Crítica | Rota de Fuga 2 ou o elefante pintor faria melhor

Por Sihan Felix | 23 de Julho de 2018 às 10h23
photo_camera Lions Gate

Não é de ontem (mas não faz muito tempo) que a China começou a investir no cinemão comercial. Não somente a investir, mas a buscar identificação em blockbusters. É um tipo de escambo: em troca da chinezação dos filmes, os orientais garantem público naquele que é o país mais populoso do mundo.

Indo além, os chineses nunca esconderam o desejo de conquistar o chamado soft power (comumente traduzido como poder brando), um tipo de colonização que não envolve qualquer poderio militar. Em resumo, a indústria americana do cinema está de portas abertas para coproduções, está disposta a modificar diálogos e a fazer diferentes versões para o agrado do governo e do mercado chinês e, ainda, disponível a buscar locações no país asiático (vide, entre tantos outros, Looper: Assassinos do Futuro, Transformers: A Era da Extinção e Homem de Ferro 3).

Um agente nocivo e os dois pintos com fome

Em meio a essas superproduções, há diversos filmes menores que buscam uma espécie de unificação entre os países, unificação essa que sugere ser inconcebível fora do cinema em meio a uma guerra comercial entre as duas potências. O problema é que a guerra pode ter afetado inclusive a relação cinematográfica entre Donald Trump e Xi Jinping, dando à luz uma obra tão tosca que pode parecer inacreditável até mesmo para o folclórico Uwe Boll.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Rota de Fuga 2 não é uma produção que se pode chamar de inferior, pois posicioná-la abaixo de outras é colocá-la numa mesma categoria. Trata-se de um agente nocivo, que constrange e danifica qualquer mínima noção do que é um filme. E isso pode ser claro tanto para o público em geral quanto para um chimpanzé que esteja assistindo “de boa” comendo uma bananinha e coçando a cabeça.

(Imagem: Lionsgate Home Entertainment)

Por mais que seja importante uma crítica evitar a efusividade para qualquer um dos lados, é necessário igualmente avaliar se o que está em jogo é um filme ou um trabalho que se afasta substancialmente do básico. Deveria haver um limiar que separasse um, de fato, péssimo filme (como o produzido recentemente pela Netflix Próxima Parada: Apocalipse) de um produto que deturpa qualquer classificação negativa.

Ao mesmo tempo em que a direção de Steven C. Miller é recheada de uma incompetência sem limites, o diretor não é inexperiente, o que pode transformar incompetência em uma palavra branda, que indica um aprendizado pela frente. Falta uma noção básica de linguagem a Miller, que transparece desde a absoluta inexistência de racionalidade na utilização de uma câmera na mão que busca somente uma falsa agitação a uma completa ausência de passagem temporal.

Essa última particularidade, auxiliada pela edição amadora de Carsten Kurpanek e Vincent Tabaillon, faz com que o tempo do filme seja um deus-nos-acuda: Tudo se passa em dois dias? Em uma semana? Em um mês? Mais? Aliás, classificar como amadora a estabanada montagem é uma blasfêmia na verdade, pois sugere uma forma de amor que Kurpanek e Tabaillon não demonstram ter.

(Imagem: Lionsgate Home Entertainment)

Ray Breslin (Sylvester Stallone), a certo ponto, comenta: “Com inteligência e paciência, nada é impossível.” É simpático o grau de metalinguagem que o roteiro de Miles Chapman alcança com essa fala. Pode soar como se Ray (Stallone) recomendasse aos espectadores que mantenham a tranquilidade enquanto são torturados com o que assistem. De qualquer maneira, não se é obrigado a manter a concentração durante os 96 dolorosos minutos – talvez nem seja possível.

Mas não é exatamente triste que Rota de Fuga 2 seja o sucessor de um primeiro filme até interessante, com o carisma de Stallone e Arnold Schwarzenegger falando com mais propriedade do que a história em si (coescrita por Chapman). O que se lamenta, aqui, é a carência total na construção dos personagens e de uma narrativa simples. Se a figura dramática do garanhão italiano já possuía algum desenvolvimento devido ao filme de 2013 – assim como a de Curtis Jackson (o 50 Cent, que interpreta Hush) –, os chineses, que marcam presença devido a já citada parceria, não têm quaisquer ferramentas textuais que os auxiliem na composição das suas próprias figuras, além de terem o entusiasmo na atuação de dois pintos com fome, escancarando ainda mais a forçada chinezação de Hollywood.

O elefante pintor da Tailândia

Poderia o elefante pintor da Tailândia construir um roteiro sem estrutura definida com mais propriedade? A possibilidade existe – e isso é o que menos assusta dada a capacidade artística desse mamífero tão querido. O que choca, no caso, é essa obra ser o fruto de seres com um cérebro teoricamente mais desenvolvido do que o do animal que pinta com a tromba em troca de aplausos ou de amendoim.

E seria tudo menos catastrófico se essa abominação (não há, realmente, como evitar a efusividade) se entregasse à trasheira e não transparecesse arrogância. Desde aquela frase proferida por Ray, que pode dar a entender que a toxicidade do trabalho de Miller e sua equipe só vem à tona devido à falta de inteligência e paciência do público (levando em consideração que Chapman sabe o que é metalinguagem – o que é de extrema bondade) à fotografia, que aposta em uma luz séria e azulada (sem qualquer efeito para a linguagem) e em tantas luzes coloridas e outras pontuais para imprimir algum tom cool, tudo é um arremedo de nada.

Uma bem-vinda experiência interespécie

Rota de Fuga 2 é a coisificação do cinema. E é bizarro descobrir que, diante do não-sucesso de crítica e público dessa aberração (lançada diretamente em home vídeo no Brasil), o terceiro já esteja sendo produzido – com roteiro coescrito por Miles Chapman e com Stallone no elenco. Mas o bordão da primeira campanha do deputado Francisco Everardo Oliveira Silva (o Tiririca) não poderia encaixar mais perfeitamente aqui: “Pior que tá não fica”. Não fica mesmo. A menos que amarrem uma câmera nas costas de um chimpanzé por um dia e entreguem o material filmado para um elefante editar, o nível não terá como cair.

(Imagem: Lionsgate Home Entertainment)

Se bem que essa experiência interespécie seria muito mais válida.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.