SAIU O RESULTADO DO SORTEIO DO PRÊMIO CANALTECH!CONFERIR
Publicidade

Samsung explica vantagens do ar-condicionado moderno para o ambiente e o bolso

Por| 05 de Setembro de 2023 às 18h23

Link copiado!

Jucyber/Canaltech
Jucyber/Canaltech
Tudo sobre Samsung

O mercado de aparelhos de ar-condicionado vem passando por mudanças notáveis nos últimos anos, incluindo a chegada de opções com uma eficiência energética muito maior, conexão Wi-Fi para integração com outros itens de casa inteligente e até o lançamento de opções bivolt, resolvendo a grande questão da falta de ar-condicionado split em residências com tensão de 110 V ou 127 V. Para comentar sobre o assunto, conversamos com o gerente de produtos da divisão de ar-condicionado da Samsung Brasil, Daniel Fraianeli, que nos deu um pouco da visão da marca sobre a categoria.

Daniel Fraianeli trabalha na área de sistemas de ar-condicionado há 15 anos, englobando tanto o sistema de ar-condicionado central (muito comum em edifícios e prédios comerciais em geral) quanto os modelos residenciais. Ele comentou sobre várias características dos produtos, disputa com modelos "de janela" e portáteis, ausência de ar-condicionado split em 127 V, ações que usam a conectividade e muito mais.

Continua após a publicidade

Afinal, o que é um ar-condicionado moderno?

CT: O que separa os dispositivos da atualidade dos modelos de ar-condicionado vendidos há 10-15 anos? Como foi esse processo evolutivo?

Daniel Fraianeli: Há uma transformação do mercado de buscar o ar-condicionado mais econômico, e a grande chave para essa mudança que separa bem o que a gente tinha de 15 anos atrás para cá é a massificação da tecnologia inverter. Essa tecnologia permite o controle do compressor em múltiplas velocidades, e isso ajuda tanto a manter a temperatura bem mais estável quanto a economizar energia. A grande separação é mesmo o consumo de energia, que hoje é bem menor do que há 10 ou 15 anos.

CT: Então acabou o mito de que o ar-condicionado é o grande vilão da conta de luz?

Continua após a publicidade

Daniel Fraianeli: Na prática o mito ainda persiste, mas não deveria. A tecnologia inverter ajuda bastante nessa economia de energia, e mesmo dentro dos produtos inverter existem produtos que são mais econômicos ainda. Dentro da Samsung, por exemplo, temos a linha Pro Energy que é a número 1 em eficiência energética de acordo com os dados do Inmetro. Com aparelhos desse tipo sua economia é muito grande, então com certeza o ar-condicionado não vai pesar na sua conta de luz.

CT: Uma coisa que "jogou contra" os ar-condicionados modernos em formato split foi a dificuldade maior na instalação, já que muitas residências estavam preparadas apenas para o formato antigo "de janela". Como a Samsung se preparou para essa mudança? Teve algum investimento específico em capacitação dos técnicos para popularizar a mão de obra capaz de instalar os modelos split?

Daniel Fraianeli: Esse tema é muito importante porque nos sistemas de ar-condicionado split, diferente de outros eletrodomésticos, a instalação é muito importante, e algumas pessoas acabam não percebendo a importância disso. O aparelho mal instalado muitas vezes até opera por um tempo, mas vai ter sua vida útil muito diminuída e pode estar refrigerando menos do que deveria, e consequentemente aumentando o consumo. Pensando nisso, a Samsung investe muito na capacitação dos profissionais, e concentra essa capacitação através da plataforma Samsung Climatiza. Temos um site e um app que concentram todas as informações técnicas, tanto para apoio rápido aos profissionais como também em treinamentos, sendo esse também o nome dos nossos treinamentos presenciais realizados em várias cidades do Brasil. É sempre bom o consumidor estar atento para exigir um profissional certificado.

Continua após a publicidade

Mitos e verdades sobre ar-condicionado

CT: Economiza mais deixar o ar-condicionado ligado direto ou ligar e desligar de acordo com o que estiver sentindo de necessidade no ambiente?

