Análise | Positivo Union C é o “tudo-em-um” perfeito para trabalho ­— e só

Por Rafael Arbulu | 20 de Janeiro de 2020 às 09h38
(Foto: Matheus Argentoni;/Canaltech)

Foi-se o tempo em que comerciantes e fabricantes usavam o espaço de armazenamento como um dos principais argumentos de venda para computadores pessoais. Lembro-me, ainda hoje, de quando os discos rígidos chegaram nos gigabytes e de como minha versão adolescente ficava maravilhada com 20 GB ou 40 GB para gravar meus arquivos MP3. Um computador de 100 GB, então, era reservado ao moleque riquinho do colégio, com pais endinheirados.

O novo desktop “tudo-em-um” Union C, da Positivo, me remete, ainda que de leve, àquela época. Estamos falando de um computador perfeitamente criado para o universo escolar/corporativo – e absolutamente nada mais. Suas configurações, elencadas abaixo, mostram isso logo de cara:

(Foto: Matheus Argentoni/Canaltech)

Especificações técnicas

  • Processador: Intel Celeron N4000 (4 MB Cache, até 2.60 GHz, Dual-Core)
  • Sistema Operacional: Windows 10 Home
  • Memória RAM: 4 GB
  • Slots de Memória: On board LPDDR4 - 1600MHz
  • Armazenamento: 64 GB, Flash (on-board) + 64 GB de armazenamento na nuvem
  • Leitor de Cartões: 2 em 1 (SDHC e SDXC)
  • Tela: LED 21,5 polegadas Widescreen (Full HD), resolução 1920 x 1080 com tecnologia IPS
  • Vídeo: Intel UHD Graphics 600
  • Rede: 10/100/1000 Mbps - Gigabit Ethernet (cabeada) / Wireless IEEE 802.11 b/g/n
  • Bluetooth 4.0
  • Teclado Português Brasil ABNT2, sem fio
  • Mouse óptico, 2 botões, com scroll, sem fio
  • Portas Traseiras: 5x USB 3.0, 1x Line-out (áudio), 1x HDMI (saída), 1x RJ-45, 1x Line-in (fone de ouvido / microfone), 1x DC-in (alimentação)
  • Portas inferiores: Leitor de cartões SD, Abertura para trava Kensington
  • Alto Falantes: Estéreo (2 x 2W)
  • Tamanho: (P x L x A) 7,2 / 36,7 x 495 x 293 mm (sem pedestal para suporte)
  • Peso Líquido: 2,6 kg

Como se pode ver, ninguém vai jogar Skyrim aqui. É válido ressaltar, porém, que há outras variações de configuração (o modelo entregue ao Canaltech para análise é o mais básico – Union C 464A-21), algumas até com componentes mais potentes, porém que não diferem muito da proposta de uma máquina quase que exclusivamente feita para trabalho.

(Foto: Matheus Argentoni/Canaltech)

A elegância dessa máquina é que ela é bastante direta ao ponto: você a pluga na tomada, conecta o kit wireless (teclado e mouse) e já começa a usar. Não tem muita demora em configurar tudo e já começar a trabalhar. O que é ótimo, já que você não perde muito tempo com ajustes de sistema e já pode começar a produzir.

A escolha deliberada da Positivo em colocar pouco armazenamento em disco (e a maior parte dele ser ocupada pela instalação do sistema operacional) também reflete uma mudança de paradigma dentro do ambiente corporativo: menos material salvo internamente, mais coisas ocupando a nuvem. Nisso, há uma mensagem importante: o tradicionalismo empresarial visto por corporações que ainda se recusam a acreditar na virtualização de processos e resguardo de dados está quase sem lugar no mundo. Adapte-se, você não terá outra escolha.

(Foto: Matheus Argentoni;/Canaltech)

Ademais, o Union C não vem sem falhas – algumas facilmente evitáveis. A primeira e mais óbvia é a quantidade pornográfica de shovelware (nome dado a softwares de fábrica pré-instalados no sistema) que a empresa inseriu na máquina. Na primeira vez que liguei, foram pelo menos quatro ofertas saltitando na minha cara, como se fosse uma página de internet recheada de códigos do Google AdSense – mas isso foi antes de eu abrir qualquer navegador. Perdi uns bons 10 minutos removendo tudo e, mesmo assim, tem que dar uma boa “cavada”: alguns materiais não aparecem no gerenciador de aplicações do Windows 10.

Outro problema é que o Union C, devido ao seu processador modesto, placa integrada padronizada e adaptador de rede mais, digamos, “pobrinho”, vai rapidamente apresentar pequenas irritações ao usuário. Os engasgos de reprodução de vídeo são os mais notáveis, se fazendo presente tanto no streaming de qualidade reduzida em vídeos no YouTube, como em arquivos de mídia salvos no próprio disco rígido da máquina. Já o segundo traz um impacto direto na internet em si: eu recentemente pude brincar com um Samsung Odyssey que está na mesma mesa onde instalei o Union C – ambos estão a uns quatro metros do roteador, porém o Wi-Fi só engasga e cai no “tudo-em-um” da Positivo.

Se uma máquina preza tanto pelo uso da nuvem, por que usar um adaptador de rede que pode efetivamente derrubar todo o meu trabalho?

(Foto: Matheus Argentoni;/Canaltech)

Outra decisão que me confunde: embora no modelo que recebemos o armazenamento interno seja em memória flash, no modelo superior o Positivo Union C investe em um HDD de 500 GB. Daí a dúvida: em uma era onde o disco de estado sólido (SSD) está se tornando padrão, por que ainda insistir no disco rígido (HD)? Eu entendo que essa inclusão poderia encarecer um pouco mais o produto, porém há modelos na própria loja da Positivo que o adotam e não há tanta diferença de preço assim.

São detalhes que causam desconforto, mas não eliminam totalmente a experiência de uso de uma máquina assim. Ela traz um bom custo-benefício e serve bem para empresas que contam muito com operações de base. Na loja da fabricante, o Union C está saindo por a partir de R$ 1.699,00, um preço até razoável pelo que se tira com esse produto.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.