Jogos com compras internas não serão mais chamados de gratuitos na Play Store

Por Redação | 18.07.2014 às 15:20
photo_camera Reprodução

A justiça europeia e o Google finalmente estão tomando ciência de um problema que cada vez mais ganha espaço na mídia internacional: o de apps gratuitos com compras internas. A empresa norte-americana chegou a um acordo com a justiça da Europa nesta sexta-feira (18) para finalmente rotular esse tipo de aplicativo de uma forma diferente, já que para muitos eles não são nada gratuitos.

Há algum tempo que pais e justiça vinham se preocupando com a extorsão de jogos como Candy Crush, que se passam por gratuitos mas que, na verdade, drenam o dinheiro de cada vez mais pessoas. As "vítimas" são, principalmente, crianças e pessoas viciadas nos jogos do tipo, que acabam gastando quantias cada vez maiores de dinheiro para obter itens e vidas extras que supostamente os ajudam a progredir.

Agora, o Google finalmente se comprometeu a implantar algumas mudanças para coibir esse tipo de atividade já em setembro. A primeira delas, conforme informa o Engadget, é deixar de classificar esses aplicativos como "gratuitos" já que eles oferecem compras opcionais dentro deles. Além disso, a empresa disse que criará cartilhas para prevenir que os jogos façam propagandas abusivas que incentivem a compra de itens dentro deles.

Muito embora a sugestão da justiça europeia tenha sido recebido de bom grado pelo Google e esteja sendo vista com bons olhos pelo público em geral, a Apple permanece austera sobre o caso e aparentemente não está disposta a mudar a forma como classifica os apps na App Store. Segundo a Maçã, já há medidas de proteção a compras indevidas por meio de senhas para compras, além da opção "Ask to Buy", que envia pedidos de compra dos smartphones das crianças para o dos seus pais, que podem aprová-la ou não.

Mesmo com a declaração seca, a empresa disse que "continuará trabalhando com os estados pertencentes à Comissão Europeia para cuidar de suas preocupações em relação ao assunto". A justiça, por sua vez, reconheceu que nada pode fazer para mudar esse quadro e que apenas orienta as empresas a olharem para o problema com mais cautela.

Duvida que esse tipo de app represente algum tipo de problema? Então leia essas histórias bizarras: