Mulher rouba quase R$ 4 mil da mãe doente para sustentar vício em Candy Crush

Por Redação | 09.07.2014 às 12:20
photo_camera Candy Crush

Mais uma história triste de pessoas que não sabem a hora de parar. A britânica Sally-Anne Turner, de 45 anos, foi indiciada por fraude e por abusar de uma posição de confiança ao roubar 1 mil libras, um valor que chega a quase R$ 4 mil, de sua mãe doente para comprar vidas e poderes especiais e sustentar o seu vício no game Candy Crush Saga.

No título, os jogadores devem unir doces de formatos e cores diferentes em conjuntos de três ou mais peças, de forma a concluir objetivos específicos ou simplesmente limpar a tela. A questão é que o game funciona por meio de um sistema de vidas que, uma vez encerradas, devem ser adquiridas com dinheiro de verdade caso o usuário não queira esperar algumas horas para reposição. O jogo é desenvolvido pela King e considerado um dos maiores sucessos do mundo mobile.

Turner tinha acesso às contas bancárias da mãe devido à sua condição de tratadora. E foi de lá que saiu o dinheiro para a realização das microtransações que permitiam o progresso no jogo. Os gastos foram feitos entre fevereiro de 2012 e janeiro de 2014, e foram descobertos depois que a idosa checou seu saldo bancário e percebeu o desaparecimento de um bom montante de dinheiro.

De acordo com as informações do Daily Mail, Turner, por meio de seu advogado, disse estar profundamente arrependida e ter se comprometido a pagar a mãe de volta, mas ela se recusou a receber. Foi aí que começou o processo judicial, que teve como principal alegação da defesa o fato de a britânica estar com um vício “fora do controle” não apenas em Candy Crush Saga, mas também em outros títulos para celular.

Apesar de tais alegações, juntamente com a admissão de sua culpa por fraude, terem evitado uma pena imediata de prisão, Turner recebeu uma sentença de 12 semanas em regime fechado, que pôde ser convertida em condicional por um ano. Nesse caso, ela deve respeitar um horário de recolhimento e está proibida de deixar a própria casa entre as 8h da noite e as 6h da manhã.

Para o juiz, a pena é necessária para que a mulher reconheça a extensão dos danos que cometeu à mãe. Além disso, claro, ela foi retirada do papel de tratadora e não tem mais acesso às contas bancárias. Afirmando estar profundamente chateada com tudo isso, Turner disse que abandonou o hábito de jogar pela internet ou celular.