Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

Pedras de 40 mil anos provam que neandertais sabiam produzir farinha

Por| Editado por Luciana Zaramela | 07 de Julho de 2023 às 21h30

Link copiado!

Charles R. Knight/Domínio Público
Charles R. Knight/Domínio Público

Muito antes de se fixarem, tornarem-se sedentários e inventarem a agricultura, os humanos antigos já sabiam processar cereais e outras fontes silvestres para produzir farinha comestível e nutritiva. Cientistas encontraram, agora, evidências de que isso era feito muito antes do que se pensava — na época dos neandertais, mais precisamente.

Em um artigo publicado no periódico científico Quaternary Science Reviews, foram analisadas 5 pedras de moagem encontradas na Itália, datadas entre 39.000 e 43.000 anos atrás, mostrando que a trituração de grãos já era feita nos tempos da transição entre os neandertais (Homo neanderthalensis) e humanos modernos (Homo sapiens).

Continua após a publicidade

Com isso, as evidências do processamento de cereais e produção de farinha são jogadas milhares de anos para trás. As pedras vêm de sítios arqueológicos diferentes — algumas são da Ligúria, no norte da Itália, e outras da Campania, no sul do país, a cerca de 1.000 km de distância.

Disseminação do conhecimento

Práticas semelhantes de moagem nos dois locais mostram como o conhecimento tecnológico e os costumes alimentares das populações eram disseminados, provavelmente um legado cultural já presente nas tradições culturais dos hominídeos do passado, talvez uma prova do contato entre os H. sapiens e os neandertais. A pedra de moagem musteriana (cultura neandertal), do norte do país, é o exemplo europeu mais antigo de processamento de alimentos, mostrando que a espécie já conhecia a técnica.

Já duas das pedras das culturas humanas modernas do mesmo local, quase um milênio mais recentes, mostram que nossos antepassados realizavam a mesma prática — além de serem parecidas com as dos neandertais, no entanto, elas também mostram algumas modificações intencionais para fazê-las funcionar melhor.

Continua após a publicidade

Uma verdadeira melhoria tecnológica. A inovação trazida pela criação da farinha foi muito importante, já que permitiu que os coletores do paleolítico pudessem guardar e transportar alimentos mais facilmente. Descobrir que isso era feito muito antes do que pensávamos muda nossas ideias sobre o modo de vida dos nômades do passado.

E caso você esteja curioso, as evidências mais antigas da fabricação de pão são de 14.400 anos atrás, no Deserto Negro, noroeste da Jordânia, quando povos ainda nômades chamados natufianos deixaram evidências de ter coletado cereais e tubérculos silvestres para fazer farinha e cozinhar pães.

Restos tostados em fornalhas primitivas mostra que eles já produziam a iguaria (que estava longe de ser um alimento diário) 4.000 anos antes do surgimento da agricultura. O mesmo povo deixou evidências de ter usado cevada e trigo silvestres para fazer cerveja há 13.000 anos, onde hoje é Israel.

Continua após a publicidade

Fonte: University of MontréalQuaternary Science Reviews; Com informações de: Archaeology.org