Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

Animais inteligentes vivem mais

Por| Editado por Luciana Zaramela | 13 de Julho de 2023 às 18h32

Link copiado!

Uriel Soberanes/Unsplash
Uriel Soberanes/Unsplash

A inteligência pode ajudar uma espécie a viver mais. Pelo menos, essa é a afirmação de um estudo publicado na revista Science Advances na última quarta-feira (12). A teoria é que indivíduos mais inteligentes provavelmente tomam melhores decisões em relação à seleção de habitat e alimentos, prevenção de predadores e cuidados.

Para fazer essa relação entre inteligência e expectativa de vida, os pesquisadores do German Primate Center analisaram o comportamento de lêmures selvagens de Madagascar. Ao todo, o grupo administrou quatro testes cognitivos diferentes e dois testes de personalidade a 198 animais, além de medir seu peso e acompanhar sua sobrevivência durante alguns anos.

Os testes de cognição avaliaram a resolução de problemas, memória espacial, controle inibitório e compreensão causal. O primeiro teste de personalidade avaliou o comportamento exploratório, enquanto o segundo mediu a curiosidade por meio das reações dos animais a objetos desconhecidos.

Continua após a publicidade

Animais espertos são mais longevos

Conforme constata o artigo, os lêmures que tiveram melhor desempenho nos testes cognitivos exibiram menos comportamento exploratório em comparação com os que tiveram pior desempenho.

O estudo também descobriu que os indivíduos com melhor desempenho cognitivo, maior peso e comportamento exploratório mais forte tendem a ter uma expectativa de vida mais longa.

“Esses resultados sugerem que ser inteligente ou exibir boa condição física e comportamento exploratório provavelmente são estratégias diferentes que podem levar a uma expectativa de vida mais longa", afirmam os pesquisadores.

A ideia é que, nas próximas pesquisas relacionadas à área, a equipe possa investigar como as habilidades cognitivas se traduzem em estratégias comportamentais para encontrar comida ou parceiro de acasalamento.

E nos humanos, qual a importância da inteligência?

Para medir a inteligência, o uso dos testes de QI (Quociente de Inteligência) é considerado o método padrão. Mas a própria comunidade científica debate muito sobre o assunto e chega a refletir que ser inteligente não está apenas relacionado com o raciocínio lógico.

Continua após a publicidade

Anteriormente, especialistas revelaram ao Canaltecho que determina nossa inteligência: a ciência considera que os humanos tenham dois principais tipos de inteligência — a fluida, que consiste na capacidade de usar e aplicar informações, e a cristalizada, que reflete a informação que se tem acesso, armazenada como memória em seu cérebro.

As evidências científicas sugerem que a inteligência cristalizada continua a se acumular enquanto o cérebro está em funcionamento. Por outro lado, a inteligência fluida diminui à medida que uma pessoa envelhece. Já listamos, também, alguns sinais de inteligência — segundo a ciência:

  • Curiosidade
  • Empatia
  • Observação
  • Capacidade de autocontrole
  • Reconhecimento dos limites (e da necessidade de mais aprendizados)

Estudos também já apontaram que pessoas muito inteligentes demoram mais para responder questões complexas.

Continua após a publicidade

Fonte: Science AdvancesEurekAlert!