Crítica Cowboy Bebop │ Você vai ter que carregar esse peso

Crítica Cowboy Bebop │ Você vai ter que carregar esse peso

Por Durval Ramos | Editado por Jones Oliveira | 16 de Novembro de 2021 às 18h30
Divulgação/Netflix

É muito difícil adaptar um anime para live action. Não apenas porque há a grande chance de tudo ficar com cara de cosplay, mas porque as duas mídias têm estéticas completamente diferentes e que nem sempre são fáceis de transportar de uma linguagem para a outra. A movimentação dos personagens, suas expressões corporais e toda a ação que quase sempre acompanham esse tipo de animação é algo que, quando colocado em carne e osso, pode ficar estranho.

Por isso mesmo, é curioso ver como Cowboy Bebop se esforça para manter toda essa estética do anime original intacta. Desde que a Netflix apresentou as primeiras imagens à reprodução da icônica abertura, sempre houve esse cuidado em mostrar ao fã que, diferente de Death Note, haveria um respeito enorme com o anime-base. Tanto que trouxeram a compositora Yoko Kanno para recriar a trilha sonora tão emblemática.

A nova série ostenta com tanto orgulho essa origem que traz toda a estética do anime para fazer com que a adaptação soe como o Cowboy Bebop que todos conhecem. Isso faz com que se torne bastante cartunesca e exagerada — o que funciona muito bem em alguns momentos, mas falha miseravelmente em outros.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

E isso é curioso, pois mostra como esse cuidado e respeito à essência do anime de Shinichiro Watanabe parece ir somente até a página dois. Enquanto o visual e o jeito do live action bebem diretamente daquilo que o anime apresentou, a produção da Netflix parece não ter entendido a parte mais importante: no fim, são a história daqueles personagens e como ela é construída os verdadeiros charmes por aqui.

Muito gingado e carisma

Esse estilo mais cartunesco e exagerado de Cowboy Bebop funciona muito bem na primeira metade da série. Ao replicar a estrutura de casos isolados do anime, ele foca em seus personagens e aí todas as brincadeiras visuais e referências à estética do anime dão uma cara diferente para o live action, fazendo com que ele se diferencie e fique realmente interessante.

O trio de protagonistas é, de longe, a melhor coisa da série, mas Ein roubaa cena fácil (Imagem: Divulgação/Netflix)

Por mais que ele flerte muito com a canastrice e as caras e bocas causem estranhamento, tudo isso se encaixa bem na construção da dinâmica do trio de protagonistas. Todo o gingado da animação está presente aqui e a adaptação consegue trazer até mesmo a sincronia dos movimentos à trilha sonora e a tônica das aventuras isoladas, o que faz com que seja muito fácil você se apaixonar por esse futuro distópico.

Para os fãs, o golpe é ainda mais baixo, porque Cowboy Bebop remete a todo o instante a elementos do anime original, apelando para um lado afetivo que empolga sempre que acontece. Ver John Cho (Star Trek) como Spike Spiegel é incrível, porque ele está idêntico ao personagem e sem parecer ser apenas um ótimo cosplay em cena.

Só que a semelhança acaba sendo muito mais visual do que de personalidade. No anime, o protagonista é muito mais safo, com um jeito meio malandro e vagabundo que serve para esconder o mistério de seu passado. E o charme do personagem, no anime, é como ele transita muito bem por entre essas personas, com uma versatilidade que Cho não consegue imprimir no live action. O seu Spike ainda é um personagem muito legal, mas muito longe de ser tão complexo quanto o original. Elealterna apenas entre o carrancudo preocupado e o engraçadão, sem todas as camadas do que o anime apresenta.

Cowboy Bebop reproduz várias cenas do anime, com direito até mesmo às mesmas canções em cenas marcantes (Imagem: Divulgação/Netflix)

A Faye Valentine de Daniella Pineda (Jurassic World: Reino Ameaçado) é outra que também destoa bastante, principalmente por não ter sido apresentada como a ladra que realmente só quer enganar o grupo. Embora Cowboy Bebop tente se aproximar disso em um ou outro episódio, a sua história já é introduzida logo de início, o que tira o impacto da reviravolta que é construída no anime.

E por mais que seja injusto e até mesmo ilógico ficar comparando anime e live action — afinal, o papel de uma adaptação é adaptar esses elementos mesmo —, é aqui que a insistência da Netflix em puxar a todo instante referências do material original se volta contra ela. O seriado usa tanto a animação como muleta que é impossível não traçar paralelos e, nesse ponto, você se dá conta de como ele não chega perto do que o anime apresentou há mais de duas décadas.

Ainda é muito divertido ver o trio junto. A estrutura de “episódio da semana” ao som de jazz, a dinâmica do grupo e o próprio exagero das cenas de ação conseguem carregar boa parte do carisma do Cowboy Bebop original. O problema é que, para a história que está sendo contada, apenas isso não basta — e é aí que as coisas desandam feio.

