Sexta-feira 13 | Cinco filmes para assistir com ou sem medo de ser feliz

Por Sihan Felix | 13 de Abril de 2018 às 13h30
photo_camera Depositphotos

Os streamings chegaram de mansinho há alguns anos e hoje dominam boa parte das casas de quem procura algo para assistir. Nota-se que até mesmo a velha pirataria via torrent tem perdido espaço. São questões que, por agora, não vêm ao caso. Mas prometo retornar em um artigo futuro (em breve), pois a questão é a sexta-feira 13 e como utilizar o melhor dos serviços de streaming para aderir a esse dia tão cheio de significados.

Enquanto na numerologia o número 12 é considerado completo, o 13 é irregular, sinal de infortúnio, de azar. Mas Zagallo é tetracampeão e adora o 13! Explique essa agora! Confesso que não sou numerólogo (bem longe dessa prática, aliás), mas é sempre complicado utilizar uma exceção para tentar transformá-la em regra. Vai ver o Mario Jorge é o próprio enviado das trevas. Ou, ainda, é um enviado dos céus que nada tem a temer... muito menos um pobre número.

Não. Eu também não acredito em qualquer uma dessas possibilidades. Mas e daí?

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Se o 12 simboliza o ano e seus meses, as tribos de Israel, os apóstolos de Jesus Cristo e as 12 constelações do Zodíaco, o 13 foi somente mal interpretado ao longo da história. Mas vale dizer que, entre tantas coincidências (será?), 13 de dezembro de 1968 (uma sexta-feira) foi o dia em que o governo militar do Brasil decretou o AI-5, que, entre outras coisas, suspendeu direitos e garantias políticas, decretou estado de sítio no Brasil e deu poderes aos militares de fechar o Congresso. Fora isso, sexta-feira foi o dia da crucificação de Jesus, motivo para cristianizar o azar desse dia da semana e uni-lo às tantas interpretações do número 13.

Mas e os filmes?

Pois preparem o sofá, a poltrona ou o que mais for de costume, conversem com o deus de vocês – independente de quem ele seja (inclusive nenhum) – e assistam aos filmes a seguir. De preferência, sem criar expectativas e com uma boa válvula de escape para tirar os olhos da tela sem passar vergonha.

Ah! A lista não está em nenhuma ordem proposital. São filmes completamente diferentes entre si e, também por isso, a comparação qualitativa pode ser bem injusta.

Pois lá vão eles:

Hush: A Morte Ouve

A premissa parece simples: Há uma casa localizada em uma floresta. Nessa casa, uma mulher surda-muda está sozinha. A tranquilidade, obviamente, é interrompida. Isso porque um assassino começa a perturbar a pobre moça.

Parece e é simples! E é nessa simplicidade que o diretor Mike Flanagan (o mesmo de Ouija: A Origem do Mal e dos bons O Sono da Morte e O Espelho) aposta, muitas vezes deixando de lado os velhos sustos induzidos pela trilha repentinamente forte e investindo em uma tensão crescente que culmina no excelente terceiro ato.

Conseguindo driblar a maioria dos clichês, a tensão é crescente de uma forma que, ao final, faz querer sentir sua própria respiração. Além de ser um filme curto, seus 81 minutos passam como 20 e conseguem o essencial para um filme do gênero: fazer com que nos importemos com quem está protagonizando a história e torçamos contra quem antagoniza.

Hush: A Morte Ouve não é uma obra-prima. Pode até estar bem longe disso. Mas é uma boa pedida para esse dia mal-assombrado.

O Convite

Se você está querendo incômodo e não está à procura de sustos, O Convite pode ser a melhor pedida. De ritmo mais lento do que a predisposição a filmes comerciais está acostumada, esse filme constrói um sentimento crescente de que algo ruim está para acontecer.

Mas acontece?

Vale conferir sem a resposta. Pelo sim ou pelo não, é bom se preparar para um reencontro regado com amizade e, ao mesmo tempo, com desconfiança. Melhor ainda ao reparar a utilização da luz e da sombra pela fotografia de Bobby Shore e como ela induz justamente à dúvida.

Para deixar tudo mais bacana, O Convite é dirigido por Karyn Kusama, diretora e roteirista do excelente Boa de Briga. Por mais que tenha tropeçado com o irregular Garota Infernal, dirigiu também a subestimada e injustamente pouco comentada sci-fi Æon Flux, com Charlize Theron.

O Que Fazemos nas Sombras

Agora, digamos que o que você procura é se divertir. "Ah! Cansei de sustos e incômodos. Minha vida já é um terror. Eu quero assistir a um filme no clima da sexta-feira 13 e conseguir dormir feliz, sorridente e serelepe".

Aí a melhor opção é a coprodução entre a Nova Zelândia e os Estados Unidos O Que Fazemos nas Sombras. Uma comédia de terror (terrir) que referencia alguns dos principais vampiros da história do cinema, como o Drácula de Drácula de Bram Stoker (dirigido por Francis Ford Coppola) e o Nosferatu do expressionismo alemão (dirigido por F.W. Murnau) – ambos curiosamente adaptados do mesmo livro: Drácula, escrito pelo inglês Bram Stoker.

