Competição com a AMD em data centers faz ações da Intel despencarem 9%

Por Carlos Dias Ferreira | 27 de Julho de 2018 às 19h09
Tudo sobre

Intel

Mesmo tendo apresentado bons resultados financeiros durante o segundo trimestre deste ano, a Intel assistiu às suas ações despencarem em 9% nesta sexta-feira (27). De acordo com analistas, os investidores veem o negócio de processadores para data centers da companhia ameaçados pelo retorno recente da AMD ao segmento — cenário revelado por um crescimento relativamente tímido da companhia no setor.

Após um hiato de 10 anos, a Advanced Micro Devices (AMD) lançou recentemente o EPYC, chip que tem se mostrado mais eficiente do que os Xeon, da Intel, em diversos testes realizados desde o seu lançamento. Em termos monetários, os Xeon mostraram menor lucratividade por dólar do que os EPYC, algo particularmente relevante em um período ditado por processamentos e armazenagem em nuvem.

Atrasos no Cannon Lake de 10 nanômetros

O quadro também se tornou um tanto mais preocupantes por conta do atraso das Intel em lançar sua nova linha de processadores Cannon Lake de 10 nanômetros, o que foi justificado por “problemas de produção”. Segundo a nova agenda, o chip deve chegar apenas em 2019. A AMD, por sua vez, conduz atualmente testes com versões de 7 nanômetros, com previsão de lançamento ainda para 2018.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Atrasos no lançamento do processador Cannon Lake de 10 nanômetros da Intel são vistos com desconfiança por um mercado cada vez mais movido pela nuvem. (Imagem: reprodução/Intel). 

Dessa forma, o sorriso amarelo de Wall Street se deve ao bom sucesso momentâneo que, não obstante, parece ocultar ameaças aos planos de longo prazo da Intel de investir pesadamente na produção de infraestrutura para serviços em nuvem. Seja como for, alguém precisará fornecer a tecnologia para os data centers da Amazon, da Microsoft e de várias outras empresas com receitas crescentes baseadas em serviços remotos; e os apostadores parecem acreditar cada vez mais que a marca que acabará estampando os chips pode ser outra.

Fonte: Nasdaq

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.