Pesquisa prevê carência de 408 mil profissionais de TI até 2022

Por Roseli Andrion | Editado por Claudio Yuge | 15 de Julho de 2021 às 23h00
seventyfourimages / envato

Já faz algum tempo que o setor de tecnologia da informação (TI) enfrenta déficit de profissionais. No Brasil, essa carência deve ser de mais de 408 mil postos de trabalho até 2022. Com isso, as perdas acumuladas entre 2010 e 2020 já alcançam os R$ 167 bilhões. Os dados são da Softex, uma organização social voltada ao fomento da área de TI que integra o Projeto TechDev Paraná.

Atualmente, o Brasil é o 10º maior mercado do mundo no setor. Na América Latina é o líder e responde por 40% do total, segundo a Associação Brasileira das Empresas de Software (Abes). Então, o país precisa enfrentar a falta de mão de obra qualificada para não perder a oportunidade de ser referência na área. 

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Uma das iniciativas nesse sentido é o TechDev Paraná, lançado em novembro de 2020, que busca promover o ecossistema de tecnologia e inovação. “Para isso, conecta empresas, universidades, instituições de ciência e tecnologia, e o setor público”, aponta Lucas Ribeiro, diretor-presidente da Associação das Empresas Brasileiras de Tecnologia da Informação (Assespro-PR).

Imagem: Reprodução/Envato/Rawpixel

Nesse contexto, o Projeto criou duas pesquisas para identificar gargalos e demandas em recursos humanos do setor. Uma delas vai mapear as vagas existentes e onde a carência de trabalhadores da área é recorrente. As empresas participantes respondem a um formulário sobre formas de recrutamento e manutenção de pessoal, e outros aspectos da gestão de pessoas. A outra quer investigar as competências de hard e soft skills requeridas.

Para Ribeiro, o diagnóstico vai permitir que empreendedores e gestores públicos estabeleçam ações mais efetivas em prol do desenvolvimento do segmento. Ele destaca o protagonismo do Paraná nesse cenário e avalia que a participação das empresas nas pesquisas é fundamental.

Ribeiro aponta que, de acordo com Acate Tech Report 2020, o Paraná é o segundo Estado brasileiro em faturamento em TI. “No último período, registrou crescimento de 25,4%. É, ainda, o segundo em número de novos profissionais formados”, diz. Os setores que se destacam na geração de empregos de TI são agricultura e pecuária, alimentos e smart grid (gestão automatizada do setor elétrico).

Treinamento corporativo

Uma das medidas tomadas pelas empresas para enfrentar a falta de profissionais especializados é a oferta de formação a colaboradores que as companhias já têm. Entre as áreas mais presentes nessas iniciativas estão a computação em nuvem, a análise de dados, a robótica e a inteligência artificial.

Imagem: Reprodução/Pexels/Christina Morillo

Como o Brasil forma anualmente cerca de 45 mil especialistas em tecnologia e há 70 mil novas vagas por ano, segundo dados da Associação das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom), cursos e treinamentos internos se tornaram a estratégia mais adotada pelas organizações. Algumas têm universidades corporativas que permitem realocação mais ágil.

Profissionais de diferentes setores, como administração, comunicação, sustentabilidade, Recursos Humanos e outros, podem ser aproveitados em outras funções. Esse investimento reflete a expectativa de que o déficit de profissionais vai crescer ainda mais nos próximos anos. Os números já mostram a tendência: nos três primeiros meses de 2021, foram contratados 41 mil profissionais de TI no país. Em todo o ano de 2020, foram 47 mil.

 

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.