Daniel Fraianeli: De uma maneira geral podemos dizer que manter o ar-condicionado ligado é o mais econômico, exceto se o aparelho estiver ligado em um ambiente que estiver desocupado. O liga/desliga é uma operação bem custosa em termos de energia, e a tecnologia inverter traz justamente esse benefício de conseguir manter o aparelho ligado com o consumo mais baixo, já que controla a velocidade de operação de forma muito mais precisa e consegue lidar bem com essas cargas mais baixas. A tecnologia evoluiu a tal ponto que hoje vemos pessoas deixando o aparelho ligado até para os PETs em casa, e a grande chave é a tecnologia inverter.

CT: E sobre fechar todas as portas e janelas antes de ligar o ar-condicionado, isso ainda é válido ou a tecnologia evoluiu tanto que não precisa mais?

Continua após a publicidade

Daniel Fraianeli: Continua sendo uma boa prática evitar que haja muita corrente de ar. A renovação de ar do ambiente é sempre muito importante, mas isso não significa que eu vou climatizar meu ambiente com a janela aberta, senão eu tô tentando climatizar o mundo inteiro. É preferível que o ar-condicionado esteja em um ambiente relativamente isolado, com apenas alguma renovação de ar. A diferença maior é que antigamente não tínhamos tanta eficiência ou capacidade, e o próprio método de instalação muitas vezes deixava alguma vazão que prejudicava a climatização, então qualquer frestinha aberta já era o suficiente para afetar o conforto e também a conta de luz.

Qualidade do ar e manutenção autônoma

CT: Durante a pandemia vimos uma preocupação maior com a qualidade do ar, o que obviamente impactou quem usa muito o ar-condicionado e precisou ficar em casa usando ainda mais. Como a Samsung lidou com esse período para fazer a manutenção dos produtos e evitar contaminações tanto de usuários quanto dos técnicos, mantendo os ambientes com uma boa qualidade do ar?

Continua após a publicidade

Daniel Fraianeli: O período de pandemia forçou com que as pessoas ficassem mais tempo em ambientes fechados. Ao estar neste ambiente, a pessoa tinha muito mais contato com o ar-condicionado, e muitas vezes o aparelho operava por muito mais tempo que o de costume até então, acumulando mais poeira e fazendo as pessoas terem esse primeiro contato com um aparelho mais sujo, que geralmente causa problemas alérgicos em geral. A manutenção é sempre fundamental, as pessoas precisam manter sempre o filtro de ar limpo e periodicamente fazer uma lavagem do aparelho como um todo para que ele esteja em condições ideais. Na Samsung temos algumas facilidades nesse sentido, como o filtro que combate o crescimento de bactérias, ionizadores que eliminam vírus, e uma tecnologia exclusiva chamada de Freeze Wash, que facilita essa limpeza do aparelho como um todo ao esterelizar a serpentina por meio de um congelamento rápido, ao toque de um botão. Isso ajuda os usuários de uma maneira geral, não apenas em ambientes residenciais, porque evita ter que fazer a desinstalação do aparelho para realizar a lavagem.

Ar-condicionado como parte da casa inteligente

CT: Ter ar-condicionado com Wi-Fi realmente faz sentido? É algo já usual ou apenas pensado em um futuro que ainda não chegou?

Continua após a publicidade

Daniel Fraianeli: Faz bastante sentido agregar conectividade ao ar-condicionado, porque tem muitas funções interessantes que são agregadas a isso. A mais direta e óbvia é a de controlar remotamente o aparelho, você saiu de casa e esqueceu ele ligado? É possível desligar de qualquer lugar. Também é possível fazer um agendamento, e ele desligar todo dia no horário que eu saio para o trabalho para que eu não precise fazer isso eu mesmo. Tem também a facilidade do comando de voz, você tá indo dormir e não precisa ficar procurando por controle, é só ajustar o que quiser ali direto no seu celular ou outro produto compatível. Além disso, temos também a medição de energia, algo muito popular nos nossos produtos com o SmartThings, onde você vê ali quanto seu ar-condicionado gastou não só em kW/h como também em reais.

CT: Então o SmartThings também serve para te dar alertas importantes sobre o produto, como uma manutenção necessária ou algum ajuste que possa ser feito?

