido barrado pelo estúdio.

No Twitter, o intérprete do herói fez uma longa declaração e inicia o texto falando sobre a notícia que recebeu: “Recebi a confirmação oficial de que a Warner Bros Pictures decidiu me remover do elenco de The Flash. Discordo totalmente da decisão deles, mas não é surpreendente”. Na sequência, ele faz um apanhado dos motivos que levaram a Warner Bros a essa decisão e os porquês de não estar de acordo com a decisão.

Fisher falou sobre como deveria ser o ambiente por trás das câmeras, o que, na verdade, tem se revelado como um espaço de prática de comportamentos abusivos:

Ninguém, em qualquer profissão, deve ter que discutir com seu empregador para que suas alegações de abuso, racismo e discriminação sejam assumidas pela cadeia de comando adequada. E ninguém, em qualquer posição de liderança, deve tentar dissuadir de fazer isso aqueles que desejam relatar tais alegações.

Mais especificamente com relação a Walter, Fisher explicou que as ações do presidente da DC Films transformaram a narrativa do que estava sendo exposto até agora sobre o assunto. O que, em 2017, era apenas “uma investigação sobre má conduta no set”, tornou-se “o exame da cultura atual de encobrimento de Hollywood”.

Fonte: Screen Rant

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.