SAIU O RESULTADO DO SORTEIO DO PRÊMIO CANALTECH!CONFERIR
Publicidade

Crítica Tudo em Todo o Lugar ao Mesmo Tempo | Uma bagunça boba, mas profunda

Por| Editado por Jones Oliveira | 03 de Fevereiro de 2023 às 19h30

Link copiado!

A24
A24

Um dos filmes mais comentados de 2022 é, sem dúvidas, Tudo em Todo o Lugar ao Mesmo Tempo, dos diretores Dan Kwan e Daniel Scheinert. O longa traz uma história que acontece em diversas realidades paralelas, o que é chamado também de multiverso, conduzindo a trama de forma bagunçada, mas impecável.

Tudo em Todo o Lugar ao Mesmo Tempo conquistou o mundo ao se aventurar na maluquice de algo que não sabemos explicar muito bem, com liberdade para mergulhar em elementos insanos, mas também nas profundezas das questões humanas.

Atenção: esta crítica pode conter spoilers de Tudo em Todo o Lugar ao Mesmo Tempo!

Continua após a publicidade

O filme é estrelado por Michelle Yeoh, atriz natural da Malásia que já se destacou em diversas produções de Hollywood, como O Tigre e o Dragão, Memórias de Uma Gueixa, 007 - O Amanhã Nunca Morre, Shang-Chi e a Lenda dos Dez Anéis, entre muitas outras.

A atriz conseguiu conduzir sua personagem em todas suas camadas, enfrentando as mesmas pessoas de sua vida de universos diferentes, entregando uma atuação repleta de personalidade. Não é por acaso que Yeoh foi indicada à categoria de Melhor Atriz no Oscar pelo papel, transformando o trabalho em um dos projetos mais marcantes de sua vida.

Continua após a publicidade

A bagunça do multiverso

Um dos pontos mais interessantes em abordar o multiverso é a liberdade para criar o que quiser dentro dele. O tema da realidade paralela é abordado pela ciência, mas a sua aplicação nos produtos culturais precisa ser a mais imaginativa possível, já que não conseguimos nos transportar para diferentes universos e conhecer diferentes versões de nós mesmos.

A produção nos mostra situações extremamente caóticas em meio a lutas que conseguem ser ridículas e bem coreografadas ao mesmo tempo. Enquanto você fica vidrado no que está acontecendo, não sabe se fica agoniado ou acha tudo muito engraçado.

Continua após a publicidade

A trama de Dan e Daniel consegue transformar o bobo, que existe em uma linha tênue entre dar muito certo ou muito errado, em uma experiência positiva. A bagunça é constante e está presente no teletransporte, na forma em que acontece a viagem entre universos, na apropriação dos corpos de outras realidades, nas lutas e nos diálogos. "Insano" é a palavra certa para definir o filme.

Ser humano

Considerando a loucura do multiverso, tudo é válido e o filme Tudo em Todo o Lugar ao Mesmo Tempo é capaz de equilibrar o termo insano com a realidade humana. O longa acompanha Evelyn Wang, uma empresária e imigrante chinesa que comanda uma lavanderia ao lado do marido e da filha nos Estados Unidos.

Como muitas mulheres, Evelyn sempre se questionou sobre como seria sua vida se não tivesse se casado tão cedo. Seu marido, Waymond Wang (Ke Huy Quan), é frustrado por não conseguir fazê-la feliz e acaba pedindo o divórcio. Enquanto isso, a matriarca tenta abrir a cabeça para aceitar que o fato da filha, Joy (Stephanie Hsu), namorar mulheres não é apenas uma fase.

Continua após a publicidade

Tudo começa quando tudo está errado com o imposto de renda da lavanderia e a auditora do órgão responsável pela burocracia, Deirdre (Jamie Lee Curtis) não deixa a família em paz. Na mesa do escritório da funcionária do governo, então, vemos as primeiras viagens pelo multiverso e a missão de Evelyn de evitar que seja assassinada.

Lá, a protagonista começa a desvendar o universo paralelo e a relação das pessoas a sua volta com a missão principal do filme. Ao longo da produção, vemos todas suas decepções, alegrias, frustrações e conquistas sendo colocadas à prova, com vários "e se" sendo apresentados para discussão. Isso não só de Evelyn, mas de todos, desde sua filha até a auditora do imposto de renda.

A construção de quem é Joy no multiverso só acrescenta mais conteúdo para Tudo em Todo o Lugar ao Mesmo Tempo, e a dupla formada ao lado da mãe representa a posição das mulheres imigrantes em países de primeiro mundo, como os Estados Unidos. Vemos essa representação não só nas dificuldades sociais, mas as internas, vindas de uma cultura bastante rígida.

Continua após a publicidade

Por fim, o filme Tudo em Todo o Lugar ao Mesmo Tempo traz uma reflexão importante ao mesmo tempo em que abraça o absurdo, resultando em uma produção intensa, divertida e com o diferencial necessário para se ressaltar entre as diversas outras produções que abordam o multiverso no cinema.

Tudo em Todo o Lugar ao Mesmo Tempo está de volta aos cinemas de todo o Brasil e você pode garantir seu ingresso na Ingresso.com.