Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

Airbus Beluga: 7 curiosidades sobre o gigantesco avião de cargas

Por| Editado por Jones Oliveira | 26 de Julho de 2022 às 15h20

Link copiado!

Paulo Amaral/Canaltech
Paulo Amaral/Canaltech

O A300-600 ST, também conhecido como Beluga ST, chamado carinhosamente de avião baleia, tocou pela primeira vez em sua história o solo brasileiro no domingo (25), em Fortaleza, dando uma “esticadinha” até Campinas na tarde de segunda-feira (26). A reportagem do Canaltech acompanhou de perto esta “segunda perna” da viagem.

Depois de ver o gigantesco avião de cargas da Airbus de perto e conversar com executivos da empresa e da Azul, dona do hangar que serviu de casa para o Beluga ST durante uma noite, listamos 7 curiosidades sobre o avião-baleia que você provavelmente não sabia.

Continua após a publicidade

7. Mais volume, menos peso

Apesar de ser o avião cargueiro com maior seção interna transversal do mundo, com a capacidade de acomodar cargas de até 7,1 metros de largura e 6,7 metros de altura, o Airbus Beluga ST não é o que tem a maior capacidade de transportar peso.

Segundo as informações oficiais, o gigantesco avião de cargas de Airbus pode carregar 1.500 m³ (mais do que o extinto Antonov-225), mas “apenas” 40 toneladas, contra 250 do avião destruído pelos russos.

6. A “boca da baleia”

Ao contrário do que estamos acostumados a ver em aviões tradicionais, a entrada da tripulação e de eventuais convidados no avião-baleia não é por portas laterais, posicionadas na dianteira e na traseira da aeronave.

O Beluga ST, gigantesco avião cargueiro da Airbus, abre a “boca”, ou melhor, a parte da frente, para receber as cargas e a tripulação. Durante sua passagem por Viracopos, em Campinas, a abertura das portas foi um dos momentos de maior êxtase para quem foi até o aeroporto ver de perto a aeronave.

Continua após a publicidade

5. Iluminação rasteira

As lâmpadas do compartimento de carga do Beluga não ficam posicionadas no teto do interior da aeronave, e sim no chão. Isso mesmo. A iluminação do cargueiro é rasteira. O único equipamento que não fica no chão é o da abertura de porta.

4. Construção bilionária

Continua após a publicidade

A construção do Beluga ST foi uma obra que necessitou de bilhões de reais para sair do papel. Cada um dos dois motores do enorme avião de cargas custou R$ 218 milhões aos cofres da Airbus.

O projeto total, levando-se em conta que há 5 Beluga ST “vivos”, ficou em torno de R$ 5,4 bilhões, ou seja, R$ 1,54 bilhão por unidade. Questionado pela reportagem do Canaltech sobre quanto o Beluga ST vale atualmente, o departamento de comunicação da Airbus respondeu que “como o avião não está à venda, ele não tem preço”.

3. “Mamífero” gigantesco

Continua após a publicidade

Já vimos em outros conteúdos que o avião-baleia tem dimensões colossais, mas o que você talvez não saiba é que o tamanho do gigantesco avião cargueiro da Airbus é quase duas vezes maior do que a verdadeira baleia azul, maior mamífero do mundo.

A baleia azul costuma medir entre 24 e 30 metros. Já o Beluga ST tem 56,16 metros de comprimento, 17,25 metros de altura e 8,8 metros de diâmetro. Impressionante, não é mesmo?

2. Tripulação reduzida

Continua após a publicidade

Um avião com as dimensões do cargueiro da Airbus deve ter uma verdadeira legião de pessoas trabalhando dentro dele para mantê-lo no ar, certo? Errado. Na verdade, apenas três profissionais compõem a tripulação do Beluga ST.

A tripulação é composta por dois pilotos e um mestre de carga, que precisam dar conta de um painel de instrumentos com seis visores. Neles aparecem, a todo momento, as informações do voo, navegação e monitoramento do que está no entorno do Beluga ST.

1. Posso voar no Beluga? Nope!

Continua após a publicidade

Para fechar o material com 7 curiosidades sobre o Beluga ST, uma resposta que pode desanimar você, caro canaltecher que sonhava em, um dia, fazer um voo turístico a bordo do gigantesco avião de cargas da Airbus.

O Beluga ST não carrega passageiros, exceto, obviamente, os integrantes da tripulação, já descritos no tópico anterior. O avião nasceu exclusivamente para o transporte de cargas e, por isso, não realiza voos comerciais levando pessoas de um ponto a outro.