Google financia projeto e levanta importância da educação midiática no Brasil

Por Nathan Vieira | Editado por Luciana Zaramela | 10 de Junho de 2021 às 21h40
Nick Morrison / Unsplash

Na última quarta-feira (9), o Google.org, braço filantrópico do Google, anunciou novo apoio financeiro de R$ 5 milhões ao projeto EducaMídia, programa do Instituto Palavra Aberta que almeja difundir a educação midiática no Brasil e fornecer ferramentas para que crianças e jovens desenvolvam as habilidades necessárias para consumir informação. O anúncio foi feito durante uma coletiva de imprensa.

A ideia do apoio é capacitar professores e organizações de ensino sobre a temática da educação midiática. O novo recurso se soma aos R$ 4 milhões também investidos pelo Google.org na primeira etapa do programa, totalizando assim R$ 9 milhões com o objetivo de garantir as atividades do programa até 2023.

Essa nova contribuição do Google.org garantirá a continuidade do programa, bem como a consolidação e a ampliação das ações desenvolvidas na primeira etapa. Basicamente, a estratégia é estabelecer parcerias com redes estaduais e municipais, públicas e privadas e organizações da sociedade civil para expandir o alcance do programa no país.

(Imagem: Compare Fibre)

“Interagir de maneira crítica com conteúdos como discursos e notícias na internet se tornou algo essencial, principalmente agora no Brasil sob pandemia e às vésperas de uma nova eleição presidencial”, afirmou Marco Túlio Pires, diretor do Google News Lab no Brasil, durante a coletiva. “Nosso apoio ao trabalho do EducaMídia, que leva esse conhecimento às novas gerações por meio da educação, é mais uma das formas de combatermos a desinformação no país”, acrescentou.

Para Patricia Branco, presidente do Instituto Palavra Aberta, a educação midiática é um direito e uma necessidade de todos os cidadãos, além de um conceito essencial para a manutenção da democracia. “É importante que esteja inserido no contexto da aprendizagem desde cedo e que os educadores sejam preparados para trabalhar essa temática na sala de aula”, apontou.

Educação midiática e tecnologia

Questionada pelo Canaltech sobre a relação entre a educação midiática e a tecnologia, Mariana Ochs, coordenadora do Instituto Palavra Aberta, afirmou que quando se começa a trabalhar com tecnologia nas escolas, a pergunta não deve ser "qual tecnologia, ferramenta, plataforma ou aplicativo?", mas sim "tecnologia para quê?".

"A tecnologia precisa ser entendida não como ferramenta, mas como linguagem, cultura. A internet precisa ser vista como território. Ter o domínio da tecnologia é uma questão de inclusão. É uma questão de equidade, participação na sociedade e cidadania. A gente precisa preparar os jovens para isso, e a educação midiática acaba dando um contexto para o uso de tecnologia na escola", dissertou a coordenadora.

"A fluência digital é muito importante na medida em que abre as portas para a relação mais consciente com a informação e essa possibilidade de investigação autônoma de conteúdos pelos alunos. Mas também é importante a gente dizer que a educação pode ser desplugada. A gente entende que está preparando esses alunos não só para uma educação mais conectada e para práticas pedagógicas mais contemporâneas, mas para uma vida em sociedade onde as relações são muito mediadas pela tecnologia", ressaltou.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.