Mercado de criptomoedas supera os US$ 3 trilhões pela 1ª vez na história

Mercado de criptomoedas supera os US$ 3 trilhões pela 1ª vez na história

Por Dácio Castelo Branco | Editado por Claudio Yuge | 09 de Novembro de 2021 às 21h20
Pixabay

Não é só o Ethereum que está em alta. O mercado de criptomoedas superou nesta segunda-feira (8) pela primeira vez o valor de US$ 3 trilhões (R$ 16,3 trilhões), graças a entrada de investidores tradicionais no setor.

O mercado das criptomoedas representava às 17h de Brasília desta segunda-feira US$ 3,7 trilhões (R$ 20,3 trilhões), segundo o site CoinMarketCap. O Bitcoin (BTC), durante o período, estava valendo US$ 66,6 mil (R$ 368,4 mil), se aproximava do valor máximo histórico, enquanto o Ethereum (ETH), conforme noticiado pelo Canaltech, chegava a US$ 4,7 mil. Tanto o bitcoin como o Ethereum representam mais de 40% e 20% do mercado, respectivamente.

Porém, nesta manhã, o Bitcoin quebrou novo recorde, alcançando a marca dos US$ 68 mil (R$ 373,12). Embora, no fechamento desta matéria, ele já tenha voltado para a casa dos US$ 66,6 mil, a moeda por um breve período conseguiu quebrar o recorde anterior, que era de US$ 67,7 mil (R$ 371,48 mil)

O pico do Bitcoin em 9 de novembro. (Imagem: Captura de Tela/Dácio Augusto/Canaltech)

Embora investidores do mercado em geral não consigam explicar a alta, pelo menos o Bitcoin e o Ethereum contam com mudanças recentes que podem justificar o crescimento. No caso do BTC, desde o fim de outubro, os mercados americanos têm acesso a um fundo indexado (ETF, na sigla em inglês) à evolução do bitcoin, que permite aos investidores apostar na alta da primeira criptomoeda sem sair de Wall Street.

Já a alta no valor do Ethereum está acontecendo desde o final de outubro, por conta do aumento na criação e uso de aplicativos descentralizados e em transações de NFT, feitas a partir da rede blockchain do ETH, além de expectativas que essas tecnologias possam se mostrar uteis em futuros metaversos criados por empresas como a Meta, anteriormente conhecida como Facebook.

Vale alertar que mesmo com essa alta, não está sendo um período bom para todas as criptomoedas. O Shiba Inu, um criptoativo criado para rivalizar com o Dogecoin, alcançou no fim de outubro um tamanho teórico de US$ 40 bilhões (R$ 219,4 bilhões), tornando-se a décima maior criptomoeda, e em menos de uma semana perdeu US$ 10 bilhões (R$ 54,87 bilhões) em valor de mercado. A cautela em investimentos deste setor ainda é necessária.

Fonte: Uol

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.