Crítica Mestres do Universo │ Uma parte 2 para agradar a gregos e troianos

Crítica Mestres do Universo │ Uma parte 2 para agradar a gregos e troianos

Por Durval Ramos | Editado por Jones Oliveira | 25 de Novembro de 2021 às 18h20
Divulgação/Netflix

Mais do que conquistar o mundo ou qualquer ladainha que o valha, o grande objetivo de um vilão é superar o herói. A relação entre essas duas forças é tão complementar que um não sabe viver sem o outro, o que os força a viver nesse ciclo vicioso sem fim. E é justamente essa a força motriz da segunda parte de Mestres do Universo: Salvando Eternia.

A primeira metade da temporada da nova animação da Netflix já havia levado a história nesse sentido, mostrando o que aconteceria caso o mundo vivesse sem o He-Man e sem a magia de Grayskull. Contudo, os novos episódios vão além e mostram o que aconteceria caso o vilão realmente conquistasse a Espada do Poder e se tornasse o novo campeão de Eternia. Nesse caso, o que resta ao homem que tem tudo?

Em Batman: Cavaleiro das Trevas, há uma fala do Coringa que explica bem toda a tônica dos novos episódios de Mestres do Universo: ele se compara com um cachorro que persegue carros e que, no fim das contas, não tem ideia do que faria caso alcançasse um. E é justamente isso o que vemos com o Esqueleto — e o que torna a conclusão de Salvando Eternia tão interessante.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Os verdadeiros protagonistas

Se a primeira parte do desenho foi bastante criticada por ter escanteado o He-Man da história, os novos episódios dão bastante destaque ao herói, principalmente em como o Esqueleto depende dessa figura do campeão de Eternia para existir. Ao conquistar a Espada do Poder e ter acesso a toda magia do universo, o vilão ainda segue obcecado por seu inimigo e arranjando desculpas para continuar a antagonizá-lo. Mesmo poderoso o suficiente para obliterar qualquer ameaça, o He-Man ainda é o seu foco.

Mesmo com todo o poder do universo, o Esqueleto segue obcecado pelo He-Man (Imagem: Divulgação/Netflix)

Essa abordagem dá a Mestres do Universo uma camada que o desenho original nunca apresentou. Até então, tudo o que tínhamos visto desse mundo era algo muito superficial e infantil — afinal, a trama era apenas uma premissa para vender brinquedos — e a história nunca saiu do maniqueísmo básico. Assim, o que Salvando Eternia faz é evidenciar o quão pobre são as motivações do Esqueleto e usar isso para dar uma nova complexidade ao personagem.

O vilão passou tanto tempo tentando derrotar o herói que, quando finalmente consegue, ele não sabe mais o que fazer. É a metáfora do cachorro atrás do carro apresentada pelo Coringa: o que fazer depois de alcançar aquilo que você acreditava ser impossível? No caso, o Esqueleto segue criando novas rodas para perseguir, o que mostra que ele nunca saiu do lugar mesmo com todo o poder do universo.

A nova Maligna é uma das melhores personagens de Salvando Eternia (Imagem: Divulgação/Netflix)

E é aqui que a gente vê a verdadeira protagonista dessa segunda metade de Salvando Eternia: Maligna. Ela já tinha recebido bastante destaque nos episódios iniciais e, aqui, assume de vez o papel principal ao ser a responsável por questionar essa postura vazia de seu mestre, seja na obsessão com o He-Man ou no mau uso da Força agora que ele domina toda a magia do mundo.

Isso puxa a personagem para um crescimento bem legal que a transforma na verdadeira ameaça de Mestres do Universo. Sem entrar em spoilers, é um desenvolvimento bastante curioso e que contrasta com a jornada que ela teve nos episódios iniciais. Enquanto a primeira parte de Salvando Eternia quase redimiu a feiticeira do mal, agora vemos ela sucumbir a um niilismo que entende que não existe nada no universo além do caos — uma visão de mundo originada de uma vida inteira baseada em um relacionamento tóxico que simplesmente a tornou nesse alguém sem alma.

Mais Adam, menos He-Man

E qual o papel do He-Man nisso tudo? Como dito, a parte final de Mestres do Universo: Salvando Eternia dá muito mais destaque ao personagem dos episódios iniciais. Só que, por mais que ele apareça para lutar e salvar o dia como sempre, há uma ênfase muito maior na relação do príncipe Adam com os demais habitantes de Eternia que é interessante ver, pois explora frentes que o desenho clássico nunca se aprofundou.

