Google Agenda ganha recurso para facilitar o controle do tempo gasto em reuniões

Google Agenda ganha recurso para facilitar o controle do tempo gasto em reuniões

Por Igor Almenara | Editado por Douglas Ciriaco | 31 de Agosto de 2021 às 12h46
Reprodução/Google

Em uma era de trabalho remoto, é fácil perder noção das horas gastas em reuniões e encontros virtuais. Para manter os usuários atentos ao tempo consumido pelos papos e discussões, o Google Agenda ganhará uma seção com gráficos e informações extraídas da rotina profissional.

O intuito é dar aos usuários dados de fácil interpretação relacionados ao trabalho e à rotina do ambiente virtual. A ferramenta se chama Time Insights e, ao menos no primeiro momento, estará disponível somente para o Google Agenda para navegador.

Seção dedicada do Google Agenda dará mais controle sobre tempo gasto em reuniões (Imagem: Reprodução/Google)

Na seção, usuários vão encontrar informações detalhadas sobre as reuniões passadas, como quantos integrantes possuíam e qual a frequência e média de horas gasta nos encontros. Os pontos mais importantes, como tempo consumido nas conferências, estarão reunidos no gráfico do Time Insights.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

As pessoas com as quais os usuários mais se encontram pelo Google Meet também estarão dispostas em destaque na seção “Pessoas que encontrou”. Contatos importantes podem ser fixados nessa área para ter informações sempre à mão.

Limitado, mas útil

Detalhes contidos no Time Insights são limitados aos encontros cujo convite foi feito na conta Google (e foram devidamente aceitados), então a central de informações não vai captar rotinas em outras plataformas, como Zoom e Microsoft Teams. Mesmo que limitado, a função do Agenda pode facilitar o controle de horas gastas em reuniões a partir de outro aplicativo (ou planilha, se preferir).

De acordo com o Google, a função será distribuída entre os usuários Workspace Business Standard, Business Plus, Enterprise Standard, Enterprise Plus e Education Plus a partir de 6 de setembro — portanto, a ideia é alcançar somente os perfis profissionais. Não é necessário fazer nada para que a ferramenta comece a funcionar e, por essa mesma razão, não há nada a se fazer senão esperar até a liberação da empresa.

Fonte: Google

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.