Google pode perder quase 1 bilhão de usuários se Huawei abandonar o Android

Por Rafael Rodrigues da Silva | 26 de Junho de 2019 às 21h10
Tudo sobre

Huawei

Saiba tudo sobre Huawei

Ver mais

Desde que o presidente dos Estados Unidos assinou o documento que proíbe a Huawei de negociar com empresas do país, uma grande aura de incerteza paira sobre o futuro da companhia chinesa. E uma das incertezas principais é sobre o sistema operacional dos smartphones da companhia, que historicamente sempre utilizaram o Android, mas, como a empresa responsável pelo sistema (a Google) tem sua sede nos Estados Unidos, há a possibilidade de os próximos aparelhos da Huawei não utilizarem mais o Android, mas sim um sistema operacional próprio.

A impossibilidade de lançar seus smartphones com o sistema Android será um problema para a Huawei mas, de acordo com o CEO da empresa, Ren Zhengfei, a Google também deverá sofrer muito com essa decisão do presidente Trump. Em entrevista para a CNBC, ele revelou que, caso a empresa seja mesmo obrigada a parar de utilizar o sistema Android em seus aparelhos, a Google deverá perder cerca de 800 milhões de usuários de uma hora para a outra, o que irá impactar em muito os negócios da companhia dos Estados Unidos.

Afinal, não podemos esquecer que a Huawei é, hoje, a segunda maior fabricante de smartphones do mundo — e caminhando para se tornar a maior. Mesmo que, num primeiro momento, esses números pareçam inflacionados, é preciso lembrar que apenas neste ano (considerando dados de até maio) a Huawei já vendeu cerca 100 milhões de smartphones ao redor do mundo, e a meta é de terminar 2019 com pelo menos 250 milhões de aparelhos vendidos.

Considerando que a empresa já vem mantendo número nesta faixa nos últimos cinco anos, e que a guerra fiscal entre os Estados Unidos e a China tem sido a melhor campanha de marketing para a empresa e aumentado a procura dela no país natal (que é, por coincidência, o maior mercado de smartphones do mundo), mesmo que os números de Zhengfei estejam inflados, as siglas reais do número de usuários perdidos não serão tão diferentes dos levantados pelo CEO.

Ainda que o bloqueio pareça estar perdendo força — com não apenas membros do gabinete do presidente mas também empresas como a Qualcomm, a Intel e a própria Google pressionando o governo sobre os efeitos negativos que este bloqueio poderá gerar para a economia do país —, a Huawei já avisou que está preparada para se adequar a um mercado onde não poderá negociar com empresas americanas, e já possui um sistema operacional próprio pronto para ser lançado ainda este ano na China — e no começo de 2020 no resto do mundo.

Ao assinar o bloqueio, Trump mostrou um mais uma vez desconhecimento sobre como funciona uma economia realmente global, onde é impossível cortar relações com uma das maiores empresas do mundo sem gerar problemas para o próprio futuro econômico do país. E, se ele não voltar atrás no banimento da Huawei, essa decisão poderá acabar coroando o seu governo como aquele que, ao tentar mostrar os Estados Unidos como superiores aos seus adversários econômicos, acabou por provar como a economia do país é dependente do resto do mundo.

Fonte: CNBC

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.