O He-Man está de volta, para a alegria dos fãs que acharam ruim o pouco destaque que ele teve (Imagem: Divulgação/Netflix)

E por mais que isso possa ser novamente alvo de críticas dos fãs mais xiitas que querem só lutinha, é curioso ver como o roteiro contrasta a figura de Adam com a do Esqueleto em relação ao uso da Força: enquanto o vilão se apoderou dela e segue a consumindo sem parar, o herói compartilha e a devolve ao universo sempre que preciso.

Esse aprofundamento na dinâmica de poder abre espaço para mostrar que Adam nunca dependeu de sua espada para se transformar e, assim, o desenho apresenta o He-Man Selvagem, uma forma muito mais brutal do personagem e que rende excelentes cenas de ação. Não é um personagem memorável, mas ainda assim muito divertido.

Netflix poderia ter deixado a transformação em He-Man selvagem como uma das surpresas da temporada (Imagem: Divulgação/Netflix)

A partir dessa versão mais brutal do Campeão de Eternia, o desenho deixa claro que Adam não precisa da força física para ser vital para o reino em sua hora mais escura e é aí que vemos o quanto Adam é muito mais do que o cara de cabelo chanel e colete rosa dos memes antigos — mais uma vez desenvolvendo um personagem pouco explorado.

Muito mais divertido

Um ponto muito positivo dessa conclusão de Mestres do Universo: Salvando Eternia é o quanto ele é divertido. Enquanto a primeira parte abordava o impacto do fim da magia no mundo, os novos episódios mostram o reinado de terror do Esqueleto sobre Eternia — e, curiosamente, há um enorme bom humor em tudo o que é apresentado.

O demônio Fulgor é dublado pelo lendário Isaac Bardavid, o Esqueleto da série original (Imagem: Divulgação/Netflix)

Não se trata de um erro de tom, mas de abordar essa nova realidade sob a perspectiva do vilão, destacando o quanto ele é patético. Não por acaso, ele também se torna o alívio cômico da temporada, reagindo mal a vários eventos e com comentários engraçadinhos quando confrontado. De longe, é a melhor coisa da animação. E, como ele é o centro da história, há muito espaço para que a gente ria e se divirta.

Esse bom humor funciona ainda mais na versão brasileira, que parece ter encontrado o tom certo na hora de adaptar as vozes. Na primeira parte de Salvando Eternia, era perceptível o quanto os dubladores estavam tentando emular as vozes do desenho clássico, mas aqui já fica claro o quanto todos já estão mais confortáveis em seus papéis e tudo soa muito mais natural — o que abre espaço para improvisos e brincadeiras que funcionam muito bem.

E, é claro, há toda a ação que a gente tanto queria ver. Da batalha entre o Deus Esqueleto e He-Man Selvagem ao retorno do herói que a gente conhece em uma enorme batalha campal em frente ao Castelo de Grayskull, tudo é muito ágil e empolgante e com aquele mesmo clima de quando você colocava todos os seus brinquedos para lutar de uma só vez.

Nostalgia e novidade

A conclusão de Mestres do Universo: Salvando Eternia entrega tudo aquilo que os fãs poderiam esperar, seja aqueles que gostaram do começo da animação ou aqueles que criticaram os rumos que a história tomou. A Netflix conseguiu acertar o tom e agradar tanto o público mais nostálgico e conservador quanto aqueles que esperavam ver esse universo ser aprofundado.

Série termina com ótimos ganchos para uma sequência e modernizando o universo que a gente já conhece (Imagem: Divulgação/Netflix)

O foco dado aos vilões aqui é o maior exemplo disso, pois oferece a ação que muita gente queria ver ao mesmo tempo em que mostra as motivações vazias do Esqueleto e as consequências disso em Maligna. Não por acaso, são os melhores personagens desse revival, ganhando camadas que nunca foram apresentadas no clássico da década de 1980.

E o mais interessante é o quanto Salvando Eternia deixa espaço para que novos episódios venham no futuro, conectando a história aqui mostrada com outros elementos desse universo, como o vilão Hordak — o mesmo de She-Ra. Embora a franquia tenha nascido para vender bonequinho e nunca tenha se importado em fazer muito mais do que isso, esse revival de Mestres do Universo mostrou o quanto um pouco de coesão ajuda a enriquecer a história e, principalmente, nos deixar ainda mais saudosistas e sedentos por mais disso tudo.

A parte 2 de Mestres do Universo: Salvando Eternia está disponível no catálogo da Netflix para todos os assinantes.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.