Atores e diretores podem boicotar Warner após anúncio de estreias híbridas

Por Claudio Yuge | 10 de Dezembro de 2020 às 22h00
Warner

Quando a Warner Bros anunciou que Mulher-Maravilha 1984 seria lançado simultaneamente nos cinemas e no HBO, o mercado até aceitou, por se tratar de uma estreia em situação de pandemia do novo coronavírus (SARS-CoV-2). Contudo, quando a companhia revelou na semana passada que todos seus grandes filmes de 2021 seriam distribuídos dessa forma, as redes de cinema criticaram a iniciativa. E, desde então, estúdios parceiros já assinalaram um processo judicial para questionar essa decisão. Agora, atores e diretores até mesmo cogitam um possível boicote ao grupo controlador WarnerMedia.

Falando especificamente de Mulher-Maravilha 1984, o barulho não foi tão grande porque houve um acordo entre a Warner Bros e a rede de cinema AMC, a maior dos Estados Unidos, com um percentual maior de divisão da receita com bilheteria. Além disso, tanto a cineasta Patty Jenkins quanto a atriz Gal Gadot foram avisadas sobre esse modelo de distribuição — e ambas teriam recebido US$ 10 milhões a mais, como uma forma de compensação pela mudança de diretrizes de última hora. Vale destacar que uma mudança brusca de modelo de negócios como essa envolve o pagamento desses profissionais, já que a receita da bilheteria costuma estar envolvida nos contratos.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Patty Jenkins, assim como Gal Gadot, teria recebido uma compensação da Warner no valor de US$ 10 milhões
(Imagem: Reprodução/Gage Skidmore - Creative Commons)

Contudo, quando a Warner Bros anunciou que todos os filmes de 2021 serão distribuídos também no HBO Max na mesma data da estreia dos cinemas, pegou todos de surpresa. A AMC e a Cinemark já estão contra essa decisão, assim como o estúdio Legendary Pictures, que produziu e bancou a maior parte dos custos de Godzilla vs Kong e Duna.

A bronca dos diretores e atores

No início da semana, essa notícia caiu como uma bomba em todos os corredores de Hollywood e, por enquanto, entre os grandes cineastas, Christopher Nolan é quem tem sido mais “vocal” com a causa. Ele chegou a dizer que o “HBO Max é a pior plataforma de streaming”. Agora, o The Hollywood Reporter afirma que, embora não hajam declarações oficiais, tanto James Gunn quanto Denis Villeneuve estariam descontentes com essa distribuição híbrida.

Imagem: Reprodução/Empire

Vale destacar que Gunn e Villeneuve comandam duas das principais estreias da Warner Bros em 2021, The Suicide Squad e Duna, respectivamente. Além deles, os atores envolvidos nesses filmes e outros diretores também disseram terem sido pegos de surpresa com a decisão. Lembrando o fato que muitos dos contratos dessas produções possuem cláusulas envolvendo divisão de lucros sobre a bilheteria.

Dessa forma, muitos dos colaboradores vêm pressionando as associações para lidar com o assunto. E a primeira das que estaria se movendo para encarar a Warner Bros é a Directors Guild of America, que representa os diretores. Há o aceno de um possível boicote à WarnerMedia, embora ainda não existam detalhes de como seria essa ação.

Por enquanto, a Warner Bros segue com seus planos, mas, como dá para notar, o assunto ainda vai render bastante nos próximos meses.

Fonte: The Playlist

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.