YouTube foi o aplicativo de vídeo mais rentável do segundo trimestre de 2019

Por Rafael Rodrigues da Silva | 01 de Agosto de 2019 às 21h30
Tudo sobre

YouTube

Saiba tudo sobre YouTube

Ver mais

De acordo com um relatório divulgado na última quarta-feira (31) pela empresa de análise de mercado SensorTower, o YouTube se manteve no segundo trimestre de 2019 como o aplicativo de vídeo com maior quantidade de compras dos usuários dentro do app.

A arrecadação do período, que chegou a US$ 138 milhões, representa mais do que o dobro do que o arrecadado pelo YouTube no mesmo período do ano passado. Cerca de 70% dessa arrecadação vem dos Estados Unidos, enquanto que, em um segundo lugar bem distante, está o Japão, responsável por apenas 7% do valor arrecadado. A enorme diferença entre as localidades pode ser explicada pelo fato de o YouTube TV (que permite acessar o sinal de transmissões para a TV direto pelo app do YouTube) ser uma ferramenta exclusiva dos Estados Unidos, além das assinaturas do YouTube Premium ser muito mais comuns nos Estados Unidos do que no resto do mundo.

Apps de vídeo mais rentáveis no geral (esquerda), na App Store (centro) e na Play Store (direita) (Imagem: SensorTower)

Mas ainda que se mantenha como o aplicativo de vídeo onde os consumidores gastam mais, o YouTube não é o aplicativo mais rentável em sua própria “casa” - ou seja, nos aparelhos Android. Enquanto o YouTube se mantém no topo da lista de aplicativos de vídeo onde os consumidores mais efetuam compras na App Store da Apple, ele não aparece nem entre os dez aplicativos de vídeo de maior receita da Google Play Store. Isso também ajuda a explicar a disparidade entre a arrecadação nos Estados Unidos e no resto do mundo, já que, enquanto em praticamente todo o mundo os smartphones Android são os mais usados pela população, nos Estados Unidos ainda há um grande domínio de mercado pela Apple.

De acordo com a Sensor Tower, a lista dos apps de vídeo no qual os consumidores mais efetuam compras foi feita a partir dos dados disponibilizados pela App Store e pela Play Store no período entre 1º de abril e 30 de junho de 2019, e não leva em conta as transações que acontecem por outras lojas virtuais de aplicativos.

Fonte: SensorTower

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.