App para negociação de jogadores já é usado por 550 clubes de futebol

Por Claudio Yuge | 24 de Julho de 2020 às 20h15
Alexandre Vidal/Flamengo

Imagine um app que facilita aos dirigentes de clubes de futebol filtrar as características de um jogador e apresentar um “match” quando o software encontrar rapidamente um atleta no perfil desejado. O TransferRoom foi lançado em 2017, mas agora é que começou a ser usado como uma verdadeira plataforma de negócios: mais de 550 clubes de 78 ligas de 44 países já aderiram ao serviço, incluindo times brasileiros como Flamengo, Internacional e São Paulo.

O funcionamento é parecido com aplicativos de paquera como Tinder: você pode usar o celular para registrar um jogador para transferência e também buscar opções no mercado, com filtros por posição, idade, altura, faixa de preço, país e região. Se alguém se interessa por um atleta do anunciante, basta clicar o botão de “declarar interesse” e aguardar uma possível combinação para iniciar as conversas de negócios.

Divulgação/TransferRoom

Pelo menos por enquanto, não há ofertas de nomes tão populares, mas o software vem crescendo bastante, mesmo com uma assinatura com preço que mira mesmo os dirigentes com altas cifras. O preço para usar esse serviço gira em torno de 12 mil libras (R$ 78 mil na conversão direta).

O app foi criado pelo dinamarquês Jonas Ankersen, que reuniu engenheiros e analistas de dados antenados com o mercado da bola. Segundo o idealizador, a proposta é dar mais visibilidade e transparência às negociações. Com a queda nas receitas e a revisão de orçamentos nos clubes, devido à pandemia do novo coronavírus (SARS-CoV-2), o TransferRoom viu um grande salto de uso desde maio.

Quais são as grandes vantagens para os dirigentes?

As negociações tradicionais costumam acontecer em vários encontros, jantares e conversas, sejam presenciais ou por telefone. Como o distanciamento social é a maior arma contra a COVID-19, o TransferRoom surge como uma boa opção de analisar o mercado sem a necessidade de contato próximo entre as partes. E não somente pela segurança, mas, principalmente, pela possibilidade de avaliar os atletas à disposição com informações detalhadas em um só lugar.

Dirigentes do Newell’s Old Boys (Argentina), Deportivo Cali (Colômbia) e do São Paulo disseram ao Globoesporte.com que um dos grandes trunfos do app é reunir em uma só plataforma as ofertas de vários países, além de facilitar o início das conversas entre os dirigentes e de exibir uma estimativa dos preços. O goleiro Lucas Perri, por exemplo, foi contratado por empréstimo pelo Crystal Palace (Inglaterra), em janeiro do ano passado, a partir de um diálogo que começou no TransferRoom.

Divulgação/TransferRoom

É claro que o app não substitui as avaliações e conversas presenciais. Vale destacar também que os empresários, normalmente os responsáveis pela mediação das partes, devem se adaptar ao novo formato de transação. Como os clubes podem entrar em contato direto para iniciar a conversa, alguns passos para o fechamento de contratos podem ser dados rapidamente pelo próprio utilitário — e somente as agremiações podem se cadastrar na plataforma.

Ainda não dá para saber como o TransferRoom será completamente incorporado às transações no mercado da bola, contudo, com a crescente adesão, há uma iminente disrupção nos modelos de negócios nesse setor.

Fonte: Globoesporte.com  

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.