Google teria oferecido à Netflix "desconto especial" nas taxas da Play Store

Google teria oferecido à Netflix "desconto especial" nas taxas da Play Store

Por Alveni Lisboa | Editado por Douglas Ciriaco | 31 de Agosto de 2021 às 11h43
(Imagem: Reprodução/Sayan Ghosh/Unsplash)

Não é de hoje que Google e Apple estão na mira das autoridades em razão da cobrança de taxas sobre transações feitas em seus sistemas de pagamento. Como os desenvolvedores são obrigados a usar esse sistema, o jeito é se conformar com o pagamento de até 30% sobre as vendas ou então cair fora. Agora, um documento vazado do processo entre a criadora do Android e a Epic Games mostra que o Google tentou negociar com a Netflix para a companhia de streaming realizar transações via Play Store com taxas mais amigáveis.

A Netflix tem por hábito incentivar a assinatura de seus serviços direto pelo navegador, independentemente de ser no computador ou celular, porque assim ela consegue se livrar das taxações. Segundo o portal Android Headlines, para que o serviço de streaming não fizesse isso, a gigante de Mountain View ofereceu uma "comissão reduzida" (valores não revelados) das receitas geradas na Play Store.

Trecho extraído do processo revela que o Google teria procurado a Netflix e oferecido um desconto (Imagem: Reprodução/MLex)

A Apple também já teria feito proposta semelhante em situação anterior. E-mails confidenciais datados de 2018 mostram que a Maçã traçava estratégias para convencer o serviço de streaming a não abandonar o método de pagamento padrão e, com isso, deixar de contribuir com os 30% sobre cada transação. Na época, o app para iOS havia retirado a opção de fazer assinatura direta, o que obrigava o usuário a fazê-lo pelo navegador.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Empresas de streaming ou de venda de serviços, como Spotify e Tinder, também tentam contornar o sistema de pagamento ao sugerir aos usuários (em alguns casos, é mais que uma sugestão) que façam suas inscrições pelo site oficial. Curiosamente, nenhuma das outras empresas recebeu a mesma proposta além da Netflix, o que levanta questionamentos sobre um possível tratamento diferenciado.

A criadora do Android negou as afirmações levantadas e disse, em comunicado ao site The Verge, que trata todos com equidade, inclusive na política de pagamentos. "Há muito tempo temos programas que oferecem suporte aos desenvolvedores com recursos e investimentos aprimorados. Esses programas são um sinal de competição saudável entre sistemas operacionais e lojas de aplicativos e desenvolvedores de benefícios”, declarou via nota.

Taxação de apenas 6%

Outro documento extraído do processo revela que o Google pensa em reduzir a taxa aplicada sobre receitas na Play Store para apenas 6%. Se isso for verdade, pode ser uma excelente notícia para consumidores e desenvolvedores, atualmente submetidos a comissões de 30% sobre cada transação. Esse valor só teria sido referido como uma forma de igualar a taxação à rival Apple, mas sem qualquer embasamento de mercado ou necessidade de manutenção da loja, por exemplo.

Em março deste ano, o Google anunciou que reduziria a comissão de todas as compras digitais para 15% para o primeiro milhão faturado, o que beneficiaria os pequenos criadores de apps. Mas a companhia trabalha em um novo programa de faturamento que só deve chegar em março de 2022, prazo esse ainda muito dilatado para desenvolvedores lidarem com a elevada taxação.

Tanto a Play Store quanto a App Store estão no olho do furacão mundial sobre essa temática, com ações se proliferando mundo afora e até projetos de leis apresentados nos Estados Unidos e na Coreia do Sul — este aprovado nesta terça-feira pelo parlamento local.

Resta saber se essa pressão vai surtir algum efeito ou as autoridades serão obrigadas a tomar medidas para coibir práticas monopolistas, algo que seria bastante prejudicial não somente para as empresas em si, mas para a economia tecnológica global.

Fonte: Android Headlines, The Verge  

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.