No filme, três vampiros dividem uma casa e encontram dificuldades humanas na convivência. Além das complexas decisões sobre o que vestir para permanecerem encaixados em padrões sociais atuais (após terem vivido tantos séculos), precisam organizar festas para conseguirem encontrar sangue humano e ter alguma renda para as despesas diárias.

E não para por aí! Tudo isso é filmado como um mockumentary (falso documentário, como A Bruxa de Blair e Atividade Paranormal) e, sem dúvida alguma, é dos melhores terrirs despretensiosos dos últimos anos.

Além da Netflix, título também pode ser conferido no Looke e iTunes.

The Nightmare

Aí chegamos a um documentário real. Mas será mesmo? Há controvérsias... A verdade é que entre tantos exemplares de terror e de terrir nos streamings, The Nightmare é um dos mais assustadores.

Se por um lado isso se deve ao fato de ser justamente um documentário, por outro essa é a sua talvez única fraqueza. Isso porque o diretor Rodney Ascher não mergulha a fundo na problemática, a paralisia do sono. Ele explora as entrevistas como se caminhasse pela mente do espectador, buscando situações de tensão até mesmo no que há de mais comum.

E é exatamente isso que acaba por descortinar todo um terror adormecido, que faz com que desejemos dormir com as luzes acesas. Ver encenações de pesadelos reais não somente aflige, mas causa o essencial para que sintamos o horror: identificação. Dificilmente não lembramos de algum pesadelo terrível que tivemos e, inconscientemente (ou não), podemos associar o que passamos às encenações vistas, o que está bem longe de ser agradável ou tranquilo. Se você for uma pessoa empática então e conseguir se colocar no lugar de quem tem (ou teve) a paralisia do sono – como as que dão seus depoimentos para The Nightmare –...  pronto. Desejo sorte.

Tudo bem... Como documentário, é falho por não procurar embasamento através de psiquiatras e profissionais da área sobre os relatos dos oito entrevistados – sendo a fundamentação praticamente zerada –, por outro (e se for levado muito a sério) pode ser que um novo subgênero do terror esteja batendo à nossa porta. E mesmo começando assim, imperfeito e inconsistente, é extremamente assustador.

Deathgasm

"Sai daí! O que eu procuro é uma coisa mais trash, algo gore com uma pegada meio oitentista. Eu quero muito sangue!" Seus problemas acabaram então com a segunda coprodução entre a Nova Zelândia e os Estados Unidos da lista! Basta assistir ao desajustado Deathgasm, que entra por aqui como o exemplar mais loucamente doentio.

Mas não se engane: apesar de todo o banho de sangue promovido pelo diretor e roteirista Jason Lei Howden, é um filme que sabe muito bem onde quer chegar. Corajoso e muito consciente do território que está mexendo, Deathgasm tem como referências claras Uma Noite Alucinante: A Morte do Demônio (o já clássico do gênero The Evil Dead, de Sam Raimi) e o recente Todo Mundo Quase Morto (o brilhante terrir de Edgar Wright – diretor de Em Ritmo de Fuga).

Recheado ainda de muito rock – com foco no heavy metal – Deathgasm é, sem dúvida alguma, o filme com os diálogos mais sarcásticos dessa curta lista. Se o mundo dos protagonistas é bizarramente mudado quando encontram uma partitura demoníaca e resolvem tocar com sua banda, ao mesmo tempo o roteiro deixa explícita uma crítica sobre as pessoas que nutrem preconceito com esse gênero musical. Preconceito que, aliás, não deveria existir sobre nenhum gênero (inclusive cinematográfico)... Isso é assunto para mais um outro texto.

Mas são os efeitos práticos, a clara referência ao filme de Sam Raimi, a comédia escrachada, os rios de sangue e, acima de tudo, a coragem de se assumir como um filme B que tornam Deathgasm uma das apostas sem noção mais certeiras. É mais um que é imperfeito (até longe da perfeição). Mas não é inconsistente. Pode, por outro lado, não ser exatamente assustador, mas é sincero e vale todos os poucos 86 minutos de duração.

Percebam que a lista é eclética. São cinco filmes completamente diferentes um do outro (como dito na introdução). Outra ideia foi fugir dos clássicos (como O Exorcista, O Bebê de Rosemary, A Hora do Pesadelo, Sexta-Feira 13 e Hellraiser – Renascido do Inferno) e de obviedades (como O Babadook e Sobrenatural) e, ao mesmo tempo, encaixar-se na limitada quantidade de filmes de terror e associados no acervo dos streamings.

Todos temos o direito de gostar ou não de uma “pegada”. A democratização é essencial nesses casos. Ainda mais se partirmos do pressuposto de que nenhuma lista é unânime e, como diria Nelson Rodrigues, que “[t]oda unanimidade é burra. Quem pensa com a unanimidade não precisa pensar.”

Seria unânime pensar assim? Sei não... Mas que seja uma sexta-feira 13 unanimemente de sorte para todos! Inclusive na escolha do filme para assistir.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.