Daniel Fraianeli: Sim, o SmartThings te traz muitas dicas de todos os aparelhos conectados, e o ar-condicionado vai pelo mesmo caminho. Você pode, por exemplo, receber dicas caso esteja colocando a temperatura mais baixa que o recomendado, e ele traz isso vinculado com as medições de consumo de energia. Como ele traz tudo isso ali junto, você pode ver sua economia em tempo real de acordo com os ajustes que for fazendo segundo as recomendações dadas pelo próprio app. Você pode até mesmo programar uma distância a partir da qual seu celular te avise que você saiu de casa e seus aparelhos ainda estão ligados, para que você decida o que fazer. E, claro, vale sempre lembrar, nem só aparelhos Samsung são compatíveis com o SmartThings, então você pode usar persianas ou luzes de outras marcas dentro desse ecossistema, e criar rotinas que envolvem todos os tipos de produtos. São muitas funções ligadas ao Wi-Fi, dava para falar disso o dia inteiro.

CT: Além do celular, por meio de quais outros dispositivos eu consigo usar o SmartThings para controlar o ar-condicionado e demais produtos da casa?

Continua após a publicidade

Daniel Fraianeli: Todas as linhas de produtos da Samsung para o ambiente residencial contam com ao menos um modelo compatível com o SmartThings. Existem refrigeradores, aparelhos de TV — estes dois costumam ser o HUB de controle, inclusive, para controlar outros aparelhos de forma mais prática —, os aparelhos de linha branca em geral são muito conectados, incluindo ainda máquinas de lavar (louças, roupas, lava e seca), e até linhas futuras que vão vir mas eu não posso dar spoiler agora. Para servir como controle, basicamente qualquer produto com acesso ao app do SmartThings pode ser usado, incluindo celulares (não só de fabricação Samsung), PCs, smartwatches, tablets...

CT: Existe algum recurso vinculado com previsão meteorológica para atuação do ar-condicionado? Tipo ver que vai fazer calor e já ativar automaticamente logo antes do calor chegar, para quando ele vier o ambiente já estar climatizado?

Daniel Fraianeli: Os aparelhos de ar-condicionado conectados da Samsung também possuem inteligência artificial, e isso permite um aprendizado. O produto vai entendendo seus padrões de uso e se ajustando para ser mais proativo, como quando você ativa o modo desumidificação porque a temperatura não estava tão alta mas a umidade estava, ou quando você usou o modo Windfree porque a temperatura estava mais alta. Ele vai acumulando esse histórico de uso e aprendendo, e dando respostas cada vez mais acertadas. Enquanto ele está ligado a inteligência artificial está agindo, e ele está aprendendo com os padrões de uso para entregar as sugestões, sem que o usuário precise fazer nada além de ativar o modo IA.

Continua após a publicidade

Ar-condicionado inverter e a conta de luz

CT: Você falou bastante sobre a tecnologia inverter e sobre como ela ajuda a economizar, mas o que você pode passar em números sobre esse consumo? O quanto o inverter realmente ajuda o nosso bolso? E o processo de manutenção, é mais caro que dos modelos sem inverter?

Daniel Fraianeli: A tecnologia inverter vai sim fazer muita diferença na conta de luz. Pode haver uma diferença dependendo da fabricante dos modelos avaliados, mas no caso da Samsung a gente alcança até 77% de economia comparando o modo de resfriamento rápido — mais próximo possível do aparelho não-inverter — e o modo Windfree, que seria a operação mais otimizada. No caso da manutenção, é um mito. Antigamente havia menos profissionais capacitados e por isso havia essa diferença, mas atualmente eu diria que é até mais barata justamente pela popularização dos modelos inverter. Além disso, a própria eletrônica dos modelos inverter, por ser mais moderna, tem mecanismos de segurança que tornam o uso muito mais seguro, incluindo detecção da temperatura interna dos componentes para evitar a queima de um compressor e auto-diagósticos muito precisos, por exemplo.

CT: E todos os modelos do portfólio atual da Samsung são inverter?

Continua após a publicidade

Daniel Fraianeli: Sim, todo o portfólio Samsung é inverter. Todos os modelos usam compressor e placa inverter de última geração para máxima economia de energia, e nossa manutenção é bastante simples, com códigos de erro bem diversos que facilitam um diagnóstico mais preciso na hora de uma eventual manutenção.

CT: E como foi o processo de recategorização dos modelos de ar-condicionado com os novos selos de eficiência do Inmetro?

Daniel Fraianeli: A nossa transição foi bastante tranquila porque a Samsung já desenvolvia todos os seus aparelhos pensando em eficiência energética. A única coisa que a gente precisou fazer foi basicamente botar uma etiqueta nova, porque todos já estavam dentro da nova categoria de máxima eficiência com uma grande folga. O nível A poderia ser bem mais restritivo que a Samsung ainda teria aí uns 10% de folga. Se for pegar então o Pro Energy, que é o mais eficiente dentro do portfólio, ele sobra muito até para normas futuras que vão chegar só em 2025. Para se ter uma ideia, ele tem 33% de economia em relação ao mínimo exigido para o nível A de eficiência.

Continua após a publicidade

Chegada do ar-condicionado bivolt

CT: Uma grande surpresa que tivemos recentemente foi a chegada do primeiro ar-condicionado bivolt, algo que a Samsung já tinha sido pioneira nas geladeiras e leva agora para uma nova categoria de produtos. Qual foi o intuito de olhar para esse público?

Daniel Fraianeli: A tecnologia PowerVolt, que é o que permite que o ar-condicionado seja verdadeiramente bivolt, permite que ele seja não só compatível com tensões de 110 ou 220 V, mas também traga uma série de vantagens. A primeira e mais óbvia é que esse consumidor que tem uma rede 110 V na sua casa pode enfim ter um ar-condicionado split sem ser necessário fazer qualquer tipo de adaptação. Em alguns casos a gente via o consumidor migrando para outro tipo de produto, que não ia trazer o conforto e a eficiência do ar-condicionado split, apenas por essa limitação da rede. Ajuda também na questão de distribuição, você tem um modelo só vendido em qualquer lugar do Brasil sem medo. E ajuda muito também na resistência elétrica, sabemos que muitos lugares sofrem com isso, então ele tem uma resistência maior tanto para sobretensão quanto para subtensão, e pode até mesmo atuar de maneira plena em uma faixa entre 90 e 290 V.

CT: E isso também ajuda a evitar o descarte de modelos funcionais simplesmente se você tiver que se mudar de uma área que é 127 V para outra que é 220 V né?

Daniel Fraianeli: Sim, existe também o ponto da agenda ESG de sustentabilidade. Você diminui o desperdício dos aparelhos, e nossa tecnologia permite que você tenha exatamente o mesmo consumo, seja em 220 V ou 127 V, então você pode manter o aparelho sem se preocupar. Inclusive os modelos de ar-condicionado estão incluídos em nosso programa Eco Troca de troca consciente com descontos bem interessantes. Para quem não conhece, é um programa em que você dá o seu produto antigo em troca de desconto em um novo, e vamos na sua casa buscar para garantir o descarte correto. E não precisa que o aparelho seja Samsung. Atualmente nosso desconto mais alto está justamente incentivando a compra da linha Windfree Pro Energy, que é a com maior eficiência energética. Então você ganha de todo lado, faz o descarte correto, economiza na compra do novo e ainda economiza em energia depois.

Ar-condicionado "apenas frio" x "quente e frio"

CT: Uma grande questão a respeito dos aparelhos de ar-condicionado é a existência de modelos "apenas frio" e "quente e frio", sendo que a diferença de preço nem costuma ser tão grande entre eles. Existe um motivo específico para manter ambos no mercado?

Daniel Fraianeli: O Brasil é um país enorme, com características muito diversas. É interessante sim que a característica de aquecimento esteja disponível para o usuário, porque nunca se sabe quando podemos ter uma onda de frio em locais onde normalmente é mais quente. Mas, existem lugares onde a função de aquecimento seria basicamente desnecessária, como na região norte. Isso permite que a gente faça uma diferenciação em outros pontos e trabalhe melhor o preço, com entrega de mais acessórios ou outras características que mais se adequam ao que aquele público busca. A região sul, por exemplo, costuma usar tanto quente quanto frio e também acessórios de conectividade ou ionizador para purificar o ambiente, enquanto outros locais não exigem isso, e daí a gente consegue baixar um pouco o preço e continuar oferecendo o que as pessoas mais buscam, que é nossa tecnologia inverter, conforto da tecnologia Windfree e capacidade de refrigeração.

CT: Você falou algumas vezes sobre o Windfree. A tendência do ar-condicionado sem vento pegou mesmo?

Daniel Fraianeli: Com certeza, a gente vê que é uma tendência irreversível. Existe uma ciência por trás do conforto térmico, por mais que algumas pessoas prefiram mais ou menos frio, a velocidade do ar é definitivamente um fator de conforto. É muito comum que as pessoas associem um ar "muito frio" e saiam mexendo na temperatura, quando a verdade é que elas estavam simplesmente na direção do vento. É 100% positivo, quem está em um ambiente corretamente climatizado, sem vento, vai preferir. Depois que você experimenta a primeira vez não dá para voltar atrás. E além de tudo ainda tem questão de saúde, o vento direto trás vários problemas tanto respiratórios quanto de pele e outros fatores que podem agredir seu corpo.

Ar-condicionados modernos também no visual

CT: Temos visto há anos uma predominância do ar-condicionado na cor branca, ao menos no Brasil, tanto que a própria Samsung chamou atenção quando lançou um modelo preto recentemente. Qual o motivo pra isso?

Daniel Fraianeli: Acho que entram alguns fatores, especialmente o cultural. Aqui no Brasil as pessoas esperam que o ar-condicionado seja discreto, e como a maioria das paredes é branca o aparelho acaba sendo branco também, já que assim não se destaca no ambiente. Mas as pessoas também estão buscando cada vez mais ambientes mais diferentes e exclusivos, isso na cozinha já acontece um pouco mais, e por isso você vê geladeiras e outros eletrodomésticos na frente nessa questão de opções de cores. Mas o que a gente vê também é aplicação de outros materiais nas paredes quando vão fugir do branco, com algo mais escuro como cimento queimado ou madeira, e aí abre espaço para que o ar-condicionado seja de outras cores para que ele mantenha isso de ser discreto. Inclusive na Coreia do Sul a gente tem vários outros modelos, é muito mais parecido com as geladeiras. No Brasil, com isso de deixar o ar-condicionado o mais discreto possível, a Samsung adicionou na linha Windfree a opção Black Edition, que se integra bem em ambientes de tons mais escuros. A tendência é que se abra espaço para outras cores conforme essa demanda cresça.

CT: Não daria para fazer algo como é feito na The Frame, onde você só muda o quadro para deixar a TV com a sua cara?

Daniel Fraianeli: A Samsung tem uma tendência a seguir por essa linha. A gente tem uma linha de 2022 chamada Windfree Metal Cooling onde a frente dele foi trocada por uma aparência metálica justamente para se adequar a mais aparelhos, mas a carenagem continua sendo a original de fábrica, então a troca pelo usuário comum é mais complicada. Mas a tendência é que com a popularização haja escala para mais cores e montagem trocando a carenagem.

Split vs ar-condicionado "de janela" e portátil

CT: Ainda há espaço para os modelos "de janela" e portátil, ou ar-condicionado split já está consolidado como opção mais eficiente?

Daniel Fraianeli: As duas opções possuem uma limitação que é da própria tecnologia do aparelho, não é nem problema de marca A ou B. O maior problema é que o ar-condicionado traz o frio para o ambiente interno, mas precisa jogar o calor para o externo, e no casos desses dois modelos isso não é eficiente. A conexão com o ambiente externo é mais problemática, e isso afeta consumo, afeta o ruído de atuação, afeta a conta de luz... no final das contas a tecnologia split responde tudo isso de uma forma melhor. E na Samsung a gente ainda tem a tecnologia PowerVolt que elimina a maior limitação que fazia muita gente apelar para modelos menos eficientes, que é a compatibilidade com redes que não sejam 220 V. Também temos modelos cada vez mais compactos, que podem ser instalados em lugares com espaço mais limitado.