Crítica Quem Matou Sara? | Temporada 3 mostra que série desistiu de ser boa

Crítica Quem Matou Sara? | Temporada 3 mostra que série desistiu de ser boa

Por Natalie Rosa | Editado por Jones Oliveira | 23 de Maio de 2022 às 20h00
Netflix

Quando Quem Matou Sara? estreou na Netflix, logo se tornou uma das mais assistidas da plataforma de streaming no Brasil. Mas parece que a série não gostou das críticas positivas e resolveu se implodir.

A partir da segunda temporada, a trama começou a cambalear e a perder o sentido, mas na temporada 3 os roteiristas simplesmente consagraram todo o seu ódio pela própria produção.

Quem Matou?

A série Quem Matou Sara?, original do México, começou contando a história de Alex Guzmán (Manolo Cardona), um homem que foi preso injustamente pelo suposto assassinato da irmã, Sara (Ximena Lamadrid).

Ao sair da prisão, após 18 anos, Alex começa a colocar em prática o plano de vingança tramado por ele durante todos esses anos. Nem mesmo os absurdos que ele conseguiu fazer em cárcere deixaram a série e a história ruim, alimentando as expectativas por um final positivo.

Ao longo de toda a primeira temporada, descobrimos que o que aconteceu com a Sara não foi tão simples assim. Vimos que muitas pessoas teriam motivos para ter cortado a corda do paraquedas e também que ela não era uma pessoa completamente sã.

Na segunda temporada, agora que já sabíamos de todas as coisas ruins envolvendo a família Lazcano, a série começou a "empurrar com a barriga" os acontecimentos, como se apenas estivessem cumprindo contrato. Na terceira, então, eles se superaram. Negativamente.

A pergunta da série não faz sentido no final (Imagem: Divulgação/Netflix)

Por água abaixo

Tudo o que foi apresentado nas duas primeiras temporadas de Quem Matou Sara? foi por água abaixo na terceira. A história de vingança, corrupção, tráfico humano e investigação policial agora resolveu abraçar o absurdo e trazer respostas sem pé nem cabeça.

O primeiro erro da série é que Sara de fato morreu, mas ninguém a assassinou. O que aconteceu com a jovem é que ela foi sequestrada para servir de rato de laboratório em experimentos, já que ela sofria de esquizofrenia.

Outro ponto surreal da temporada é que Sara teve uma filha dentro do laboratório, e já sabíamos que o filho era de César Lazcano (Ginés García Millán). Agora com 18 anos, a garota foi resgatada do laboratório e era idêntica à mãe, que se matou com uma faca de açougueiro. Sim, Sara morre, mas a morte foi por suicídio.

O perverso Projeto Medusa queria "curar" a homossexualidade (Imagem: Divulgação/Netflix)

Projeto Medusa?

O trailer da temporada já mostrava um tal de projeto Medusa, em que Sara aparecia com as cobras da entidade da mitologia grega na cabeça. A ideia do projeto fica ainda pior quando a série mostra que os experimentos eram de cura não só da esquizofrenia, como da homossexualidade.

O líder dos experimentos, Reinaldo (Jean Reno), começou o Projeto Medusa ao descobrir da sexualidade da filha. Então, em plenos anos 2020, ele acredita que é essencial encontrar uma "cura" para a orientação sexual das pessoas, resultando em uma grande bizarrice mal explicada. Sara foi a paciente zero do experimento, por isso sua morte no acidente foi forjada.

Quem Matou Sara? desperdiçou o potencial de ser uma série de investigação com reviravoltas boas, mas optou por apostar no absurdo, como se transformar a série em algo completamente diferente fosse revolucionário.

A ideia de tentar surpreender o público com algo que não se esperava foi mal executada, e na teoria até poderia dar certo. Mas todo o esforço dedicado na primeira temporada, e um pouco na segunda, foi completamente em vão e nada fez sentido no final.

A terceira temporada de Quem Matou Sara? já está disponível na Netflix.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.