Crítica | O Maior Roubo de Arte de Todos os Tempos também é o mais frustrante

Por Natalie Rosa | Editado por Jones Oliveira | 11 de Abril de 2021 às 15h00
Netflix

A Netflix está engajada em produzir documentários sobre crimes reais que ainda não foram resolvidos, visto o lançamento das duas temporadas de Mistério sem Solução em 2020, a também série documental Sob Suspeita: O Caso Wesphael, e agora o mais recente lançamento: O Maior Roubo de Arte de Todos os Tempos. A produção, que conta com quatro episódios, deixa claro desde o início que o caso a ser contado ainda não foi resolvido e as obras de arte roubadas ainda não foram recuperadas.

A história contada na série documental é a do roubo ao Museu Isabella Stewart Gardner, que fica localizado em Boston, capital do estado norte-americano de Massachusetts, que aconteceu no dia 18 de março de 1990, Dia de São Patrício, o famoso St Patrick's Day. Na ocasião, dois ladrões disfarçados de policiais conseguiram entrar no museu com a liberação do guarda escalado para o horário. Então, eles anunciaram o roubo e amarraram os funcionários que estavam de vigia naquela madrugada, entraram nos salões e roubaram diversas obras, levando cerca de duas horas até finalizarem o assalto.

Imagem: Divulgação/Netflix

Atenção: esta crítica pode conter spoilers da série documental O Maior Roubo de Arte de Todos os Tempos!

O Maior Roubo de Arte de Todos os Tempos, de fato, "tira leite de pedra". Ao longo dos quatro episódios de quase uma hora de duração cada, o documentário dirigido por Colin Barnicle se esforça em tornar a história do assalto e roubo ao museu interessante. Na verdade, toda a história em si é realmente intrigante, principalmente por se tratar do furto de peças de centenas de anos atrás e de artistas como Rembrandt, Vermeer, Monet, e Degas, que fazem parte da história e são perdas irreparáveis.

No entanto, praticamente todas as tentativas de chegar aos culpados foram frustrantes desde o início das investigações. Vários nomes apareceram aos policiais, inclusive de ladrões já conhecidos por roubarem obras de arte, um deles sendo entrevistado para o documentário no quintal de sua casa, já velhinho e livre de seus crimes. Todos os possíveis suspeitos e possíveis cenários são alinhados na série documental, mostrando os esforços desesperados dos advogados e investigadores, inclusive federais, para conseguir encerrar o caso de vez.

Imagem: Divulgação/Netflix

Como costuma acontecer em documentários de crimes que nunca foram solucionados, o encaixe das peças durante a produção da trama chega a acender uma luz de suspeita na cabeça do espectador, que atiça aquela vontade de tentar solucionar sozinho o caso através do que é apresentado na tela. O sentimento surge, alimentado pelas desconfianças dos envolvidos, mas se torna praticamente impossível acreditar na própria dedução, de tão complicado que foi o roubo e tão vazias que são as provas.

Os pontos mais interessantes de O Maior Roubo de Arte de Todos os Tempos são aqueles que focam na prática de roubo de obras de arte, que envolvem grandes crimes organizados e máfias, em como e quem são as pessoas interessadas em cometer esses crimes. Porém, a série documental acaba se perdendo quando tenta apresentar possíveis soluções, mergulhando de vez na temática de investigação, trazendo um resultado tão vazio quanto as próprias provas. Sendo assim, não só a ação policial foi falha quanto a investigação conduzida pela série. Mais um ponto para os ladrões.

Imagem: Divulgação/Netflix

A trama chega a apresentar suspeitas concretas e que, realmente, fazem sentido. Porém, quase todos os possíveis envolvidos já morreram de formas naturais ou assassinato, com o único sobrevivente sendo liberado da cadeia recentemente. A esperança, agora, é que este indivíduo vá atrás das peças de arte roubadas para tentar conseguir a recompensa milionária, mas a trama deixa claro que pode ser praticamente impossível, traçando linhas que levam a uma possibilidade concreta de que todas as obras estão espalhadas pelo mundo, talvez na mão de quem nem saiba da história.

O Maior Roubo de Arte de Todos os Tempos está disponível na Netflix em quatro episódios.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.