A balada do anjo caído

A estética anime aplicada ao live action tem um limite. Por mais que seja divertido ver as lutas coreografadas que mais parecem uma dança sincronizada com a trilha sonora agitada e os exageros combinem com a dinâmica do trio de protagonistas, ela não funciona quando o roteiro precisa ser sério. Aí, todo o tom cartunesco deixa de ser o grande charme de Cowboy Bebop para se tornar o seu maior problema.

Vicious é facilmente a pior coisa de toda a série (Imagem: Divulgação/Netflix)

O grande ponto aqui responde pelo nome de Vicious, o grande vilão da trama. O ator Alex Hassell (The Boys) está terrível no papel, repleto de caras e bocas e com expressões exageradas que tiram completamente a tensão que o seu personagem deveria trazer para a história. E não apenas porque a sua caracterização é a mais fraca de toda a série — seu visual está idêntico ao Didi vestido de mulher em Os Trapalhões —, mas porque ele está tão fora do tom que parece ter saído de uma história infantil. É quase como se fosse um vilão de Chiquititas e não de um dos animes mais cultuados de todos os tempos.

É sofrível acompanhar os momentos do personagem e, à medida que a história avança, ele passa a ser mais importante para o roteiro, o que compromete demais a série. A segunda metade da trama exige uma seriedade e tensão para que o clímax funcione, mas o tom histriônico de Vicious joga tudo isso fora. A própria Balada do Anjo Caído, o momento mais famoso do anime, se perde por causa dessa atuação afetada do ator.

O episódio de Pierrot Le Fou é ruim de dar vergonha (Imagem: Reprodução/Netflix)

E ele não é o único. Todo o núcleo mais sério de Cowboy Bebop sofre por não saber lidar com a estética do anime. O episódio de Pierrot Le Fou, o assassino enviado para matar Spike, é ruim de dar vergonha. O personagem usa a risada de vilão como se saísse de um desenho para crianças e que destoa completamente do senso de perigo que deveria ser retratado ali. A ideia é soar insano e ameaçador, mas é só ridículo mesmo.

Mudanças sem sentido

Além disso, Cowboy Bebop faz algumas alterações bastante significativas na história que certamente vão incomodar os fãs. Era claro que a adaptação não iria cobrir toda a trama do anime e que uma segunda temporada é mais do que provável — o gancho que ele deixa é enorme —, mas foi preciso mexer em muita coisa para fazer essa divisão funcionar.

O grande ponto é que não se trata apenas de alterar a cronologia dos fatos. Muita coisa do final do anime foi puxada para esta temporada e acontecimentos do início da história foram adiados, mas tudo isso é compreensível. O que é imperdoável foi mexer na personalidade de personagens importantes, descaracterizando-os por completo, para garantir essa segunda temporada.

Todo o arco sobre o passado de Spike sofre muito com o núcleo "sério" da adaptação (Imagem: Reprodução/Netflix)

Não adianta nada fazer mil referências ao anime, trazer a compositora original e encher a série de gingado para fazê-la soar como o anime que todos adoram se, no fim, a ideia é seguir por caminhos totalmente diferentes.

Talvez a Netflix tenha decidido ousar e surpreender não só quem está tendo seu primeiro contato com Cowboy Bebop, mas também os velhos fãs, trazendo um final inesperado — o que faz essa insistência em referenciar a animação a todo o instante seja só uma armadilha para essa reviravolta. O problema é que, ao fazer isso, ela mostra que não aprendeu nada com o terrível Death Note.

O que faz o anime ser tão querido e clássico não é apenas o fato de a sua estética ser diferenciada e usar uma trilha sonora tão marcante e visuais icônicos. São os personagens os grandes atrativos, o que inclui os seus traumas e dores e como eles lidam com isso entre uma missão e outra, além de que nem sempre a jornada de redenção segue como a gente planejou — e é isso o que os fãs queriam ver. São personalidades tão marcantes que você se apega a cada um dos protagonistas para, quando a reviravolta acontecer, você ser tão impactado quanto eles. E nada disso acontece por aqui. Ou melhor, acontece, mas de uma forma totalmente diferente e que deturpa o que foi apresentado desses personagens.

No fim, a melhor coisa que o live action fez foi apresentar o anime para um universo de pessoas que ainda não o conheciam. Ele diverte no início e mexe muito com o saudosismo dos fãs, mas para por aí. Cowboy Bebop tenta ter a malemolência do anime original e chega a imitar muito bem alguns de seus movimentos, mas não consegue manter o gingado e tropeça em seus próprios passos — e agora a Netflix vai ter que carregar esse peso.

Cowboy Bebop estreia no catálogo da Netflix em 19 de novembro de 2021.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.