CES 2020 | Toyota construirá uma cidade em que não será mais necessário dirigir

Por Felipe Ribeiro | 08 de Janeiro de 2020 às 16h20
Toyota
Tudo sobre

Toyota

Saiba tudo sobre Toyota

Ver mais

A maior montadora do mundo quer que você viva em um mundo onde não seja mais preciso dirigir. A Toyota anunciou durante a CES 2020 que vai construir uma cidade em que a mobilidade seja totalmente automatizada e focada em veículos autônomos, robótica, casas inteligentes, mobilidade pessoal e muito mais.

Localizada aos pés do Monte Fuji, no Japão, a cidade se chamará Woven City, e será feita em um terreno de 175 acres, que será uma espécie de aglomerado de protótipos, ou um laboratório vivo para o desenvolvimento de tecnologias.

"As cidades de hoje foram moldadas por carros, mas com este projeto, a montadora está explorando um mundo de novas possibilidades tecnológicas. Woven City poderia ser o teste perfeito para isso", disse James Kuffner, CEO de desenvolvimento avançado do Toyota Research Institute, em uma mesa redonda na CES.

Sim, pessoas poderão morar lá — assim como prédios, infraestrutura e veículos serão interconectados, alimentados por um sistema operacional digital em toda a cidade. A Toyota também convidará seus parceiros de negócios para trabalhar lá, além de acadêmicos e cientistas de todo o mundo, todos com o objetivo de promover a criação de novas tecnologias. Mobilidade conectada, autônoma, livre de emissões e compartilhada são algumas das palavras-chave usadas para descrever o projeto.

Sustentável e conectada

Esta cidade planejada foi projetada para ser totalmente sustentável, alimentada pela tecnologia de célula a combustível de hidrogênio da Toyota e painéis fotovoltaicos montados no telhado. Consequentemente, não deve ser conectado à rede elétrica convencional. Os edifícios serão feitos em grande parte de madeira, incorporando marcenaria japonesa tradicional em sua construção. Se as representações desta cidade e suas estruturas são precisas.

As ruas de Woven City serão divididas em três seções, nenhuma das quais suportará veículos pilotados por humanos. Um será dedicado ao transporte autônomo de movimento mais rápido, o outro tratará de veículos mais lentos e de mobilidade pessoal — além de pedestres — e o último será passeios de parque dedicados exclusivamente às pessoas.

Esses diferentes elementos de infraestrutura se entrelaçam, algo que ajudou a inspirar o nome do projeto — Woven é tecido, em inglês. Isso também é um aceno à herança da Toyota, já que a montadora começou fazendo teares para tecer diversos tipos de tecidos.

Os principais elementos da infraestrutura serão abrigados no subsolo. Isso deve incluir coisas como armazenamento e encanamento de hidrogênio. No lado de cima, a vida dos residentes provavelmente será facilitada graças aos robôs domésticos e à inteligência artificial baseada em sensores. Em um mundo perfeito, o lixo é retirado automaticamente e os refrigeradores são reabastecidos automaticamente com guloseimas diversas

Como seria de esperar de um projeto dessa escala, ele será construído em fases ao longo de muitos anos. A inauguração oficial está programada para ocorrer no próximo ano, com os primeiros residentes se mudando em aproximadamente cinco anos a partir de hoje.

Espera-se que cerca de duas mil pessoas chamem este local de lar quando estiver completo. Também será permitido que as empresas se estabeleçam por lá. Segundo a Toyota, o custo de vida por lá será "padrão Toyota", ou seja, popular para os padrões japoneses.

Fonte: CNET

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.