Ações da Intel caem 14% ao anunciar que seus chips de 7nm atrasarão outra vez

Por Rui Maciel | 24 de Julho de 2020 às 13h15
The Street
Tudo sobre

Intel

Saiba tudo sobre Intel

Ver mais

Ao anunciar que o lançamento de sua próxima geração de processadores atrasará por seis meses, a Intel sentiu no bolso: isso porque a empresa viu suas ações caírem 14% nas negociações pré-mercado nesta sexta-feira (24) após a declaração.

O anúncio a respeito do atraso ocorreu durante a divulgação dos resultados financeiros do segundo trimestre da Intel, divulgados na última quinta-feira (23). Na ocasião, a empresa divulgou lucro por ação e receita que superaram as expectativas de Wall Street.

Originalmente, a previsão da empresa era de que o lançamento desses chips ocorrese no segundo semestre deste ano. No entanto, em março, a fabricante anunciou um adiamento para o final de 2021. Agora são pelo menos mais 12 meses de atraso ou até mais, já também há a possibilidade de que essa nova geração de processadores chegue ao mercado apenas no segundo semestre de 2023.

Bob Swan: CEO da Intel precisou dar más notícias a respeito dos seus próximos lançamentos

"Estamos vendo uma mudança aproximada de seis meses em nosso tempo de processamento das CPU de 7 nm (nanômetros) em relação às expectativas anteriores", disse o CEO da Intel, Bob Swan , em comunicado. "O principal fator é o rendimento do nosso processo de 7 nm, que com base em dados recentes, fará com que a nossa meta interna seja adiada em 12 meses para ser alcançada".

Ainda durante o comunicado Swan continuou: "Identificamos um modo defeituoso em nosso processo de 7nm que resultou em degradação do rendimento. Identificamos a raiz do problema e acreditamos que não existem obstáculos fundamentais a serem superados, mas também investimos em planos de contingência para proteger o cronograma de outras incertezas". O executivo afirmou ainda que trabalhará ao lado de fabricantes parceiras em alguns segmentos de mefcado para poder acelerar o lançamento de seus próximos processadores.

AMD sorri

Anteriormente, a Intel anunciara que seus chips de 7 nanômetros seriam lançados em 2021. No entanto, o anúncio de que o lançamento dos processadores ocorrerá somente entre o final de 2022 e o primeiro semestre de 2023, faz a alegria de sua principal rival, a AMD.

Isso porque a empresa já conta com chips de 7nm disponíveis no mercado - CPUs e GPUs - e deve se consolidar nesse mercado por, pelo menos, dois anos. Além disso, a AMD promete lançar processadores com litografia de 5 nanômetros - arquitetura Zen 4 "Genoa" - em 2022. Ou seja, a Intel não apenas chegará atrasada em dois anos para a "festa do 7nm", como já chegará com uma geração defasada se o roadmap da AMD se concretizar. Para completar as çoes da AMD subiram 8% no pregão de sexta-feira.

Roadmap de chips da AMD: processadores de 5nm já para 2022

Além do atraso no lançamento dos chips de 7 nanômetros, a Intel ofereceu uma orientação mais fraca do que o esperado para seus resultados de ganhos no terceiro trimestre. A empresa prevê lucro por ação ajustado de US$ 1,10, com US $ 18,2 bilhões em receita. Os analistas de mercado esperavam um lucro por ação um pouco maior.

Fonte: Business Insider  

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.